Apos­ta na in­dus­tri­a­li­za­ção é o ca­mi­nho a se­guir

ONU la­men­ta fal­ta de fi­nan­ci­a­men­to à agri­cul­tu­ra ape­sar do po­ten­ci­al do con­ti­nen­te afri­ca­no

Jornal de Angola - - MUNDO - ELEAZAR VAN-DÚ­NEM |

O re­la­tó­rio eco­nó­mi­co des­te ano so­bre Áfri­ca, que pre­vê que a re­gião man­te­nha o ní­vel de de­sem­pre­go ape­sar da “per­for­man­ce re­la­ti­va­men­te boa di­an­te da cri­se eco­nó­mi­ca glo­bal”, de­mons­tra que as matérias-primas do con­ti­nen­te afri­ca­no de­vem ser trans­for­ma­das no con­ti­nen­te.

A te­se é do se­cre­tá­rio-exe­cu­ti­vo da Comissão Eco­nó­mi­ca da ONU pa­ra a Áfri­ca, Car­los Lo­pes, pa­ra quem a ex­por­ta­ção em bru­to “cria mui­to pou­cos pos­tos de tra­ba­lho”, co­mo de­mons­tra o fac­to de a Áfri­ca ter ní­veis de de­sem­pre­go pró­xi­mos dos 40 por cen­to em al­guns paí­ses do con­ti­nen­te.

O fac­to de não exis­tir su­fi­ci­en­te acres­cen­to de va­lor às matérias-primas em Áfri­ca “jus­ti­fi­ca em par­te a cri­se”, ra­zão pe­la qual os afri­ca­nos “têm de olhar não tan­to pa­ra os pre­ços em si, mas so­bre as pos­si­bi­li­da­des de os afri­ca­nos po­de­rem trans­for­mar mais no pró­prio con­ti­nen­te os pro­du­tos que a na­tu­re­za nos ofe­re­ce”, de­fen­de Car­los Lo­pes.

Ape­sar de afec­tar o ren­di­men­to e a eco­no­mia, pros­se­gue, o pe­so das matérias-primas não é o prin­ci­pal fac­tor de cres­ci­men­to dos paí­ses afri­ca­nos e as eco­no­mi­as afri­ca­nas têm vin­do a evo­luir.

A Ni­gé­ria, o mai­or ex­por­ta­dor de pe­tró­leo em Áfri­ca, cu­jo sec­tor de hi­dro­car­bo­ne­tos re­pre­sen­ta cer­ca de 16 por cen­to das re­cei­tas do país, é ape­nas um exem­plo, acres­cen­ta.

Car­los Lo­pes fa­la nu­ma “no­va di­nâ­mi­ca da­da à eco­no­mia de vá­ri­os paí­ses pe­los in­ves­ti­men­tos na tec­no­lo­gia e na ino­va­ção” e con­clui que paí­ses pe­que­nos co­mo Ca­bo Ver­de e São To­me e Prín­ci­pe “de uma for­ma ge­ral con­ti­nu­am com bom de­sem­pe­nho”, ao mes­mo tem­po que cha­ma a aten­ção pa­ra “os de­sa­fi­os me­nos com­ple­xos em re­la­ção às mai­o­res eco­no­mi­as afri­ca­nas”.

Agri­cul­tu­ra é o ca­mi­nho

As de­cla­ra­ções de Car­los Lo­pes vão ao en­con­tro das de Ka­nayo Nwan­ze, o pre­si­den­te do Fun­do In­ter­na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Agrí­co­la. Ka­nayo F. Nwan­ze aler­tou na 6.ª Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre De­sen­vol­vi­men­to Afri­ca­no (Ti­cad), re­a­li­za­da na se­ma­na pas­sa­da em Nai­ro­bi, ca­pi­tal do Qué­nia, que a Áfri­ca gas­ta anu­al­men­te 35 mil mi­lhões de dó­la­res pa­ra im­por­tar ali­men­tos que se fos­sem pro­du­zi­dos no con­ti­nen­te afri­ca­no po­di­am cri­ar mi­lhões de pos­tos de tra­ba­lho no sec­tor agrí­co­la.

Aos lí­de­res afri­ca­nos pre­sen­tes no en­con­tro, Ka­nayo F. Nwan­ze ad­ver­tiu que “as opor­tu­ni­da­des pa­ra a pros­pe­ri­da­de no con­ti­nen­te são enor­mes, mas os in­ves­ti­men­tos pre­ci­sam de ser re­di­rec­ci­o­na­dos pa­ra o sec­tor agrí­co­la”.

