Pou­ca mar­gem pa­ra a eco­no­mia mun­di­al

Jornal de Angola - - OPINIÃO - BENJAMIN CARL­SON |

Os paí­ses do G-20 reú­nem-se no fim de se­ma­na na Chi­na num con­tex­to de cres­ci­men­to fra­co, em­bo­ra se­ja pou­co pro­vá­vel que to­mem gran­des de­ci­sões pa­ra re­ac­ti­var a eco­no­mia mun­di­al, nu­ma ci­mei­ra mar­ca­da pe­los in­te­res­ses di­ver­gen­tes e con­fli­tos ge­o­po­lí­ti­cos.

A Chi­na, que es­te ano pre­si­de ao fó­rum dos 20 paí­ses mais ri­cos do mun­do, tem um pro­gra­ma mo­des­to pa­ra a ci­mei­ra de che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no de 4 e 5 de Se­tem­bro na ci­da­de de Hangzhou: trans­for­mar a eco­no­mia mun­di­al pa­ra que se­ja mais “ino­va­do­ra, vi­go­ro­sa, in­ter­li­ga­da e in­clu­si­va”, se­gun­do o pro­gra­ma ofi­ci­al. O con­tex­to eco­nó­mi­co mun­di­al con­ti­nua a ser som­brio e após o Bre­xit no Rei­no Uni­do o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) bai­xou as pre­vi­sões de cres­ci­men­to pa­ra 2016 e 2017 pa­ra 3,1 por cen­to e 3,4 por cen­to, res­pec­ti­va­men­te.

“Não há in­te­res­ses co­muns en­tre as prin­ci­pais eco­no­mi­as mun­di­ais”, afir­ma à AFP Ch­ris­topher Bal­ding, pro­fes­sor de eco­no­mia da Pe­king Uni­ver­sity HSBC Bu­si­ness Scho­ol. “No­ta-se que há pou­ca ur­gên­cia em to­mar gran­des ini­ci­a­ti­vas po­lí­ti­cas em Hangzhou”, afir­ma Qu Hong­bin, um ana­lis­ta no HSBC. “A pre­o­cu­pa­ção pe­la de­pre­ci­a­ção do yu­a­ne (a mo­e­da chi­ne­sa) e pe­lo cres­ci­men­to di­mi­nuí­ram, a eco­no­mia chi­ne­sa es­ta­bi­li­zou-se e as tur­bu­lên­ci­as do Bre­xit são, até ao mo­men­to, li­mi­ta­das”, diz ele.

O G-20 reú­ne as prin­ci­pais eco­no­mi­as mun­di­ais dos paí­ses de­sen­vol­vi­dos e emer­gen­tes e, em con­jun­to, es­tes paí­ses re­pre­sen­tam 85 por cen­to do pro­du­to in­ter­no bru­to mun­di­al, as­sim co­mo dois ter­ços da po­pu­la­ção do pla­ne­ta. Em 2014, na ci­mei­ra da Aus­trá­lia, os lí­de­res do G-20 pro­me­te­ram au­men­tar em 2,1 por cen­to o cres­ci­men­to do PIB até 2018, mas des­de en­tão o am­bi­en­te de­gra­dou-se.

Em 2015, a per­cen­ta­gem de cum­pri­men­to das pro­mes­sas do G-20 caiu pa­ra 63 por cen­to, se­gun­do da­dos da Uni­ver­si­da­de de To­ron­to, que a atri­bui à fal­ta de re­for­mas es­tru­tu­rais.

Ape­sar das pro­mes­sas de con­quis­tar um cres­ci­men­to for­te, sus­ten­tá­vel e equi­li­bra­do, o G-20 “não es­tá a cum­prir ne­nhum des­tes três objectivos”, afir­ma Tris­tram Sains­bury, do cen­tro de es­tu­dos do G-20 no Aus­tra­lia Lowy Ins­ti­tu­te. A di­fe­ren­ça en­tre a si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca de ca­da país com­pli­ca mui­to a to­ma­da de de­ci­sões con­jun­tas. Os Es­ta­dos Uni­dos es­tão a es­tu­dar um au­men­to das ta­xas de ju­ro e o Ja­pão con­ti­nua a sua po­lí­ti­ca de ex­pan­são mo­ne­tá­ria.

