For­te cres­ci­men­to das re­cei­tas fis­cais

Sis­te­ma au­to­ma­ti­za­do de da­dos vem sim­pli­fi­car o pro­ces­so adu­a­nei­ro a par­tir des­te ano

Jornal de Angola - - PARTADA - AL­BER­TO CAFUSSA |

As re­cei­tas fis­cais do sec­tor não-pe­tro­lí­fe­ro vão atin­gir es­te ano 1,5 tri­liões de kwan­zas, con­tra 1,2 tri­liões ar­re­ca­da­dos no ano pas­sa­do, o que re­pre­sen­ta um cres­ci­men­to de 25 por cen­to. A ga­ran­tia é da Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria (AGT), que as­sen­tou a sua pro­jec­ção nas me­tas do Or­ça­men­to Ge­ral de Es­ta­do (OGE), mas que en­con­tra con­fir­ma­ção nos da­dos ac­tu­ais do sis­te­ma de ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas. De acor­do com o ad­mi­nis­tra­dor da AGT, Her­me­ne­gil­do Gas­par, que fa­la­va à mar­gem do Pri­mei­ro Fó­rum Tri­bu­tá­rio, a ins­ti­tui­ção afec­ta ao Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças es­tá a pre­pa­rar no­vas fer­ra­men­tas in­for­má­ti­cas de ges­tão, en­tre as quais o Sis­te­ma Au­to­ma­ti­za­do de Pro­ces­sa­men­to de Da­dos Adu­a­nei­ros (ASYCUDA, na si­gla em in­glês) e o Sis­te­ma In­te­gra­do de Ges­tão Tri­bu­tá­ria (SIGT), pa­ra per­mi­tir a au­to­ma­ti­za­ção dos pro­ce­di­men­tos adu­a­nei­ros e fis­cais, re­du­zin­do o tem­po de de­sal­fan­de­ga­men­to das mer­ca­do­ri­as pa­ra mi­nu­tos e os cus­tos de im­por­ta­ção e ex­por­ta­ção.

As re­cei­tas fis­cais do sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro vão atin­gir 1,5 tri­liões de kwan­zas con­tra 1,2 ar­re­ca­da­dos no ano pas­sa­do, o que re­pre­sen­ta um cres­ci­men­to de 25 por cen­to. A afir­ma­ção é do ad­mi­nis­tra­dor da AGT (Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria), Her­me­ne­gil­do Gas­par, que as­sen­tou a sua pro­jec­ção nas me­tas do Or­ça­men­to Ge­ral de Es­ta­do (OGE), mas que en­con­tra con­fir­ma­ção nos da­dos ac­tu­ais.

Quan­do ain­da fal­tam cer­ca de qua­tro me­ses pa­ra o tér­mi­no do ano, a AGT já ar­re­ca­dou 65 por cen­to da pre­vi­são anu­al, fac­to que au­men­ta o op­ti­mis­mo do ad­mi­nis­tra­dor da AGT que con­si­de­ra o pro­ces­so de re­for­ma fis­cal um su­ces­so aci­ma das ex­pec­ta­ti­vas.

Her­me­ne­gil­do Gas­par, que for­ne­ceu os da­dos on­tem, em Lu­an­da, à mar­gem do I fó­rum tri­bu­tá­rio, ga­ran­tiu que a AGT tra­ba­lha no sen­ti­do de as­se­gu­rar uma mai­or co­or­de­na­ção na exe­cu­ção das po­lí­ti­cas fis­cais e adu­a­nei­ras e uma mais efi­ci­en­te alo­ca­ção de re­cur­sos, nu­ma al­tu­ra em que a prin­ci­pal fon­te de re­cei­tas (o pe­tró­leo) re­gis­ta uma bai­xa no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal.

O ad­mi­nis­tra­dor anun­ci­ou a ac­tu­a­li­za­ção da pau­ta adu­a­nei­ra, no pró­xi­mo ano, com mui­tas van­ta­gens (não es­pe­ci­fi­cou) pa­ra os ope­ra­do­res do sis­te­ma. A ac­tu­al pau­ta já se en­con­tra no úl­ti­mo ano de vi­gên­cia (cin­co anos).

Na sua mis­são prin­ci­pal de di­ver­si­fi­car as fon­tes de re­cei­tas com o alar­ga­men­to da ba­se tri­bu­tá­ria, a apos­ta da AGT, se­gun­do o seu ad­mi­nis­tra­dor, é fa­ci­li­tar um mai­or aces­so dos con­tri­buin­tes à ad­mi­nis­tra­ção com uma re­la­ção mais cé­le­re e efi­caz, o que pas­sa pe­la sim­pli­fi­ca­ção e ra­ci­o­na­li­za­ção da es­tru­tu­ra de ges­tão dos ser­vi­ços da ad­mi­nis­tra­ção tri­bu­tá­ria.

