Fi­nan­ci­a­men­to à edu­ca­ção com­ba­te a po­bre­za

Fun­da­ção Sa­gra­da Es­pe­ran­ça co-re­a­li­za des­de on­tem em Lu­an­da con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal

Jornal de Angola - - POLÍTICA - HELMA REIS e MA­NU­E­LA GO­MES |

O fi­nan­ci­a­men­to da edu­ca­ção pe­lo Es­ta­do é uma das for­mas dis­tin­tas de re­dis­tri­bui­ção da ri­que­za na­ci­o­nal e de com­ba­te à po­bre­za en­quan­to bem pú­bli­co, afir­mou on­tem, em Lu­an­da, o mi­nis­tro do En­si­no Su­pe­ri­or. Adão do Nas­ci­men­to, que fa­la­va du­ran­te a con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal so­bre “O fi­nan­ci­a­men­to do en­si­no su­pe­ri­or”, dis­se que a res­pon­sa­bi­li­da­de do Es­ta­do é com­ple­men­ta­da com a par­ti­ci­pa­ção da so­ci­e­da­de, atra­vés da con­tri­bui­ção das fa­mí­li­as, ini­ci­a­ti­vas pri­va­das e da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal.

“As ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or ca­re­cem de fi­nan­ci­a­men­to se­gu­ro pra man­ter a sua sus­ten­ta­bi­li­da­de”, de­fen­deu o mi­nis­tro, acres­cen­tan­do que “pa­ra tal, é pre­ci­so va­lo­ri­zar o con­cei­to de ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or e tor­ná-lo pre­sen­te na ac­ção dos ac­to­res e par­cei­ros.” Adão do Nas­ci­men­to de­fen­deu ain­da a cri­a­ção de uma le­gis­la­ção que obri­ga à di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to em ca­da ins­ti­tui­ção do en­si­no su­pe­ri­or e en­co­ra­jou es­tas ins­ti­tui­ções a apos­ta­rem na mu­dan­ça.

As ini­ci­a­ti­vas pri­va­das, dis­se, de­vem ser vis­tas co­mo um va­lor acres­cen­ta­do, por com­ple­men­ta­rem a ta­re­fa do Exe­cu­ti­vo no de­sen­vol­vi­men­to do sub­sis­te­ma de en­si­no su­pe­ri­or. A con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal so­bre “O fi­nan­ci­a­men­to do en­si­no su­pe­ri­or”, que en­cer­ra ho­je, de­cor­re sob o le­ma “Di­ver­si­fi­car as fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra for­ta­le­cer o en­si­no su­pe­ri­or”.

On­tem, o do­cen­te uni­ver­si­tá­rio Sa­mu­el Vi­to­ri­no dis­ser­tou so­bre o te­ma “As fon­tes ac­tu­ais de fi­nan­ci­a­men­to das ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or”. Na oca­sião, Sa­mu­el Vi­to­ri­no de­fen­deu a cri­a­ção de um qua­dro le­gal e de um am­bi­en­te ma­cro­e­co­nó­mi­co fa­vo­rá­vel ao de­sen­vol­vi­men­to das ac­ti­vi­da­des das ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or. Pa­ra o do­cen­te, a di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to só é pos­sí­vel, de­li­mi­tan­do a res­pon­sa­bi­li­da­de do Es­ta­do e in­cen­ti­van­do a ex­plo­ra­ção da di­ver­si­da­de de fon­tes de re­cei­tas iden­ti­fi­ca­das nos do­mí­ni­os do en­si­no e da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca.

O pa­pel dos par­cei­ros e in­ter­ve­ni­en­tes no sub­sis­te­ma de en­si­no su­pe­ri­or tam­bém foi con­si­de­ra­do fun­da­men­tal pe­lo do­cen­te, por aju­da­rem a son­dar pis­tas pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to das ins­ti­tui­ções do en­si­no su­pe­ri­or.

En­tre as fon­tes de re­cei­tas pos­sí­veis pa­ra as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or, Sa­mu­el Vi­to­ri­no apon­ta a con­tra­ta­ção de en­sai­os e ex­pe­ri­men­ta­ção de so­lu­ções téc­ni­cas e tec­no­ló­gi­cas, ca­pa­zes de con­tri­buir pa­ra a me­lho­ria das con­di­ções de vi­da das co­mu­ni­da­des, co­mo uma das me­lho­res saí­das.

A ven­da de ser­vi­ços de tu­ris­mo ci­en­tí­fi­co, des­ti­na­do às co­mu­ni­da­des, e a con­tra­ta­ção de pro­jec­tos de de­sen­vol­vi­men­to de ini­ci­a­ti­vas em­pre­sa­ri­as cons­tam tam­bém das fon­tes de re­cei­tas apon­ta­das pe­lo do­cen­te.

