Cró­ni­ca de Luis Al­ber­to Fer­rei­ra

Jornal de Angola - - PARTADA - LUIS AL­BER­TO FER­REI­RA |*

A Re­pú­bli­ca an­di­na da Bo­lí­via trans­for­mou-se de for­ma ra­di­cal a par­tir de uma no­vi­da­de es­tre­me­ce­do­ra: um pu­ro na­ti­vo, Ju­an Evo Mo­ra­lesAy­ma, na Pre­si­dên­cia. “No­vi­da­de es­tre­me­ce­do­ra” pa­ra os bo­li­vi­a­nos até ali pre­pon­de­ran­tes, os imar­ces­cí­veis des­cen­den­tes di­rec­tos da “Con­quis­ta”. E tam­bém pa­ra os in­te­res­ses do vas­to e ar­di­lo­so pla­ne­ta das mul­ti­na­ci­o­nais. A “inau­di­ta con­tra­ri­e­da­de” iria, en­tre­tan­to, agu­di­zar-se. Com Evo Mo­ra­les, elei­to em 2005 e re­e­lei­to em 2009, a Re­pú­bli­ca da Bo­lí­via for­mu­la­va um no­vo olhar so­bre os di­rei­tos das po­pu­la­ções na­ti­vas, a fi­lo­so­fia do com­ba­te ao anal­fa­be­tis­mo, as po­lí­ti­cas de pro­tec­ção do am­bi­en­te, a de­fe­sa e ex­plo­ra­ção dos re­cur­sos na­tu­rais. O no­vo Pre­si­den­te­bo­li­vi­a­no op­tou, co­mo se es­pe­ra­ria, por uma es­trei­ta co­o­pe­ra­ção com os go­ver­nos das vi­zi­nhas re­pú­bli­cas sul-ame­ri­ca­nas mais iden­ti­fi­ca­dos com a sua vi­são do mun­do e dos ho­mens. Es­se o qua­dro di­nâ­mi­co que vi­ria a con­tem­plar na Bo­lí­vi­aa na­ci­o­na­li­za­ção dos hi­dro­car­bo­ne­tos e da in­dús­tria mi­nei­ra em ge­ral. Evo Mo­ra­les agia em con­so­nân­cia com os va­lo­res por ele pos­tu­la­dos quan­do in­se­riu, no país an­di­no, o nú­cleo de fun­da­do­res do IPSP (Ins­tru­men­to Po­lí­ti­co pe­la So­be­ra­nia dos Po­vos). Foi elei­to e re­e­lei­to Pre­si­den­te da Bo­lí­via com am­pla van­ta­gem, nos es­cru­tí­ni­os, so­bre os con­cor­ren­tes por­ta­do­res de ou­tras ban­dei­ras ide­o­ló­gi­cas – ou con­ser­va­do­res de men­ta­li­da­de ne­o­co­lo­ni­al e pro­pí­cia às in­cur­sões dos in­te­res­ses es­tran­gei­ros. Es­sa men­ta­li­da­de vi­nha se­du­zin­do, nos úl­ti­mos tem­pos, os “ideó­lo­gos” da cha­ma­da Fe­de­ra­ção de Co­o­pe­ra­ti­vis­tas Mi­nei­ros da Bo­lí­via. Por­tan­to, tra­ba­lha­do­res das mi­na­sa­glu­ti­na­dos de acor­do com o es­pí­ri­to pró­prio das co­o­pe­ra­ti­vas. Tu­do pa­re­ceu lí­ci­to e con­fiá­vel até ao mo­men­to em que os “co­o­pe­ra­ti­vis­tas”, que­ren­do im­por no­vas re­gras – à mar­gem da so­be­ra­nia do Es­ta­do bo­li­vi­a­no – acha­ram “van­ta­jo­sa” a “par­ti­ci­pa­ção” de em­pre­sas pri­va­das na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais na ex­plo­ra­ção da ri­que­za mi­nei­ra do