Co­mis­são Eco­nó­mi­ca da ONU de­fen­de de­ba­te so­bre imi­gra­ção

Jornal de Angola - - PARTADA -

As ten­dên­ci­as de mi­gra­ção de afri­ca­nos le­va­ram a Co­mis­são Eco­nó­mi­ca da ONU pa­ra Áfri­ca (ECA) a cri­ar um gru­po pa­ra es­tu­dar o fe­nó­me­no no con­ti­nen­te, re­ve­lou o seu se­cre­tá­rio-exe­cu­ti­vo, Car­los Lo­pes, que de­fen­de um mai­or de­ba­te dos go­ver­nan­tes afri­ca­nos so­bre o te­ma.

“Do pon­to de vis­ta de Áfri­ca, não exis­te uma es­tra­té­gia pa­ra imi­gra­ção. Não exis­te uma dis­cus­são sé­ria so­bre a ques­tão. É evi­den­te que nós já es­ta­mos a be­ne­fi­ci­ar do pon­to de vis­ta ma­cro­e­co­nó­mi­co. As re­mes­sas de imi­gran­tes es­tão a au­men­tar con­si­de­ra­vel­men­te. Nes­te mo­men­to, já che­gam a qua­se dois ter­ços da aju­da in­ter­na­ci­o­nal a Áfri­ca e po­dem che­gar ao do­bro da aju­da in­ter­na­ci­o­nal a Áfri­ca nos pró­xi­mos dois ou três anos. É mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vo”, afir­mou.

Car­los Lo­pes de­fen­de que o di­nhei­ro que os mi­gran­tes man­dam pa­ra ca­sa não de­ve ter mai­or aten­ção dos go­ver­nos, por ha­ver ris­cos que de­vem ser ti­dos em con­ta ape­sar de os nú­me­ros da mo­bi­li­da­de no con­ti­nen­te se­rem “re­la­ti­va­men­te pe­que­nos em re­la­ção aos de ou­tras re­giões.” O se­cre­tá­rio-exe­cu­ti­vo da ECA acres­cen­tou que “os paí­ses têm ten­dên­cia de olhar pa­ra es­te as­pec­to e ig­no­rar o res­to e aí te­mos, por­tan­to, uma cer­ta ig­no­rân­cia da li­de­ran­ça afri­ca­na em re­la­ção às tra­gé­di­as no de­ser­to ou no mar, on­de uma par­te des­sa mi­gra­ção é fei­ta de for­ma clan­des­ti­na, ilí­ci­ta e com má­fi­as a apro­vei­ta­rem­se das di­fi­cul­da­des hu­ma­nas.”

De acor­do com es­ti­ma­ti­vas, pros­se­guiu Car­los Lo­pes, 200 mil afri­ca­nos ten­tam pas­sar pa­ra a Eu­ro­pa por ano, pe­lo mar Me­di­ter­râ­neo, de um to­tal de 2 mi­lhões de pes­so­as do con­ti­nen­te que sa­em pa­ra o es­tran­gei­ro.

AAs­sem­bleia Ge­ral das Na­ções Uni­das re­a­li­za es­te mês uma reu­nião de al­to ní­vel so­bre os mo­vi­men­tos de mi­gran­tes e re­fu­gi­a­dos. Car­los Lo­pes, que diz que o ní­vel da aten­ção mun­di­al é mui­to al­to, de­fen­de que nes­se en­con­tro glo­bal “de­ve ha­ver uma mai­or con­cer­ta­ção de po­lí­ti­cas.” Os go­ver­nos afri­ca­nos, se­gun­do Lo­pes, de­vem es­cla­re­cer as su­as po­si­ções pe­ran­te or­ga­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais pa­ra fa­ci­li­tar o en­qua­dra­men­to de mi­gran­tes, so­bre­tu­do ali on­de é pos­sí­vel re­a­li­zar ac­ções de gran­de im­pac­to.

Pa­ra ele, Áfri­ca é dos con­ti­nen­tes que tem uma pa­la­vra a di­zer e, além dis­so, es­tá em me­lhor po­si­ção pa­ra cri­ar pro­gra­mas jus­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.