Mais mu­ni­ções pa­ra Trump

Jornal de Angola - - OPINIÃO - DOU­GLAS GILLISON

A eco­no­mia dos Es­ta­dos Uni­dos cri­ou me­nos em­pre­go do que o es­pe­ra­do em Agos­to, ge­ran­do dú­vi­das so­bre um rá­pi­do aumento das ta­xas de ju­ro, o que deu mu­ni­ções a Do­nald Trump pa­ra cri­ti­car apa­ren­tes fra­que­zas do mer­ca­do de tra­ba­lho.

Agos­to foi o sex­to mês con­se­cu­ti­vo de cri­a­ção de em­pre­go, com 151 mil no­vos pos­tos de tra­ba­lho, mas es­se nú­me­ro con­tras­ta com os 275 mil pos­tos cri­a­dos no mês an­te­ri­or. Além dis­so, foi mui­to me­nos do que os ana­lis­tas pre­vi­am, de acor­do com da­dos di­vul­ga­dos sex­ta-fei­ra pe­lo De­par­ta­men­to do Tra­ba­lho dos EUA.

Os mer­ca­dos es­pe­ra­vam por es­se re­la­tó­rio pa­ra en­con­trar al­gum in­dí­cio so­bre se a Re­ser­va Fe­de­ral (FED) tem con­di­ções pa­ra de­ci­dir, em três se­ma­nas, se au­men­ta os ju­ros pe­la pri­mei­ra vez es­te ano. Nes­te mo­men­to, po­rém, não pa­re­ce mui­to cla­ro que os da­dos pos­sam in­flu­en­ci­ar os mem­bros da FED e os ana­lis­tas têm vi­sões di­ver­gen­tes so­bre se o ban­co cen­tral se in­cli­na­rá pa­ra a su­bi­da das ta­xas.

Os pos­tos de tra­ba­lho cri­a­dos fo­ram ab­sor­vi­dos pe­la cres­cen­te for­ça de tra­ba­lho e os re­sul­ta­dos mos­tram es­ta­bi­li­da­de. A ta­xa de de­sem­pre­go man­tém-se em 4,9 por cen­to pe­lo ter­cei­ro mês se­gui­do e o to­tal dos que es­tão de­sem­pre­ga­dos há mui­to tem­po con­ti­nua a ser de dois mi­lhões.

Os da­dos fo­ram di­vul­ga­dos na vés­pe­ra da vi­a­gem do pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Ba­rack Oba­ma, à Chi­na, on­de par­ti­ci­pa nu­ma reu­nião de lí­de­res do G-20, as mai­o­res eco­no­mi­as do mun­do. Na agen­da, es­tá o de­ba­te so­bre for­mas de es­ti­mu­lar o de­sa­que­ci­do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co mun­di­al. O Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) de­cla­rou que ca­mi­nha pa­ra re­ver pa­ra bai­xo a ex­pec­ta­ti­va de cres­ci­men­to ame­ri­ca­no em 2016. Pa­ra a FED, cu­jo Co­mi­té de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria se reú­ne no dia 21 des­te mês, es­tes da­dos pa­re­cem não tra­zer na­da de no­vo.

Co­mo vem acon­te­cen­do nos úl­ti­mos me­ses, foi o sec­tor de ser­vi­ços que ala­van­cou o em­pre­go, prin­ci­pal­men­te o de re­for­mas e de be­bi­das (+34.000), as­sim co­mo o de ser­vi­ços so­ci­ais (+22.000), ser­vi­ços às em­pre­sas (+20.000) e ser­vi­ços de saú­de (+14.000). Já a in­dús­tria vol­tou ao ver­me­lho, per­den­do 24.000 pos­tos de tra­ba­lho. O sa­lá­rio mé­dio da ho­ra de tra­ba­lho te­ve mí­se­ros três cen­ta­vos de aumento, pa­ra os 25,73 dó­la­res, e mar­ca um aumento anu­al de 2,4 por cen­to.

Com a ele­va­da cri­a­ção de pos­tos de tra­ba­lho, os da­dos do mer­ca­do de tra­ba­lho de Ju­lho nos Es­ta­dos Uni­dos cau­sa­ram euforia e fo­ram vis­tos co­mo uma aju­da pa­ra a can­di­da­ta de­mo­cra­ta à Ca­sa Bran­ca, Hil­lary Clin­ton. O seu ri­val re­pu­bli­ca­no, o mul­ti­mi­li­o­ná­rio Do­nald Trump, en­fa­ti­zou, con­tu­do, os da­dos ne­ga­ti­vos.

A cam­pa­nha de Trump pro­cu­rou ago­ra apro­vei­tar os pon­tos frá­geis do re­la­tó­rio de Agos­to pa­ra ata­car a ri­val por cau­sa da po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca do go­ver­no de Ba­rack Oba­ma.

Os no­vos pos­tos de tra­ba­lho ofe­re­cem pou­ca es­ta­bi­li­da­de ou pers­pec­ti­vas aos tra­ba­lha­do­res, apon­tou o co­mi­té de cam­pa­nha de Trump num co­mu­ni­ca­do so­bre o as­sun­to. “Mais de um ter­ço é de em­pre­go de bai­xa re­mu­ne­ra­ção no sec­tor de ser­vi­ços, co­mo no co­mér­cio re­ta­lhis­ta e de res­tau­ran­tes, que não ser­vem pa­ra man­ter uma fa­mí­lia, pa­gar uma ca­sa ou en­vi­ar os fi­lhos pa­ra a uni­ver­si­da­de”, acres­cen­tou o co­mi­té de Trump.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.