país. In­ci­ta­dos, se­gun­do o Pre­si­den­te EvoMo­ra­les, por gru­pos da opo­si­ção con­ser­va­do­ra com li­ga­ções ao ex­te­ri­or. A bre­ve tre­cho, os mi­nei­ros, con­tra­ri­a­dos na sua es­per­te­za “ino­va­do­ra”, pas­sa­vam à in­su­bor­di­na­ção ge­ral: blo­queio de es­tra­das, ape­dre­ja­men­to de po­lí­ci­as, abandono das fun­ções la­bo­rais. O Go­ver­no de Evo Mo­ra­les des­ta­cou, por fim, o seu vi­ce-mi­nis­tro do In­te­ri­or, Ro­dol­fo Lla­nes, pa­ra uma mis­são que lhe se­ria fa­tal: ir até jun­to dos mi­nei­ros re­vol­to­sos e pro­por-lhes, uma vez mais, a via di­a­lo­gal. A ini­ci­a­ti­va iria ter um des­fe­cho hor­ro­ro­so: os mi­nei­ros, en­trin­chei­ra­dos, amor­da­ça­ram e tor­tu­ra­ram o go­ver­nan­te. Es­pan­ca­ram-no. Por fim, re­ben­ta­ram­lhe o crâ­nio à pe­dra­da. Um mag­ni­cí­dio ei­va­do da mais re­pug­nan­te sel­va­ja­ria. To­da a Cor­di­lhei­ra es­tre­me­ceu.

A pri­mei­ra das ten­ta­ções que me as­sal­tam é a da re­me­mo­ra­ção dos mui­tos epi­só­di­os hu­mi­lhan­tes e re­pres­si­vos vi­vi­dos, em tem­pos de di­ta­du­ra mi­li­tar, pe­los mi­nei­ros da Bo­lí­via. A mai­or par­te ori­gi­ná­ria de um mun­do ru­ral de po­bre­za e atra­so: o la­bo­ra­tó­rio so­ci­al que traiu Er­nes­to Che Gu­e­va­ra. Coin­ci­dem– fá­cil de en­ten­der –os ac­tu­ais Pre­si­den­tes da Bo­lí­via, do Equa­dor e da Ve­ne­zu­e­la, na in­ter­pre­ta­ção po­lí­ti­ca des­te mag­ni­cí­dio. Ra­fa­el Cor­rea, Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca do Equa­dor, é mui­to efi­caz na sua for­mu­la­ção: “Já lá vai o tem­po em que nos da­vam or­dens pe­lo te­le­fo­ne”. Con­tu­do, os três es­ta­dis­tas sul-ame­ri­ca­nos po­de­ri­am, so­bre­tu­do, pa­ra­fra­se­ar Ma­nu­el Vás­quez Mon­tal­bán, o com­ba­ti­vo e inol­vi­dá­vel jor­na­lis­ta da Ca­ta­lu­nha: “Po­de­mos ver par­te da ver­da­de e não re­co­nhe­cê-la, mas é im­pos­sí­vel con­tem­plar o mal e não re­co­nhe­cê-lo”. Ber­nie San­ders, que não se­rá can­di­da­to à Pre­si­dên­cia nor­te-ame­ri­ca­na, já deu mos­tras de que ele, sim, “re­co­nhe­ce o mal”: é o úni­co po­lí­ti­co do “Oci­den­te” que apon­ta o de­do aos “acon­te­ci­men­tos no Bra­sil”. É cer­to que na­da mu­da­rá – uma no­va “Ope­ra­ção Cón­dor” pa­re­ce es­tar em mar­cha na Amé­ri­ca do Sul. O que é que mu­dou quan­do Jor­ge Luís Bor­ges deu a co­nhe­cer que o Mis­sis­si­pi des­car­re­ga, anu­al­men­te, no Gol­fo do Mé­xi­co, 400 mi­lhões de to­ne­la­das de lo­do? En­tre­men­tes, uma