O fó­rum, que reu­niu téc­ni­cos da Ad­mi­nis­tra­ção Tri­bu­tá­ria, con­tri­buin­tes e ou­tros in­ter­ve­ni­en­tes no sis­te­ma fis­cal, vi­sou a di­vul­ga­ção, a aná­li­se e o es­cla­re­ci­men­to das prin­ci­pais ino­va­ções do pa­co­te le­gis­la­ti­vo tri­bu­tá­rio, bem co­mo a apre­sen­ta­ção de ins­tru­men­tos mo­der­nos que tor­nam as tran­sac­ções mais cé­le­res e efi­ca­zes, em ali­nha­men­to com as no­vas prá­ti­cas do mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal.

Mais ce­le­ri­da­de

AAGT es­tá a pre­pa­rar no­vos sis­te­mas in­for­má­ti­cos de ges­tão, en­tre os quais o Au­to­ma­ti­za­do de Pro­ces­sa­men­to de Da­dos Adu­a­nei­ros (Asycuda, em in­glês) e o In­te­gra­do de Ges­tão Tri­bu­tá­rio (SIGT). Os dois ins­tru­men­tos vão per­mi­tir a au­to­ma­ti­za­ção dos pro­ce­di­men­tos adu­a­nei­ros e fis­cais, com a re­du­ção do tem­po de de­sal­fan­de­ga­men­to pa­ra mi­nu­tos e dos cus­tos pa­ra a co­mu­ni­da­de im­por­ta­do­ra e ex­por­ta­do­ra mui­to abai­xo dos ac­tu­ais.

Exe­cu­ta­do em par­ce­ria com as Na­ções Uni­das, atra­vés da Con­fe­rên­cia pa­ra o Co­mér­cio e De­sen­vol­vi­men­to (CNUCD), o Asycuda é uma ar­qui­tec­tu­ra in­for­má­ti­ca cen­tra­li­za­da que in­te­gra to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes do sis­te­ma adu­a­nei­ro, per­mi­tin­do aos agen­tes re­a­li­zar to­das as ope­ra­ções a qual­quer ho­ra e em qual­quer lu­gar do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. O pro­ces­so, an­tes mui­to one­ro­so e mo­ro­so, por exi­gir dos ope­ra­do­res con­tac­tos fí­si­cos com as di­fe­ren­tes ins­tân­ci­as, des­de o ma­ni­fes­to de car­ga, pas­san­do pe­la de­cla­ra­ção adu­a­nei­ra, até a pa­ga­men­tos, vai ser re­du­zi­do a um ac­to de mi­nu­tos.

Com o ar­ran­que pre­vis­to pa­ra es­te ano, o sis­te­ma co­me­ça a ser im­ple­men­ta­do a tí­tu­lo ex­pe­ri­men­tal no Por­to do Lo­bi­to, pa­ra de­pois ser ins­ta­la­do no Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal de Lu­an­da e, fi­nal­men­te, no Por­to de Lu­an­da, nu­ma in­te­rac­ção per­ma­nen­te com to­das as re­giões adu­a­nei­ras do país e com aces­so li­vre pa­ra os ou­tros ope­ra­do­res.

El­vi­no Fran­cis­co, téc­ni­co da AGT, que dis­ser­tou so­bre a “Es­tra­té­gia pa­ra a im­ple­men­ta­ção do sis­te­ma Asycuda”, as­se­gu­rou que, nes­te mo­men­to de pre­pa­ra­ção da le­gis­la­ção e de ou­tros ins­tru­men­tos, pa­ra a exe­cu­ção do pro­jec­to, o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças es­tá a in­ves­tir no sis­te­ma elec­tró­ni­co no sen­ti­do de to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes na ca­deia de tra­mi­ta­ção ope­ra­rem em sis­te­ma re­mo­to com o cen­tro ins­ta­la­do na AGT.

Com o Asycuda, os sis­te­mas ac­tu­ais, que ac­tu­am de for­ma dis­per­sa, pas­sam a ser in­te­gra­dos num úni­co, mas, nu­ma pri­mei­ra fa­se, o no­vo vai co­a­bi­tar com os an­ti­gos até à adap­ta­ção to­tal aos no­vos pro­ce­di­men­tos.

