Tra­ba­lho in­fan­til de­ve ser evi­ta­do no país

CI­CLO DE SE­MI­NÁ­RI­OS CHE­GA AO FIM

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - EDIVALDO CRISTÓVÃO |

O Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al con­ti­nua pre­o­cu­pa­do por ser ain­da uma re­a­li­da­de em An­go­la a exis­tên­cia do tra­ba­lho in­fan­til no mer­ca­do for­mal e in­for­mal.

A pre­o­cu­pa­ção deu ori­gem à re­a­li­za­ção, des­de Maio, de um ci­clo de se­mi­ná­ri­os em vá­ri­as pro­vín­ci­as do país so­bre o “Tra­ba­lho de me­no­res e o seu en­qua­dra­men­to le­gal”, en­cer­ra­do na se­ma­na pas­sa­da.

O de­par­ta­men­to mi­nis­te­ri­al la­men­ta que ain­da ha­ja mui­tas cri­an­ças for­ça­das a aban­do­nar a es­co­la pa­ra tra­ba­lha­rem com a fi­na­li­da­de de aju­da­rem no sus­ten­to das su­as fa­mí­li­as. O ci­clo de se­mi­ná­ri­os foi re­a­li­za­do com o ob­jec­ti­vo de elu­ci­dar-se as en­ti­da­des em­pre­ga­do­ras so­bre o cum­pri­men­to da le­gis­la­ção la­bo­ral e de so­li­ci­tar-se o en­ga­ja­men­to dos de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais e dos par­cei­ros so­ci­ais, com vis­ta a pôr fim às ir­re­gu­la­ri­da­des no âm­bi­to do tra­ba­lho de me­no­res.

O ins­pec­tor-ge­ral do Tra­ba­lho, Au­gus­to Pom­bal, dis­se, no úl­ti­mo se­mi­ná­rio re­a­li­za­do na Lun­da Sul, que a Lei Ge­ral do Tra­ba­lho es­ta­be­le­ce que os me­no­res só po­dem en­trar pa­ra o mer­ca­do de em­pre­go a par­tir dos 14 anos, mas com a au­to­ri­za­ção dos pais ou dos tu­to­res le­gais.

O tra­ba­lho in­fan­til fei­to por me­no­res com me­nos de 14 anos não é per­mi­ti­do, dis­se Au­gus­to Pom­bal, pa­ra quem a ex­plo­ra­ção do tra­ba­lho in­fan­til de­ve ser com­ba­ti­da atra­vés de ac­ções de sen­si­bi­li­za­ção, tam­bém, dos Mi­nis­té­ri­os da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher, da Po­lí­cia Nacional e do Ins­ti­tu­to Nacional da Cri­an­ça (INAC).

Re­la­ti­va­men­te à in­ser­ção de me­no­res na eco­no­mia for­mal, o ins­pec­tor Au­gus­to Pom­bal sa­li­en­tou que as em­pre­sas em­pre­ga­do­ras de­vem cum­prir com ri­gor o que es­tá pre­vis­to na lei, que proí­be a re­a­li­za­ção de de­ter­mi­na­das ac­ti­vi­da­des por me­no­res, tan­to pe­lo seu es­ta­do fí­si­co co­mo in­te­lec­tu­al.

Os me­no­res só po­dem ser ad­mi­ti­dos pa­ra tra­ba­lhos le­ves, que não en­vol­vam gran­de es­for­ço fí­si­co, que não se­jam sus­cep­tí­veis de pre­ju­di­car a sua saú­de e o seu de­sen­vol­vi­men­to fí­si­co, men­tal e mo­ral. As ta­re­fas que de­vem ser da­das a me­no­res são as que pos­si­bi­li­tam con­di­ções de apren­di­za­gem e de for­ma­ção.

É proi­bi­do o tra­ba­lho de me­no­res em te­a­tro, ci­ne­ma ou nou­tras ca­sas noc­tur­nas de di­ver­são, as­sim co­mo no co­mér­cio ou em cam­pa­nhas pu­bli­ci­tá­ri­as de pro­du­tos far­ma­cêu­ti­cos.

O sa­lá­rio atri­buí­do a me­no­res é de­ter­mi­na­do por re­fe­rên­cia ao sa­lá­rio do tra­ba­lha­dor adul­to que exer­ce a mes­ma pro­fis­são, de­ven­do ser in­fe­ri­or a 40 por cen­to ou su­pe­ri­or a 70 do sa­lá­rio de um adul­to. Já o pe­río­do nor­mal do tra­ba­lho pa­ra os me­no­res não po­de ser su­pe­ri­or a seis ho­ras diá­ri­as ou 34 se­ma­nais.