A Áfri­ca, pros­se­guiu, tem 25 por cen­to das ter­ras ará­veis do pla­ne­ta [Ter­ra], mas pro­duz ape­nas 10 por cen­to da produção agrí­co­la mun­di­al, o que, su­bli­nhou, “de­mons­tra que os di­ri­gen­tes afri­ca­nos es­tão a fa­lhar com a po­pu­la­ção com os in­ves­ti­men­tos dé­beis na agri­cul­tu­ra e in­fra-es­tru­tu­ra e com a fal­ta de po­lí­ti­cas de apoio a agri­cul­tu­ra”.

O pre­si­den­te do Fun­do In­ter­na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Agrí­co­la elo­gi­ou o con­ti­nen­te afri­ca­no por ser a se­gun­da re­gião do Mun­do que mais ra­pi­da­men­te cres­ce, mas tam­bém la­men­tou que mais de 300 mi­lhões de afri­ca­nos vi­vem abai­xo da li­nha da po­bre­za, a mai­o­ria em áre­as ru­rais. Tais da­dos, con­cluiu, de­mons­tram que o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co não es­tá a ser tra­du­zi­do em com­ba­te à po­bre­za e que os afri­ca­nos “pre­ci­sam de opor­tu­ni­da­des e não de aju­das”.

Fi­nan­ci­a­men­to in­su­fi­ci­en­te

O mais re­cen­te re­la­tó­rio da Con­fe­rên­cia das Nações Unidas pa­ra o Co­mér­cio e De­sen­vol­vi­men­to (UNCTAD) dá ra­zão a Car­los Lo­pes e a Ka­nayo F. Nwan­ze.

O do­cu­men­to mos­tra que 23 por cen­to dos agri­cul­to­res e ex­por­ta­do­res de 16 paí­ses sen­tem que o aces­so a ver­bas fi­cou mais res­tri­to nos úl­ti­mos cin­co anos e que pa­ra 64 por cen­to a si­tu­a­ção não me­lho­ra, qu­an­do da­dos ci­en­tí­fi­cos de­mons­tram que o po­ten­ci­al da re­gião é enor­me.

Na Áfri­ca Ori­en­tal, é re­fe­ri­do no do­cu­men­to, as ex­por­ta­ções de pro­du­tos or­gâ­ni­cos pas­sa­ram de 4,6 mi­lhões em 2003 pa­ra 35 mi­lhões em 2010, no mes­mo pe­río­do em que as co­lhei­tas em paí­ses co­mo Bu­run­di, Qué­nia, Ru­an­da, Ugan­da e Tan­zâ­nia au­men­ta­ram.

O re­la­tó­rio in­di­ca se­rem ne­ces­sá­ri­os in­ves­ti­men­tos pa­ra que os agri­cul­to­res pos­sam cer­ti­fi­car os seus pro­du­tos co­mo or­gâ­ni­cos, cri­ar gru­pos de produção e in­ves­tir em mar­ke­ting e na com­pra de equi­pa­men­tos.

A fal­ta de ga­ran­ti­as de cré­di­to e a ca­pa­ci­da­de in­su­fi­ci­en­te dos ban­cos de in­te­grar os de­ta­lhes da agri­cul­tu­ra or­gâ­ni­ca nos pla­nos de fi­nan­ci­a­men­to são obs­tá­cu­los pa­ra agri­cul­to­res e ex­por­ta­do­res afri­ca­nos, é acres­cen­ta­do no do­cu­men­to.

Pa­ra al­te­rar o qua­dro, a UNCTAD de­fen­de “for­te­men­te” um es­for­ço co­or­de­na­do pa­ra me­lho­rar a re­co­lha de da­dos en­tre va­lo­res do­més­ti­cos e in­ter­na­ci­o­nais de pro­du­tos or­gâ­ni­cos afri­ca­nos “pa­ra que um me­lhor pla­no de ne­gó­ci­os pos­sa ser cri­a­do no con­ti­nen­te [afri­ca­no].

JAIMAGENS.COM

Mais apos­ta nas ter­ras ará­veis au­men­ta a produção de ali­men­tos no con­ti­nen­te afri­ca­no e per­mi­te a cri­a­ção de mi­lhões de pos­tos de tra­ba­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.