pul­são do “re­a­lis­mo ra­di­cal”: a Bo­lí­via de Evo Mo­ra­les dir-se-ia uma ex­pe­ri­ên­cia re­vo­lu­ci­o­ná­ria afec­ta­da por al­gu­ma “in­ge­nui­da­de”. Ele pró­prio con­clui ago­ra, só ago­ra, que a Fe­de­ra­ção Mi­nei­ra de Co­o­pe­ra­ti­vas da Bo­lí­via “é uma or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa que cons­pi­ra sob a égi­de de in­te­res­ses in­ter­nos e ex­ter­nos”. Dir-se-ia que, no seu afã de mo­de­ra­dor, pa­ra che­gar a es­sa des­de há mui­to ób­via con­clu­são o Pre­si­den­te Mo­ra­les “pre­ci­sou” do me­do­nho sa­cri­fí­cio do seu vi­ce-mi­nis­tro do In­te­ri­or. Sob a pres­são do “in­vi­sí­vel”, o bo­li­vi­a­no Mo­ra­les vê agi­gan­tar-se um di­le­ma trans­cen­den­te: mo­de­ra­ção ou pu­nho de fer­ro? Os mi­nei­ros po­de­ri­am ser, de­ve­ri­am ser o por­ta-voz dos in­ten­tos de mo­de­ra­ção do seu Pre­si­den­te. Pre­fe­rem, to­da­via, ser o ca­va­lo troi­a­no do ini­mi­go ar­qui­po­ten­te. Em Agos­to de 1971, o te­mí­vel co­ro­nel Hu­go Ban­zer en­ca­be­ça um gol­pe de Es­ta­do mi­li­tar e der­ru­ba o go­ver­no do seu co­le­ga de ar­mas Ju­an Jo­sé Tor­res. As pri­mei­ras ví­ti­mas mor­tais da di­ta­du­ra de Ban­zer fo­ram os mi­nei­ros, cu­jos lí­de­res sin­di­cais per­de­ram a vi­da em ac­ções rei­vin­di­ca­ti­vas. Des­ta fei­ta, an­tes de con­cluí­dos dois de­cé­ni­os do sé­cu­lo XXI, ve­mos os mi­nei­ros da Bo­lí­via num pro­ces­so gros­sei­ro de ma­ni­pu­la­ção cons­pi­ra­ti­va do “co­o­pe­ra­ti­vis­mo”: a ad­mis­são, na sua es­tru­tu­ra, de em­pre­sá­ri­os do país re­cru­ta­dos por al­gu­mas mul­ti­na­ci­o­nais. Tam­bém des­con­cer­tan­te: o con­tras­te ab­sur­do en­tre o que te­ri­am fei­to di­ta­do­res co­mo Bar­ri­en­tos, Ban­zer ou Me­za– mo­bi­li­za­ção de tro­pas e ar­ti­lha­ria –e o que fez Evo Mo­ra­les ao en­vi­ar o seu in­de­fe­so vi­ce-mi­nis­tro do In­te­ri­or pa­ra “con­ver­sa­ções” com ban­dos de mi­nei­ro­sen­trin­chei­ra­dos. Gen­te ir­ra­ci­o­nal e co­bar­de: a mai­o­ria pôs-se em fu­ga quan­do, em zo­na mon­ta­nho­sa, po­lí­ci­as e mi­li­ta­res pro­ce­de­ram ao res­ga­te do cor­po di­la­ce­ra­do de Ro­dol­fo Lla­nes. No lo­cal, apu­rou-se que os mi­nei­ros –co­op­ta­dos sob a cor­ti­na de fu­mo do “co­o­pe­ra­ti­vis­mo” – pos­suíam ali um po­ten­tís­si­mo ar­se­nal de ar­mas e ex­plo­si­vos. “O seu ne­gó­cio é vul­gar”, di­ria Bor­ges. “Co­mo o seu mo­men­tâ­neo lu­xo de anéis”...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.