Além dis­so, a Chi­na con­ti­nua a ge­rar des­con­fi­an­ça com a des­va­lo­ri­za­ção da sua mo­e­da, com a ex­plo­são da sua dí­vi­da e o ex­ces­so de ca­pa­ci­da­de na pro­du­ção, em es­pe­ci­al do aço, uma ques­tão que se­rá tra­ta­da à mar­gem da ci­mei­ra.

Os três paí­ses la­ti­no-ame­ri­ca­nos do G-20 tam­bém che­gam com in­te­res­ses dis­tin­tos ao fó­rum.

O Bra­sil es­tá afun­da­do na sua pi­or re­ces­são em qua­se um sé­cu­lo e vi­ve uma pro­fun­da cri­se po­lí­ti­ca que cul­mi­nou no pro­ces­so de “im­pe­a­ch­ment” de Dil­ma Rous­seff. Na Ar­gen­ti­na o Go­ver­no de Mau­ri­cio Ma­cri ten­ta lan­çar um am­plo pro­gra­ma de re­for­mas que pro­vo­ca ma­ni­fes­ta­ções de pro­tes­tos, en­quan­to no Mé­xi­co o en­di­vi­da­men­to pú­bli­co e as di­fi­cul­da­des do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro acen­de­ram al­guns alar­mes.

Bar­rei­ras co­mer­ci­ais

Em Hangzhou es­ta­rão tam­bém so­bre a me­sa ques­tões co­mo a trans­pa­rên­cia fi­nan­cei­ra após o ca­so dos Pa­na­ma Pa­pers – a lu­ta con­tra o fi­nan­ci­a­men­to do ter­ro­ris­mo ou a co­lo­ca­ção em prá­ti­ca do acor­do so­bre o cli­ma de Pa­ris.

Tam­bém não se­rá fá­cil al­can­çar um acor­do em ma­té­ria co­mer­ci­al de­vi­do ao res­sur­gi­men­to da “men­ta­li­da­de pro­tec­ci­o­nis­ta”, afir­ma An­drew Polk, do Me­dley Glo­bal Ad­vi­sors, à qual se so­ma o pos­sí­vel fra­cas­so do gran­de acor­do co­mer­ci­al en­tre Eu­ro­pa e Es­ta­dos Uni­dos.

Des­de 2009, o cres­ci­men­to das tro­cas co­mer­ci­ais es­tá pa­ra­do abai­xo de três por cen­to. Se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC), em 2016 ca­da país mem­bro do gru­po to­mou men­sal­men­te uma mé­dia de 20 me­di­das que res­trin­gem o in­ter­câm­bio de bens.

Por sua vez, a União Eu­ro­peia in­sis­ti­rá na ne­ces­si­da­de de um “li­vre câm­bio jus­to” e em lu­tar con­tra a su­per­pro­du­ção in­dus­tri­al, se­gun­do um di­plo­ma­ta eu­ro­peu.

Tu­do is­so num con­tex­to de im­por­tan­tes con­fli­tos, co­mo a guer­ra na Sí­ria ou as as­pi­ra­ções ter­ri­to­ri­ais da Chi­na no mar da Chi­na Me­ri­di­o­nal, que po­dem mar­gi­na­li­zar as ques­tões pu­ra­men­te eco­nó­mi­cas. No en­tan­to, Pe­quim já avi­sou que não quer po­li­ti­zar a ci­mei­ra.

Em Hangzhou, o pre­si­den­te ame­ri­ca­no, Ba­rack Oba­ma, pla­neia reu­nir-se com o seu co­le­ga tur­co, Re­cep Tayyip Er­do­gan, pa­ra fa­lar da Sí­ria, on­de o con­fli­to é ca­da vez mais com­ple­xo des­de a re­cen­te in­ter­ven­ção mi­li­tar tur­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.