Ci­da­de do Cui­to es­tá re­cons­truí­da dos es­com­bros de uma guer­ra atroz

Jornal de Angola - - PARTADA -

O con­fli­to ar­ma­do dei­xou o Cui­to trans­for­ma­do num ce­ná­rio de es­com­bros e com uma po­pu­la­ção trau­ma­ti­za­da. Com a con­quis­ta da paz, a ci­da­de, que co­me­mo­ra o seu 91º ani­ver­sá­rio, tor­nou-se num ver­da­dei­ro can­tei­ro de obras e re­cu­pe­rou a be­le­za de ou­tros tem­pos. Ago­ra, com no­vas in­fra-es­tru­tu­ras em cons­tru­ção, cres­ce em di­men­são e em es­plen­dor.

Bap­ti­za­do com o no­me do co­mer­ci­an­te e ex­plo­ra­dor por­tu­guês Sil­va Por­to, o Cui­to as­cen­deu à ca­te­go­ria de ci­da­de a 31 de Agos­to de 1925. Com uma eco­no­mia su­por­ta­da pe­la agro-pe­cuá­ria e im­pul­si­o­na­da de­pois pe­lo Ca­mi­nho de Fer­ro de Ben­gue­la, o Cui­to foi sem­pre elo­gi­a­do pe­lo “as­pec­to gra­ci­o­so e es­tra­das bem mar­ca­das”, co­mo se po­de ler no “Anuá­rio de An­go­la” de 1962-63.

En­tre as vá­ri­as obras em exe­cu­ção na re­gião, o des­ta­que vai pa­ra a no­va cen­tra­li­da­de, a ser er­gui­da no bair­ro Tchis­sin­do, num pe­rí­me­tro de 300 hec­ta­res, que vai al­ber­gar seis mil apar­ta­men­tos e cer­ca de 42 mil ha­bi­tan­tes.

Os pri­mei­ros apar­ta­men­tos de­vem ser en­tre­gues aos fu­tu­ros uten­tes no pri­mei­ro se­mes­tre de 2017, de acor­do com o vi­ce-go­ver­na­dor pa­ra os Ser­vi­ços Téc­ni­cos e In­fra­es­tru­tu­ras, Jo­sé Tcha­tu­ve­la. A no­va cen­tra­li­da­de vai aju­dar a col­ma­tar o dé­fi­ce ha­bi­ta­ci­o­nal da po­pu­la­ção do Bié, acres­cen­tou.

O go­ver­nan­te ga­ran­tiu a al­ta qua­li­da­de do pro­jec­to, com re­si­dên­ci­as do ti­po T3. As obras es­tão a car­go da cons­tru­to­ra Co­ra-An­go­la.

Com a con­quis­ta da paz em 2002 e fa­ce ao ní­vel de des­trui­ção do Cui­to, o go­ver­no pro­vin­ci­al tra­çou três im­por­tan­tes pro­gra­mas: a exu­ma­ção dos cor­pos en­ter­ra­dos em quin­tais e jar­dins, a re­cons­tru­ção da ci­da­de e a me­lho­ria da ofer­ta dos ser­vi­ços so­ci­ais bá­si­cos.

Tais ac­ções con­tri­buí­ram de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va pa­ra a re­cu­pe­ra­ção das in­fra-es­tru­tu­ras so­ci­o­e­co­nó­mi­cas e pa­ra a me­lho­ria da con­di­ção de vi­da da po­pu­la­ção lo­cal. Du­ran­te os 14 anos de paz, o go­ver­no pro­vin­ci­al do Bié pro­ce­deu à cons­tru­ção de es­co­las de to­dos os ní­veis de en­si­no e de hos­pi­tais.

A ci­da­de do Cui­to es­tá ain­da nu­ma fa­se de re­cu­pe­ra­ção e mui­tos dos ser­vi­ços bá­si­cos, co­mo ener­gia e água, já es­tão a fun­ci­o­nar com nor­ma­li­da­de. Com 4.814 qui­ló­me­tros qua­dra­dos, o mu­ni­cí­pio do Cui­to pro­cu­ra pros­pe­rar nos mais va­ri­a­dos do­mí­ni­os. Com mais de 500 mil ha­bi­tan­tes, a ca­pi­tal do Bié é li­mi­ta­da a Nor­te pe­los mu­ni­cí­pi­os do Cu­nhin­ga e Ca­ta­bo­la, a Es­te por Ca­ma­cu­pa, a Sul pe­lo Chi­tem­bo e a Oes­te pe­lo Chin­guar.

