Nú­me­ro de ci­da­dãos au­men­ta nos pos­tos

Au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais e igre­jas tra­ba­lham na mo­bi­li­za­ção da po­pu­la­ção pa­ra o ac­to cí­vi­co

Jornal de Angola - - POLÍTICA - RO­DRI­GUES CAMBALA | JO­SÉ RUFINO |

O mu­ni­cí­pio de Ico­lo e Ben­go ca­das­tra em mé­dia, des­de o iní­cio do pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral, 500 ci­da­dãos por dia. Du­ran­te a ma­nhã de on­tem, os pos­tos de ac­tu­a­li­za­ção pre­sen­ci­al, lo­ca­li­za­dos na Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal e no Cen­tro Cul­tu­ral Dr. Agos­ti­nho Ne­to, já ti­nham re­gis­ta­do qua­se cem ci­da­dãos.

Num dia de pou­co sol, An­tó­nia Di­o­go man­tém o olhar no ta­blet que ma­nu­seia com es­me­ro pa­ra pas­sar o ta­lão a Ma­nu­el Figueira. Nes­te ta­lão es­tão os prin­ci­pais pon­tos de re­fe­rên­cia on­de Ma­nu­el vai exer­cer o seu di­rei­to de vo­to, nas elei­ções ge­rais do pró­xi­mo ano.

De cal­ças de gan­ga azul, ca­mi­so­la e cha­péu la­ran­ja com os di­ze­res li­ga­dos ao pro­ces­so, An­tó­nia le­van­ta-se ca­da vez que re­ce­be um elei­tor, pa­ra di­ri­gi-lo jun­to à pa­re­de e fa­zer a fo­to­gra­fia, co­mo pro­va de vi­da. As de­mais in­for­ma­ções são re­ti­ra­das cui­da­do­sa­men­te do bi­lhe­te de iden­ti­da­de e car­tão de elei­tor.

Mas Ma­nu­el Figueira não es­tá so­men­te nas ves­tes de um ci­da­dão que pre­ten­de ac­tu­a­li­zar os seus da­dos. O jo­vem de 29 anos é tam­bém o co­or­de­na­dor dos fis­cais do pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral do par­ti­do UNITA na­que­la cir­cuns­cri­ção. “Co­mo se pre­via, o pro­ces­so es­tá a de­cor­rer com nor­ma­li­da­de”, diz Ma­nu­el Figueira, su­bli­nhan­do que a re­la­ção com o pes­so­al da bri­ga­da e fis­cais de ou­tros par­ti­dos po­lí­ti­cos é boa e es­tão sa­tis­fei­tos com a ade­são dos po­pu­la­res.

Mes­mo com a ten­dên­cia de au­men­to do re­gis­to elei­to­ral, o jo­vem fis­cal acres­cen­ta que os tra­ba­lhos de mo­bi­li­za­ção vão con­ti­nu­ar, pa­ra evi­tar que ci­da­dãos fi­quem im­pos­si­bi­li­ta­dos de vo­tar ou que te­nham os seus no­mes em ca­der­nos dis­tan­tes das su­as lo­ca­li­da­des.

An­tó­nia Di­o­go diz que o tra­ba­lho com al­guns fis­cais de par­ti­dos po­lí­ti­cos, so­bre­tu­do da UNITA, não tem si­do fá­cil por per­ma­nen­te des­con­fi­an­ça do pro­ces­so elei­to­ral. “Eles es­tão sem­pre a pen­sar mal. Às ve­zes, a fo­to­gra­fia tem de ser re­pe­ti­da e eles acu­sam-nos de es­tar­mos a ca­das­trar o mes­mo ci­da­dão du­as ve­zes, o que é im­pos­sí­vel. Eles são mui­to com­pli­ca­dos”, de­sa­ba­fa. Ape­sar des­te cons­tran­gi­men­to, a jo­vem as­se­ve­ra que o tra­ba­lho es­tá a de­cor­rer sem so­bres­sal­tos, e elo­gia o pa­pel dos so­bas e co­or­de­na­do­res das po­vo­a­ções que or­ga­ni­zam os ci­da­dãos an­tes da pre­sen­ça das bri­ga­das de re­gis­to elei­to­ral.

O cor­re­dor é es­trei­to, mas ca­bem du­as fi­las de ca­dei­ras. La­do a la­do ob­ser­va-se oi­to ci­da­dãos em si­lên­cio à es­pe­ra da sua vez. Emí­lia Fi­lo­me­na es­tá des­ta­ca­da no pos­to de ac­tu­a­li­za­ção pre­sen­ci­al na Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal de Ico­lo e Ben­go. Era a vez de Evan­ge­lis­ta Gu­e­len­gue, que em me­nos de qua­tro mi­nu­tos ob­te­ve o ta­lão que con­fir­ma­va a sua pre­sen­ça no lo­cal de ac­tu­a­li­za­ção.

Emí­lia Fi­lo­me­na tra­ba­lha com afin­co, pe­la for­ma co­mo ex­pli­ca e aju­da os ci­da­dãos a de­ter­mi­nar me­lhor a sua zo­na de re­si­dên­cia. “Os nú­me­ros es­tão a au­men­tar e es­tes di­as es­tou a ac­tu­a­li­zar os da­dos de 50 pes­so­as por dia.”