Efi­ci­ên­cia e efi­cá­cia

O pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Fun­da­ção Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, Roberto de Almeida, afir­mou on­tem, em Lu­an­da, que to­das as or­ga­ni­za­ções do mun­do têm de­sa­fi­os no exer­cí­cio das su­as atri­bui­ções, que pas­sam pe­lo al­can­ce da efi­ci­ên­cia, efi­cá­cia e efec­ti­vi­da­de da ac­ção go­ver­na­ti­va das ins­ti­tui­ções. Roberto de Almeida pro­fe­riu es­tas pa­la­vras na aber­tu­ra da con­fe­ren­cia in­ter­na­ci­o­nal so­bre “O fi­nan­ci­a­men­to do en­si­no su­pe­ri­or”, que vi­sa iden­ti­fi­car fon­tes de re­cei­tas di­fe­ren­tes das tra­di­ci­o­nais (OGE e pro­pi­nas) pa­ra as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or.

Afir­mou que, em An­go­la, as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or não fo­gem à re­gra, so­bre­tu­do por­que al­me­jam a ma­te­ri­a­li­za­ção exi­to­sa dos seus pro­gra­mas que têm co­mo ins­tru­men­to re­fe­ren­ci­al o Pla­no Na­ci­o­nal de For­ma­ção de Qua­dros e por es­ta­rem li­ga­das a di­ver­sos pro­ces­sos de for­ma­ção do ho­mem.

Pa­ra o PCA da Fun­da­ção Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, a re­a­li­za­ção da con­fe­ren­cia in­ter­na­ci­o­nal so­bre “O fi­nan­ci­a­men­to do en­si­no su­pe­ri­or” cons­ti­tui uma opor­tu­ni­da­de pa­ra a for­ma­ção de re­fle­xões pro­fun­das e aber­tas so­bre o con­jun­to de ma­té­ri­as agen­da­das e pa­ra a tro­ca de ex­pe­ri­ên­cia de di­ver­sos in­ter­ve­ni­en­tes. “Te­mos a pers­pec­ti­va de que dos tra­ba­lhos da con­fe­rên­cia re­sul­tem con­clu­sões e re­co­men­da­ções úteis, pa­ra se­rem in­cor­po­ra­das na bro­chu­ra de con­sul­ta pa­ra di­ver­sas apre­sen­ta­ções so­bre a te­má­ti­ca, per­mi­tin­do tam­bém que es­sa sir­va de ins­tru­men­to de con­sul­ta pú­bli­ca e fon­te de in­for­ma­ções vá­li­das pa­ra ela­bo­ra­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas so­bre a di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to do en­si­no su­pe­ri­or”, dis­se.

Roberto de Almeida su­bli­nhou que a re­a­li­za­ção des­ta con­fe­rên­cia, em par­ce­ria com o Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or, não é a pri­mei­ra ac­ção que aque­la fun­da­ção re­a­li­za. Em 2004, lem­brou, a Fun­da­ção Sa­gra­da Es­pe­ran­ça re­a­li­zou um co­ló­quio so­bre o en­si­no em An­go­la, su­bor­di­na­do ao te­ma “O en­si­no que pre­ci­sa­mos pa­ra a so­ci­e­da­de que qu­e­re­mos”. Des­te en­con­tro, re­sul­ta­ram con­tri­bui­ções que fo­ram in­se­ri­das no pro­ces­so de re­for­ma do Sis­te­ma de En­si­no em An­go­la.

Roberto de Almeida su­ge­riu que du­ran­te a con­fe­rên­cia que ho­je en­cer­ra sub­sis­ta um in­ter­câm­bio pro­du­ti­vo en­tre os con­fe­ren­cis­tas e que as dis­cus­sões pos­sam re­sul­tar em con­tri­bui­ções que sir­vam in­te­res­ses fu­tu­ros das ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das que le­gal­men­te ope­ram em An­go­la.

A con­fe­ren­cia in­ter­na­ci­o­nal so­bre “O fi­nan­ci­a­men­to do en­si­no su­pe­ri­or” tem co­mo ob­jec­ti­vo ge­ral es­ti­mu­lar as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or a di­ver­si­fi­ca­rem as fon­tes de re­cei­tas, pa­ra as­se­gu­ra­rem a sua sus­ten­ta­bi­li­da­de. No en­con­tro, es­tão a ser dis­cu­ti­dos te­mas co­mo “Ou­tras ini­ci­a­ti­vas de fi­nan­ci­a­men­to do en­si­no su­pe­ri­or”, “O olhar das or­dens pro­fis­si­o­nais so­bre o fi­nan­ci­a­men­to do en­si­no su­pe­ri­or” e “Di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to de uma ins­ti­tui­ção de en­si­no su­pe­ri­or”.

CONTREIRAS PI­PA

Mi­nis­tro Adão do Nas­ci­men­to de­fen­deu a cri­a­ção de uma le­gis­la­ção que obri­ga à di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to no en­si­no su­pe­ri­or

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.