Além da se­de mu­ni­ci­pal, a an­ti­ga ci­da­de de Sil­va Por­to con­ta com as co­mu­nas do Cun­je, Trum­ba, Cam­bân­dua e Chi­ca­la.

A agri­cul­tu­ra é a prin­ci­pal ac­ti­vi­da­de dos ha­bi­tan­tes da ca­pi­tal da mar­ti­ri­za­da pro­vín­cia do Bié.

For­ma­to pro­vin­ci­al

No âm­bi­to dos fes­te­jos do 91º ani­ver­sá­rio do Cui­to, um gru­po de na­tu­rais, des­cen­den­tes e ami­gos do Bié re­a­li­za­ram uma ex­cur­são por es­tra­da, de­no­mi­na­da “Ca­ra­va­na da Sau­da­de”, até à ca­pi­tal da re­gião do Pla­nal­to Cen­tral.

As fes­ti­vi­da­des do Bié vão na quar­ta edi­ção de­pois de ga­nha­rem for­ma­to pro­vin­ci­al de­vi­do à apro­xi­ma­ção de da­tas das co­me­mo­ra­ções dos mu­ni­cí­pi­os do Cui­to, Nha­rea e do Chin­guar.

Nha­rea foi ele­va­da à ca­te­go­ria de con­se­lho ad­mi­nis­tra­ti­vo e a sua se­de à de vi­la, atra­vés da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va ul­tra­ma­ri­na do en­tão re­gi­me co­lo­ni­al a 15 de Agos­to de 1965. O mu­ni­cí­pio dis­ta 175 qui­ló­me­tros a Nor­te do Cui­to, tem 7.560 qui­ló­me­tros qua­dra­dos de ex­ten­são. O Chin­guar, 75 qui­ló­me­tros a Su­do­es­te, com­ple­ta 45 anos de exis­tên­cia, após as­cen­der à ca­te­go­ria de vi­la, a 8 de Se­tem­bro de 1971. A re­gião, fun­da­da em 1810, tem uma ex­ten­são de 3.054 qui­ló­me­tros qua­dra­dos.

An­tes de­no­mi­na­do Ngua­li (per­diz), no­me de uma al­deia e do an­ti­go so­ba e ca­ça­dor da área, o Chin­guar foi fun­da­do em 1810, aquan­do da che­ga­da dos pri­mei­ros por­tu­gue­ses, pro­ve­ni­en­tes da em­ba­la Chyun­du, área ads­tri­ta ao ac­tu­al mu­ni­cí­pio de Ca­chiun­go (ex-Be­la Vis­ta), ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te per­ten­cen­te à pro­vín­cia do Hu­am­bo.

O Bié es­tá lo­ca­li­za­do no cen­tro do país. A pro­vín­cia tem uma área to­tal de 70.314 qui­ló­me­tros qua­dra­dos e mais de 1,5 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, que se de­di­cam es­sen­ci­al­men­te à ac­ti­vi­da­de agrí­co­la. Além da ca­pi­tal, o Cui­to, e de Nha­rea e Chin­guar, o Bié con­ta ain­da com os mu­ni­cí­pi­os do An­du­lo, Ca­ma­cu­pa, Ca­ta­bo­la, Chi­tem­bo, Cu­em­ba e Cu­nhin­ga. Com o for­ma­to pa­re­ci­do ao de um co­ra­ção, cu­ri­o­sa­men­te fi­ca bem no cen­tro do país, o Bié é mai­or que Por­tu­gal e faz fron­tei­ra a Nor­te com o Cu­an­za Sul, Ma­lan­je e Lun­da Sul; a Les­te, com o Mo­xi­co; a Sul com o Cu­an­do Cu­ban­go e a Oes­te com a Huí­la e o Hu­am­bo.