En­quan­to Emí­lia fa­la com Evan­ge­lis­ta, apro­xi­ma-se um jo­vem al­to e del­ga­do que ob­ser­va to­dos os mo­vi­men­tos. Do­min­gos Fe­lis­ber­to é fis­cal do par­ti­do MPLA. Mos­tra-se sa­tis­fei­to pe­lo pro­ces­so es­tar a de­cor­rer com nor­ma­li­da­de. Fe­lis­ber­to ex­pli­ca que ci­da­dãos sem do­cu­men­tos e jo­vens que pre­ci­sam de fa­zer o re­gis­to pe­la pri­mei­ra vez de­vem com­pa­re­cer ape­nas em Ou­tu­bro. “Con­ti­nu­a­mos a mo­bi­li­zar as pes­so­as pa­ra fa­zer a ac­tu­a­li­za­ção pa­ra não fi­ca­rem de fo­ra nas pró­xi­mas elei­ções. Aos pou­cos, te­mos fé de que va­mos re­gis­tar to­dos os an­go­la­nos”, afir­ma. Eu­cli­des Pai­va, 35 anos, re­si­den­te em Lu­an­da, apro­vei­tou a sua des­lo­ca­ção àque­le mu­ni­cí­pio pa­ra tam­bém fa­zer a sua pro­va de vi­da. Con­si­de­ra que o pro­ces­so é im­por­tan­te e ne­ces­sá­rio pa­ra de­pois os ci­da­dãos es­co­lhe­rem os fu­tu­ros lí­de­res do país.

Ma­nu­el da Cos­ta só se ca­la por pou­co tem­po. Sor­ri, fa­la al­to e sor­ri com as pes­so­as que en­con­trou no Cen­tro Cul­tu­ral Dr. Agos­ti­nho Ne­to co­mo se os co­nhe­ces­se há bas­tan­te tem­po. “Eu sou da­qui mes­mo de Ca­te­te, e sem­pre mo­rei aqui”, diz em tom al­to. Fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co, diz que dei­xou a mu­lher no hos­pi­tal ao la­do e apro­vei­tou pas­sar pe­lo pos­to de re­gis­to pa­ra fa­zer a ac­tu­a­li­za­ção dos seus da­dos, pa­ra po­der vo­tar no seu par­ti­do do co­ra­ção. “A mi­nha fa­mí­lia to­da es­tá mo­bi­li­za­da pa­ra fa­zer o re­gis­to”, afir­ma.

Bom rit­mo no Mo­xi­co

O pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral na pro­vín­cia Mo­xi­co de­cor­re a bom rit­mo, in­for­mou on­tem, no Lu­e­na, o di­rec­tor pro­vin­ci­al dos Re­gis­tos. Hen­ri­que Cho­lim­ba dis­se ao Jor­nal de An­go­la que as con­di­ções téc­ni­cas, hu­ma­nas e lo­gís­ti­cas, que cons­ti­tu­em as prin­ci­pais fer­ra­men­tas pa­ra o an­da­men­to de to­do o pro­ces­so a ní­vel da pro­vín­cia, es­tão as­se­gu­ra­dos.

Pa­ra o êxi­to do pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção, a ins­ti­tui­ção con­ta com o apoio dos par­ti­dos po­lí­ti­cos, igre­jas, au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais e so­ci­e­da­de ci­vil, ten­do em con­ta o pa­pel que jo­gam na mo­bi­li­za­ção da po­pu­la­ção pa­ra ade­rir aos pos­tos de re­gis­to e ac­tu­a­li­za­ção.

A ní­vel da pro­vín­cia do Mo­xi­co, es­tão dis­po­ní­veis 40 bri­ga­dis­tas e 15 agen­tes de edu­ca­ção cí­vi­ca e es­pe­ra­se que até ao fi­nal do mês de Ou­tu­bro o pro­ces­so es­te­ja a 75 por cen­to da ci­fra pre­co­ni­za­da. “Nes­ta pri­mei­ra fa­se es­ta­mos ape­nas a ac­tu­a­li­zar os da­dos de re­si­dên­cia de to­dos os ci­da­dãos que ob­ti­ve­ram o seu car­tão de elei­tor no pas­sa­do e pro­ce­der em si­mul­tâ­neo à pro­va de vi­da”, dis­se.

No que diz res­pei­to ao tra­ba­lho da fis­ca­li­za­ção dos par­ti­dos po­lí­ti­cos, o res­pon­sá­vel ga­ran­tiu que a Di­rec­ção dos Re­gis­tos no Mo­xi­co tem den­tro da sua agen­da de tra­ba­lho um ca­len­dá­rio de reu­niões com os par­ti­dos po­lí­ti­cos, on­de são tra­ta­das to­das as ir­re­gu­la­ri­da­des e in­qui­e­ta­ções que ve­nham a sur­gir no de­cur­so do pro­ces­so. “Te­mos uma boa con­vi­vên­cia com to­dos os par­ti­dos po­lí­ti­cos, não te­mos ra­zões de quei­xa quan­to aos tra­ba­lhos da fis­ca­li­za­ção dos par­ti­dos e do as­se­gu­ra­men­to das bri­ga­das de re­gis­to”, con­cluiu.

JO­SÉ SO­A­RES

Ci­da­dãos de Ico­lo e Ben­go aten­de­ram aos ape­los e acor­rem em mas­sa ao pos­to de re­gis­to ins­ta­la­do na Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.