Cos­tu­mes de Pun­go An­don­go em pal­co

PE­ÇA “FEITICEIRO E IN­TE­LI­GEN­TE” Etu Le­ne ini­cia ama­nhã a pri­mei­ra tem­po­ra­da do pro­jec­to cul­tu­ral “Ku­san­gu­lu­ka”

Jornal de Angola - - CULTURA - MA­NU­EL ALBANO |

A pri­mei­ra tem­po­ra­da do pro­jec­to cul­tu­ral “Ku­san­gu­lu­ka” apre­sen­ta a par­tir de ama­nhã to­dos os sá­ba­dos do mês de Se­tem­bro, às 19h00, o es­pec­tá­cu­lo “O feiticeiro e o in­te­li­gen­te”, pe­lo gru­po Etu Le­ne, na es­co­la Ni­ni ya Lu­keny (exJo­ta), no Rangel, pa­ra sau­dar o dia do He­rói Na­ci­o­nal, que se as­si­na­la no pró­xi­mo dia 17.

A pe­ça é mon­ta­da num ce­ná­rio, de ma­nei­ras a trans­por­tar os es­pec­ta­do­res há um pas­seio às ter­ras de Pun­go An­don­go, em Ma­lan­je. Os há­bi­tos e cos­tu­mes da­que­la pe­que­na vi­la são ex­plo­ra­dos du­ran­te a en­ce­na­ção, dis­se, on­tem, o en­ce­na­dor Beto Cas­sua.

Feiticeiro e in­te­li­gen­te, ex­pli­ca, foi fun­da­men­ta­da nu­ma re­a­li­da­de amo­ro­sa, on­de es­tão pos­tos à pro­va a in­te­li­gên­cia de um jo­vem e a as­tú­ci­as de um an­cião. O jo­vem diz que já tem o pei­xe pe­di­do por Kam­ba Mbi­je, mas que não po­dia ser en­tre­gue nem de dia nem de noi­te.

As as­si­me­tri­as en­tre a tra­di­ção e o mo­der­no, tor­nam o es­pec­tá­cu­lo um ce­ná­rio “per­fei­to” que nos trans­por­ta ao con­tex­to cul­tu­ral an­go­la­no, em par­ti­cu­lar, e afri­ca­no, em ge­ral.

No es­pec­tá­cu­lo, o gru­po de te­a­tro de­mons­tra as di­fe­ren­ças ide­o­ló­gi­cas, atra­vés da história do feiticeiro Kam­ba Mbi­je que tem uma úni­ca fi­lha que, à noi­te, usa co­mo mu­lher. Kam­ba Mbi­je im­pe­dia a fi­lha de ter um re­la­ci­o­na­men­to amo­ro­so e, pa­ra im­pe­dir que o jo­vem que a pe­di­ra em ca­sa­men­to se en­con­tras­se com ela, exi­gia que o mes­mo trou­xes­se um pei­xe que não fos­se nem de água do­ce, nem de água sal­ga­da. Dis­se que exis­te um pro­jec­to de le­var a pe­ça, nu­ma ver­são ao ci­ne­ma com a pro­du­ção de um fil­me. “Ten­ci­o­na­mos gra­var a pe­ça num ce­ná­rio re­al. Es­ta­mos a pen­sar fa­zê-lo em Pun­go An­don­go, com o seu po­vo, lu­ga­res e sí­ti­os tu­rís­ti­cos”, dis­se o en­ce­na­dor.

Con­sa­gra­ção

Beto Cas­sua la­men­tou o fac­to de a pe­ça nun­ca ter con­quis­ta­do qual­quer pré­mio ao lon­go des­tes anos: “De­pois do su­ces­so que a pe­ça te­ve na dé­ca­da de 90, acha­mos que já era tem­po da sua con­sa­gra­ção com um dis­tin­ção. É uma pe­ça que con­ti­nua ac­tu­al e a pre­ser­var a história de um po­vo”. A pro­pos­ta da pe­ça “O feiticeiro e o in­te­li­gen­te”, que tor­nou o gru­po co­nhe­ci­do na dé­ca­da de 90 com es­ta pe­ça apre­sen­ta­da no pro­gra­ma “Em Ce­na”, da Te­le­vi­são Pú­bli­ca de An­go­la, con­ti­nua a man­ter a sua ori­gi­na­li­da­de, ga­ran­tiu, o en­ce­na­dor Beto Cas­sua.

Den­tro de pou­cos di­as, os mu­ní­ci­pes do Rangel ga­nham mais um es­pa­ço de la­zer, on­de vão ser apre­sen­tar vá­ri­as pe­ças de te­a­tro de gru­pos da ca­pi­tal e tam­bém pro­vín­ci­as re­al­çou o co­or­de­na­dor do pro­jec­to “Ku­san­gu­lu­ka” (ani­ma­ção). Pa­ra o res­pon­sá­vel, o lo­cal com a ca­pa­ci­da­de pa­ra al­ber­gar mais de cem pes­so­as, é mais uma gran­de opor­tu­ni­da­de pa­ra tra­zer e con­quis­tar mais pú­bli­co ao te­a­tro e tor­na-lo nu­ma ac­ti­vi­da­de di­nâ­mi­ca da­que­la es­co­la. “Um dos objectivos do pro­jec­to é tam­bém a des­co­ber­ta de ta­len­tos en­tre os alu­nos da es­co­la, por for­mas a ga­ran­tir­mos a con­ti­nui­da­de”.

O pro­jec­to, ar­gu­men­ta, sur­giu no âm­bi­to dos ape­los que os mi­nis­té­ri­os da Cul­tu­ra e da Edu­ca­ção, bem co­mo, o Go­ver­no da Pro­vín­cia de Lu­an­da têm fei­to as ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das, no sen­ti­do de se cri­a­rem par­ce­ri­as com os fa­ze­do­res de ar­te pa­ra se apro­vei­tar e ex­plo­rar me­lhor to­dos aque­les es­pa­ços inac­ti­vos.

DR

Es­pec­tá­cu­lo de te­a­tro do gru­po Etu Le­ne es­tre­a­do há vá­ri­os anos con­ti­nua ac­tu­al com a per­so­na­gem Kam­ba Mbi­je co­mo pro­ta­go­nis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.