A pres­ta­ção de tra­ba­lho ex­tra­or­di­ná­rio é proi­bi­da, po­den­do ex­cep­ci­o­nal­men­te ser au­to­ri­za­da pe­la Ins­pec­ção Ge­ral do Tra­ba­lho.

Por­me­nor do se­mi­ná­rio so­bre a ex­plo­ra­ção do tra­ba­lho in­fan­til re­a­li­za­do há di­as na Lun­da Sul

O em­pre­ga­dor de­ve as­se­gu­rar aos me­no­res ao seu ser­vi­ço, mes­mo em re­gi­me de apren­di­za­gem, con­di­ções de tra­ba­lho ade­qua­das à sua ida­de, evi­tan­do qual­quer da­no ao seu de­sen­vol­vi­men­to in­te­gral.

Pa­pel da fa­mí­lia

O em­pre­ga­dor de­ve dar for­ma­ção pro­fis­si­o­nal aos me­no­res ao seu ser­vi­ço, so­li­ci­tan­do a co­la­bo­ra­ção de en­ti­da­des ofi­ci­ais com­pe­ten­tes.

O Es­ta­do de­ve pro­mo­ver a cri­a­ção e o fun­ci­o­na­men­to de es­tru­tu­ras de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal ade­qua­das à in­te­gra­ção dos me­no­res na sua vi­da. A Ins­pec­ção Ge­ral do Tra­ba­lho de­fen­de que a fa­mí­lia é uma ins­ti­tui­ção im­por­tan­te no com­ba­te ao tra­ba­lho in­fan­til, por, na mai­or par­te dos ca­sos, a ex­plo­ra­ção do tra­ba­lho in­fan­til par­tir dos pró­pri­os pais ou tu­to­res le­gais. “O tra­ba­lho in­fan­til de­ve ser evi­ta­do”, de­cla­rou Au­gus­to Pom­bal, pa­ra quem “é pre­ci­so res­pei­tar o cres­ci­men­to nor­mal das cri­an­ças, por­que elas não de­vem ser fon­te de ren­di­men­to e sus­ten­ta­ção das fa­mí­li­as.”

O res­pon­sá­vel lem­brou que, qu­an­do um me­nor não ti­ver pais, tu­tor ou uma ins­ti­tui­ção idó­nea que se res­pon­sa­bi­li­ze por ele, pa­ra au­to­ri­zar a sua en­tra­da no mer­ca­do de tra­ba­lho, o con­tra­to de tra­ba­lho só é ce­le­bra­do se o em­pre­ga­dor en­trar em con­tac­to com a Ins­pec­ção Ge­ral do Tra­ba­lho.

Po­si­ção do INAC

A di­rec­to­ra do Ins­ti­tu­to Nacional da Cri­an­ça na pro­vín­cia da Lun­da Sul, Ire­ne Má­rio, de­fen­deu que o tra­ba­lho in­fan­til só acon­te­ce de­vi­do à cul­tu­ra de al­gu­mas fa­mí­li­as.

Ape­sar de ha­ver um tra­ba­lho pe­da­gó­gi­co de­sen­vol­vi­do por vá­ri­as ins­ti­tui­ções, “pen­sa­mos que ain­da fal­ta mui­to pa­ra o fe­nó­me­no ser er­ra­di­ca­do da nos­sa so­ci­e­da­de”, acen­tu­ou Ire­ne Má­rio, pa­ra quem o tra­ba­lho in­fan­til vai de­sa­pa­re­cer de for­ma pau­la­ti­na e gra­du­al. “Não vai ser de um dia pa­ra ou­tro que as pes­so­as vão mu­dar de men­ta­li­da­de”, dis­se a di­rec­to­ra do Inac na Lun­da Sul.

Ire­ne Má­rio de­fen­de que os pais que co­lo­cam cri­an­ças com me­nos de 14 anos no mer­ca­do de tra­ba­lho de­vi­am ser res­pon­sa­bi­li­za­dos cri­mi­nal­men­te, por, em sua opi­nião, “não ser jus­to qu­an­do os pais não se pre­o­cu­pem com a edu­ca­ção, saú­de, bem-es­tar fí­si­co e in­te­lec­tu­al das su­as cri­an­ças.”

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.