Co­o­pe­ra­ti­vas fo­men­tam cri­a­ção de ga­do

FEI­RA AGRO-PECUÁRIA DA HUÍ­LA Pe­cu­a­ris­ta de­fen­de lei­lões por per­mi­ti­rem tro­ca de ani­mais de al­ta selecção

Jornal de Angola - - REPORTAGEM -

O re­po­vo­a­men­to das ma­na­das de ga­do bo­vi­no em vá­ri­os pon­tos do país re­gis­ta avan­ços sig­ni­fi­ca­ti­vos com a in­clu­são, des­de fi­nais de 2004, de es­pé­ci­es de al­ta qua­li­da­de ad­qui­ri­das no Bra­sil, Ho­lan­da, Na­mí­bia e Áfri­ca do Sul, pa­ra reprodução e cru­za­men­to com o ga­do au­tóc­to­ne.

Os pro­gres­sos al­can­ça­dos no pro­ces­so de reprodução de ga­do bo­vi­no, ca­pri­no, suí­no e equi­no, as­sim co­mo de aves di­ver­sas, de­vem-se aos fei­tos da Co­o­pe­ra­ti­va dos Cri­a­do­res de Ga­do do Cen­tro e Sul de Angola (CCGSA), com 12 anos de exis­tên­cia.

O res­pon­sá­vel da co­o­pe­ra­ti­va, Luís Nunes, con­si­de­rou po­si­ti­vas as ac­ções de­sen­vol­vi­das até ao mo­men­to, por im­pul­si­o­na­rem a cri­a­ção de ga­do, nu­ma pri­mei­ra fase, nas pro­vín­ci­as da Huí­la, Na­mi­be e Cunene e, na se­gun­da, con­tem­plar ou­tras re­giões do país, no qua­dro da ex­pan­são ani­mal em cur­so.Com ape­nas 15 cri­a­do­res no co­me­ço da ac­ti­vi­da­de da agre­mi­a­ção, fo­ram gi­za­dos pro­jec­tos que cul­mi­na­ram com me­lho­ri­as na qua­li­da­de do pas­to, sis­te­mas de cap­ta­ção de água, be­be­dou­ros e sa­ni­da­de, as­sim co­mo a re­or­ga­ni­za­ção das fa­zen­das pe­cuá­ri­as.

Luís Nunes re­cor­dou as di­fi­cul­da­des pas­sa­das pe­los cri­a­do­res de ga­do tra­di­ci­o­nais, , so­bre­tu­do du­ran­te a épo­ca do Ca­cim­bo, de­vi­do à es­cas­sez de água, que os obri­ga­va a per­cor­re­rem lon­gas dis­tân­ci­as pa­ra ali­men­ta­rem os ani­mais.

Trans­cor­ri­dos 12 anos de exis­tên­cia da as­so­ci­a­ção, os re­sul­ta­dos re­per­cu­tem-se não só na di­nâ­mi­ca ob­ser­va­da na cri­a­ção de ani­mais, mas tam­bém no re­po­vo­a­men­to, fo­men­to, imu­ni­za­ção e es­trei­ta­men­to de par­ce­ri­as en­tre os ga­na­dei­ros e ve­te­ri­ná­ri­os de vá­ri­os paí­ses.

De­ze­nas de fa­mí­li­as das zo­nas ru­rais são tam­bém be­ne­fi­ciá­ri­as di­rec­tas das ac­ções de­sen­vol­vi­das pe­los 64 as­so­ci­a­dos nas fa­zen­das pe­cuá­ri­as. “Há mui­tos jo­vens das co­mu­nas e po­vo­a­ções a tra­ba­lhar no cam­po e a aprender tam­bém al­gu­mas téc­ni­cas da pecuária”, disse o res­pon­sá­vel.

Luís Nunes, que cor­ro­bo­ra com o di­to dos an­ciãos lo­cais, se­gun­do o qual “a ri­que­za do Sul do país tem qua­tro pa­tas”, afir­mou que a re­gião re­gis­ta um cres­ci­men­to im­pa­rá­vel em quan­ti­da­de e qua­li­da­de. “Já é pos­sí­vel ob­ser­var ga­do au­tóc­to­ne com bom as­pec­to, fru­to do cru­za­men­to com tou­ros de ra­ça”, re­fe­riu.

Os mem­bros da co­o­pe­ra­ti­va es­tão ago­ra em­pe­nha­dos no aumento da cri­a­ção de ga­do pa­ra aba­te e pro­du­ção agrí­co­la, de mo­do a cor­res­pon­der às ne­ces­si­da­des do mer­ca­do na­ci­o­nal e con­tri­buir pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia.

Ani­mais de ra­ça

O con­jun­to das ma­na­das e re­ba­nhos das pro­vín­ci­as da Huí­la, Na­mi­be e Cunene es­tá es­ti­ma­do em três mi­lhões de ani­mais, sen­do 25 mil bo­vi­nos e ca­pri­nos de al­ta selecção, con­tro­la­dos pe­la CCGSA.

Luís Nunes re­fe­riu que es­tes nú­me­ros es­ti­mu­lam o sur­gi­men­to de no­vos cri­a­do­res em vá­ri­as re­giões do país. “Po­de­mos ago­ra de­sen­vol­ver no­vos es­pa­ços pe­cuá­ri­os e cri­ar ex­ce­den­tes pa­ra aba­te em quan­ti­da­des con­si­de­rá­veis”, afir­mou.