El­vi­no Fran­cis­co des­cre­ve o no­vo sis­te­ma, em vi­gor em pe­lo me­nos 90 paí­ses do mun­do, co­mo uma ino­va­ção que vai es­ti­mu­lar a cul­tu­ra de cum­pri­men­to das obri­ga­ções adu­a­nei­ras e re­du­zir a eva­são fis­cal, tor­na efi­caz o con­tro­lo em tem­po re­al das tran­sac­ções e fa­ci­li­ta a com­pi­la­ção das es­ta­tís­ti­cas pe­los po­de­res pú­bli­cos.

“O agen­te de na­ve­ga­ção po­de co­lo­car um ma­ni­fes­to de car­ga em qual­quer sí­tio. O des­pa­chan­te ofi­ci­al tam­bém po­de co­lo­car um DU e efec­tu­ar pa­ga­men­tos de for­ma au­tó­no­ma em qual­quer es­pa­ço do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. As de­cla­ra­ções são pro­du­zi­das em tem­po re­al. Em tem­po re­al, o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca po­de ter as es­ta­tís­ti­cas das tran­sac­ções”, exem­pli­fi­ca.

Bran­que­a­men­to de ca­pi­tais

O bran­que­a­men­to de ca­pi­tais, atra­vés do trá­fi­co de dro­gas, re­pre­sen­ta uma ame­a­ça re­al pa­ra a eco­no­mia na­ci­o­nal, de­pois de o país pas­sar, nos úl­ti­mos dois anos, de um sim­ples pon­to de tran­si­ção pa­ra um mer­ca­do de des­ti­no de es­tu­pe­fa­ci­en­tes.

A re­ve­la­ção foi fei­ta on­tem por Je­ró­ni­mo Nun­da, che­fe da Sec­ção de Na­ve­ga­ção e Con­tro­lo do Pi­que­te do Ae­ro­por­to in­ter­na­ci­o­nal de Lu­an­da, que con­si­de­rou pre­o­cu­pan­te o nú­me­ro de an­go­la­nos en­vol­vi­dos no ne­gó­cio da dro­ga. Até ao mê­sa de Agos­to, as au­to­ri­da­des ae­ro­por­tuá­ri­as efec­tu­a­ram 31 apre­en­sões de co­caí­na, num to­tal de 66 qui­lo­gra­mas, o equi­va­len­te a se­te mi­lhões de dó­la­res. Em 2015, as au­to­ri­da­des re­a­li­za­ram 41 apre­en­sões, o que le­va Je­ró­ni­mo Nun­da a pre­ver que os nú­me­ros des­te ano ul­tra­pas­sem de lon­ge os do ano pas­sa­do, já que, as ten­ta­ti­vas de in­tro­du­zir dro­gas no país au­men­tam no mês de De­zem­bro.

Pa­ra o téc­ni­co de ca­sos de­tec­ta­dos de­cor­re do in­ves­ti­men­to em equi­pa­men­tos efi­ca­zes, ins­ta­la­dos nos prin­ci­pais ae­ro­por­tos e nou­tros pos­tos fron­tei­ri­ços. O equi­pa­men­to tem a ca­pa­ci­da­de de de­tec­tar qual­quer mer­ca­do­ria ilí­ci­ta em ma­las ou no or­ga­nis­mo hu­ma­no. A par da co­caí­na oriun­da prin­ci­pal­men­te da Amé­ri­ca La­ti­na (96 por cen­to), com des­ti­no pa­ra An­go­la e São To­mé, os tra­fi­can­tes ex­por­tam ca­ná­bis (li­am­ba) do mer­ca­do na­ci­o­nal pa­ra Na­mí­bia e a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, por via ter­res­tre.

O téc­ni­co, que ad­vo­ga o agra­va­men­to de pe­nas pa­ra os tra­fi­can­tes de dro­gas, con­si­de­ra o trá­fi­co de dro­gas um fac­tor de de­sar­ti­cu­la­ção da eco­no­mia, na me­di­da em que, além de des­truir uma im­por­tan­te pro­por­ção da po­pu­la­ção ac­ti­va, in­tro­duz di­nhei­ro no cir­cui­to in­for­mal sem pas­sar pe­lo sis­te­ma con­ven­ci­o­nal.

PAU­LO MULAZA

Ope­ra­do­res do sis­te­ma fis­cal ana­li­sa­ram on­tem os no­vos ins­tru­men­tos que vi­sam tor­nar o de­sal­fan­de­ga­men­to mais cé­le­re e efi­caz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.