Es­tra­das em re­pa­ra­ção

Além das cen­tra­li­da­des do Cui­to e do An­du­lo, com um to­tal de mil apar­ta­men­tos, o Exe­cu­ti­vo apos­ta nou­tros pro­jec­tos no âm­bi­to do Pro­gra­ma de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal e na re­a­bi­li­ta­ção de vá­ri­as es­tra­das que cru­zam no Bié.

Es­tá em cur­so um vas­to pro­gra­ma de in­ter­ven­ção nas vi­as de aces­so, num to­tal de 360 qui­ló­me­tros de es­tra­das, con­sig­na­das pe­lo Mi­nis­té­rio da Cons­tru­ção.

Nes­te par­ti­cu­lar, des­ta­ca-se o tro­ço que liga o Cui­to ao mu­ni­cí­pio do Cu­em­ba, em que já fo­ram as­fal­ta­dos 20 dos 164 qui­ló­me­tros de es­tra­da. O go­ver­na­dor pro­vin­ci­al do Bié, Álvaro de Bo­a­vi­da Ne­to, dis­se à im­pren­sa que as pon­tes ao lon­go do re­fe­ri­do tro­ço ro­do­viá­rio já fo­ram cons­truí­das e de­cor­re o pro­ces­so de des­mi­na­gem.

Tão lo­go ter­mi­ne o as­fal­ta­men­to, a es­tra­da vai con­tri­buir em gran­de me­di­da pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to dos mu­ni­cí­pi­os de Ca­ta­bo­la, Ca­ma­cu­pa e Cu­em­ba, no cor­re­dor Les­te da pro­vín­cia. A re­a­bi­li­ta­ção da via é tam­bém aguar­da­da com mui­ta ex­pec­ta­ti­va pe­lo Go­ver­no da Pro­vín­cia do Mo­xi­co.

En­quan­to o as­fal­to não che­ga à se­de mu­ni­ci­pal do Cu­em­ba, o Go­ver­no do Bié as­se­gu­ra a cir­cu­la­ção de pes­so­as e de mer­ca­do­ri­as com a ter­ra­pla­na­gem do tro­ço, as­sim co­mo pe­lo Ca­mi­nho de Fer­ro de Ben­gue­la (CFB).

Cons­tam ain­da do pro­gra­ma, a re­a­bi­li­ta­ção do tro­ço que liga a co­mu­na de Ca­chin­gues/Chi­ca­la a Mu­tum­bo, no Chi­tem­bo, num to­tal de 116 qui­ló­me­tros, se­gun­do o go­ver­na­dor pro­vin­ci­al do Bié. O pro­jec­to en­glo­ba a re­cu­pe­ra­ção e a pa­vi­men­ta­ção de 113 qui­ló­me­tros da es­tra­da na­ci­o­nal 150, que liga o mu­ni­cí­pio de Ca­ma­cu­pa às co­mu­nas de Rin­go­ma e de Um­pu­lo, dos 52 qui­ló­me­tros da 141, en­tre o mu­ni­cí­pio do An­du­lo e a vi­la de Cas­sum­be, e da es­tra­da 143, que liga Nha­rea e a co­mu­na da Gam­ba, nu­ma ex­ten­são de 43 qui­ló­me­tros.

Fa­zem par­te tam­bém a re­a­bi­li­ta­ção e a pa­vi­men­ta­ção de 147 qui­ló­me­tros da es­tra­da na­ci­o­nal 250, no tro­ço Ca­ma­cu­pa/Cu­em­ba até à co­mu­na do Mu­nhan­go, em que es­tão en­vol­vi­das as em­pre­sas de cons­tru­ção ci­vil Emo­sul, En­ge­via Li­mi­ta­da e ou­tras.

Pa­ra a con­cre­ti­za­ção dos pro­jec­tos, acres­cen­tou, o Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Bié in­ves­tiu mais de 38 mil mi­lhões de kwan­zas.

O tra­ba­lho de re­cu­pe­ra­ção de es­tra­das ga­ran­tiu 892 em­pre­gos di­rec­tos e 1.340 in­di­rec­tos.

SER­GIO V DI­AS

Vis­ta par­ci­al da ci­da­de do Cui­to on­de es­tão em cur­so di­ver­sos pro­jec­tos de im­pac­to so­ci­al pa­ra me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.