Saí­da de Dil­ma cau­sa dis­tin­tas re­ac­ções

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff ge­rou re­ac­ções dis­tin­tas en­tre os vi­zi­nhos sul-ame­ri­ca­nos do Bra­sil, do con­ge­la­men­to de re­la­ções anun­ci­a­do pe­lo Go­ver­no da Ve­ne­zu­e­la, pas­san­do pe­la re­ti­ra­da do má­xi­mo re­pre­sen­tan­te do Equa­dor em Bra­sí­lia, até ao “res­pei­to” ma­ni­fes­ta­do pe­los go­ver­nos da Ar­gen­ti­na, Chi­le e Pa­ra­guai.

Num co­mu­ni­ca­do, a Ve­ne­zu­e­la anun­ci­ou que de­ci­diu re­ti­rar de­fi­ni­ti­va­men­te o seu em­bai­xa­dor no Bra­sil e con­ge­lar as re­la­ções po­lí­ti­cas e di­plo­má­ti­cas com o go­ver­no sur­gi­do “des­se gol­pe par­la­men­tar”. O Pre­si­den­te ve­ne­zu­e­la­no, Ni­co­lás Ma­du­ro, con­de­nou o que cha­mou de “Gol­pe Oli­gár­qui­co da di­rei­ta.”

O Equa­dor re­ti­rou o seu en­car­re­ga­do de ne­gó­ci­os, até en­tão o prin­ci­pal re­pre­sen­tan­te di­plo­má­ti­co em Bra­sí­lia. Num co­mu­ni­ca­do, o Go­ver­no equa­to­ri­a­no, que em Maio con­vo­ca­ra “pa­ra con­sul­tas” o seu em­bai­xa­dor no Bra­sil, que não vol­tou ao pos­to e foi no­me­a­do re­pre­sen­tan­te per­ma­nen­te do Equa­dor na ONU, in­for­mou que a sua em­bai­xa­da no Bra­sil fi­ca a car­go do ter­cei­ro­se­cre­tá­rio e ad­ver­tiu que “pro­va­vel­men­te” a re­la­ção bi­la­te­ral en­tre os dois paí­ses “vai ser afec­ta­da.”

O Pre­si­den­te da Bo­lí­via, Evo Mo­ra­les, con­vo­cou pa­ra con­sul­tas o seu em­bai­xa­dor no Bra­sil após con­de­nar o “gol­pe par­la­men­tar.”AA­li­an­ça Bo­li­va­ri­a­na pa­ra os Po­vos da Nos­sa Amé­ri­ca (Al­ba) - que in­te­gra a Ve­ne­zu­e­la, Bo­lí­via, Equa­dor e Ni­ca­rá­gua - tam­bém con­de­nou o que con­si­de­ra “gol­pe de Es­ta­do par­la­men­tar” no Bra­sil que “de­mons­tra que as for­ças re­gres­si­vas do he­mis­fé­rio con­ti­nu­am a tra­ba­lhar pa­ra de­ses­ta­bi­li­zar e de pro­vo­car gol­pes de Es­ta­do con­tra os go­ver­nos pro­gres­sis­tas da re­gião.”

Com uma pos­tu­ra mais mo­de­ra­da, o Go­ver­no ar­gen­ti­no de Mau­ri­cio Ma­cri dis­se que “res­pei­ta” o pro­ces­so de des­ti­tui­ção de Dil­ma Rous­sef e “re­a­fir­ma a von­ta­de de con­ti­nu­ar pe­lo ca­mi­nho de uma re­al e efec­ti­va in­te­gra­ção com ba­se no ab­so­lu­to res­pei­to pe­los di­rei­tos hu­ma­nos, as ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas e o Di­rei­to In­ter­na­ci­o­nal.” O mes­mo tom foi adop­ta­do pe­lo Go­ver­no do Chi­le, que se de­cla­rou “res­pei­to­so” quan­to à de­ci­são e ma­ni­fes­ta con­fi­an­ça “que o Bra­sil vai re­sol­ver os seus pró­pri­os de­sa­fi­os, por meio da sua ins­ti­tu­ci­o­na­li­da­de de­mo­crá­ti­ca”.

O Pa­ra­guai tam­bém diz res­pei­tar a de­ci­são “to­ma­da pe­las ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas bra­si­lei­ras” e vai pro­cu­rar apro­fun­dar as re­la­ções po­lí­ti­cas, eco­nó­mi­cas e co­mer­ci­ais com a no­va ad­mi­nis­tra­ção li­de­ra­da pe­lo Pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, ape­sar do mau cli­ma.

AFP

Es­ta­dos sul-ame­ri­ca­nos es­tão des­con­ten­tes com o no­vo Pre­si­den­te do Bra­sil Mi­chel Te­mer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.