O aumento da pro­du­ção de car­ne é li­de­ra­do pe­los fa­zen­dei­ros da re­gião sul, com vis­ta à re­du­ção da im­por­ta­ção de bens agro-pe­cuá­ri­os. “Es­ta­mos pron­tos pa­ra os no­vos de­sa­fi­os, ci­en­tes de que so­mos uma pe­ça fun­da­men­tal no cres­ci­men­to eco­nó­mi­co”, con­si­de­rou o pe­cu­a­ris­ta.As zo­nas de ex­plo­ra­ção pecuária fo­ram alar­ga­das de 75 mil pa­ra 300 mil hec­ta­res nos úl­ti­mos 12 anos, disse o res­pon­sá­vel da co­o­pe­ra­ti­va, que des­ta­cou tam­bém os pro­gres­sos nos equi­pa­men­tos me­ca­ni­za­dos, in­dús­tri­as de con­fec­ção de ra­ção, pa­lha e ou­tros bens des­ti­na­dos à pecuária.

Pa­ra Luís Nunes, o lei­lão de ani­mais é fun­da­men­tal por ser a me­lhor via pa­ra a tro­ca de ani­mais de al­ta selecção, as­sim co­mo pro­por­ci­o­nar a ven­da a pre­ços com­pe­ti­ti­vos. “O lei­lão atrai mi­lha­res de cri­a­do­res, capitaliza os fa­zen­dei­ros e in­cen­ti­va a pro­du­ção”, disse.

Im­por­tân­cia dos lei­lões

A XIII Fei­ra Agro-pecuária da Huí­la, re­a­li­za­da du­ran­te qua­tro di­as no âm­bi­to das Fes­tas de Nos­sa Se­nho­ra do Mon­te, lei­lo­ou mais de 300 ca­be­ças de ga­do bo­vi­no, ca­va los e bú­fa­los. O ne­gó­cio, que ul­tra­pas­sou as ex­pec­ta­ti­vas, per­mi­tiu aos cri­a­do­res ar­re­ca­da­rem 10,47 mil mi­lhões de kwan­zas.

O lei­lão, que nes­ta edi­ção se re­a­li­zou ape­nas uma vez, reu­niu agro­pe­cu­a­ris­tas de Ma­lan­je, Lu­an­da, Cu­an­za Sul, Hu­am­bo, Ben­gue­la, Cunene, Cu­an­do Cu­ban­go e Huí­la. As ofer­tas fo­ram pa­ra tou­ros pa­ra cru­za­men­to das ra­ças brah­man, sim­bra, ne­lo­re, bons­ma­ra, am­ba­ras e bus­bower. A mai­o­ria dos ani­mais co­mer­ci­a­li­za­dos foi cri­a­da nas fa­zen­das Cha­ma­vo, Tre­vo, Pau do Ca­ça­dor, Mum­bi­ri, Nha­lu­que­te, NNN e ou­tras.

Pa­ra o res­pon­sá­vel da co­o­pe­ra­ti­va, o lei­lão des­te ano te­ve uma pro­jec­ção di­fe­ren­te das an­te­ri­o­res. Luís Nunes con­gra­tu­lou-se com os fi­li­a­dos da agre­mi­a­ção por su­pe­ra­rem vá­ri­os obs­tá­cu­los, ex­po­rem mais de 350 ani­mais e tor­na­rem pos­sí­vel a re­a­li­za­ção da fei­ra. O cri­a­dor Carlos Mi­ran­da, do Cu­an­za Sul, de­fen­deu o lei­lão de ga­do, que “além de ser jus­to, con­tri­bui pa­ra o fo­men­to de ani­mais de qua­li­da­de, dá pos­si­bi­li­da­de aos cri­a­do­res de pos­suí­rem o mes­mo ti­po de ani­mais, evi­tan­do ex­clu­si­vi­da­de no pro­ces­so de cri­a­ção.”

“Ve­nho to­dos os me­ses de Agos­to ao Lu­ban­go, pa­ra ad­qui­rir ga­do na Fei­ra Agro-pecuária, pe­la qua­li­da­de dos ani­mais ex­pos­tos e os pre­ços jus­tos”, disse.

O cer­ta­me é uma via pa­ra os no­vos cri­a­do­res na­ci­o­nais des­co­bri­rem os se­gre­dos do mun­do pe­cuá­rio, acres­cen­tou.

Carlos Mi­ran­da, 39 anos, pos­sui 78 ca­be­ças de ga­do bo­vi­no de ra­ça, 28 das quais fo­ram ad­qui­ri­das em vá­ri­os lei­lões de ga­do e as res­tan­tes re­sul­ta­ram da reprodução dos úl­ti­mos qua­tro anos. “Ago­ra, es­tou a cru­zar o ga­do de ra­ça com o au­tóc­to­ne pa­ra melhorar as es­pé­ci­es e pas­sar pa­ra o aba­te”, con­cluiu.

ARITMATEA BAPTISTA | HUÍ­LA

As co­o­pe­ra­ti­vas na re­gião Sul es­tão ago­ra em­pe­nha­das no aumento da cri­a­ção de ga­do pa­ra aba­te e pro­du­ção agrí­co­la de mo­do a cor­res­pon­der às ne­ces­si­da­des do mer­ca­do na­ci­o­nal

ARITMATEA BAPTISTA | HUÍ­LA

O lei­lão de ani­mais é fun­da­men­tal por ser a me­lhor via pa­ra a tro­ca de ani­mais de al­ta selecção as­sim co­mo pro­por­ci­o­nar a ven­da

ARITMATEA BAPTISTA | HUÍ­LA

As fa­mí­li­as das zo­nas ru­rais são tam­bém be­ne­fi­ciá­ri­as di­rec­tas das ac­ções de­sen­vol­vi­das pe­los as­so­ci­a­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.