Já es­tá tu­do de­ci­di­do

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ANTÓNIO DE AN­DRA­DE |

Não so­ou ain­da o gon­go de aber­tu­ra dos tra­ba­lhos do Con­gres­so da CA­SA-CE e já a na­ção po­lí­ti­ca an­go­la­na to­mou co­nhe­ci­men­to, na se­ma­na pas­sa, por via da TV Zim­bo, que Abel Chi­vu­ku­vu­ku su­ce­de a si pró­prio e fo­ram in­di­ca­dos os res­pec­ti­vos vi­ce-pre­si­den­tes, do mes­mo mo­do que a se­cre­tá­ria-ge­ral.

O que pa­re­cia ser um exer­cí­cio de “de­mo­cra­cia in­ter­na”, em que os pu­ta­ti­vos can­di­da­tos à pre­si­dên­cia da Ca­sa es­gri­mi­ri­am os seus ar­gu­men­tos, pro­jec­tos e pro­gra­mas, lo­go se es­bo­ro­ou. João Ka­lu­pe­te­ka, de sua gra­ça, não des­per­di­çou a opor­tu­ni­da­de de se re­ve­lar cul­tor de Abel – o ir­mão de Caim – a quem cha­mou “ído­lo”.Foi até mais lon­ge ao ex­pli­ci­tar que al­me­ja­va era ga­nhar pro­ta­go­nis­mo pú­bli­co, con­quis­tar os seus mi­nu­tos de fa­ma e, as­sim, ob­ter um es­ta­tu­to di­fe­ren­ci­a­do no par­ti­do a cons­ti­tuir.

Por seu la­do, Carlos Pi­nho, um im­ber­be re­cém-che­ga­do da an­ti­ga me­tró­po­le, fez o pa­pel que de­le se es­pe­ra­va: zur­zir no “sis­te­ma”, dis­tri­buir ilu­sões, clau­di­car pú­bli­ca e de­son­ra­da­men­te fa­ce a um Abel cheio de si, ar­ro­gan­te e tru­cu­len­to, es­tu­pi­da­men­te con­fi­an­te em cum­prir a mis­são de se tor­nar pre­si­den­te de Angola.

Fe­liz­men­te, nem to­dos os an­go­la­nos têm me­mó­ria curta. Um di­li­gen­te te­les­pec­ta­dor fez re­cor­dar a Abel a sen­ten­ça que cer­ta­men­te irá di­tar o seu eclip­se po­lí­ti­co: “pu­bli­quem-se os re­sul­ta­dos elei­to­rais, e so­ma­li­za­re­mos o país!” Es­tá­va­mos em 1992.Ho­je, vol­vi­dos tan­tos anos, o ir­mão de Caim de­fen­de-se, ar­gu­men­tan­do que se tra­tou tão so­men­te de “uma per­cep­ção er­ra­da de uma afir­ma­ção” e que tu­do o que que­ria fa­zer era “uma pre­mo­ni­ção” do que po­de­ria acon­te­cer no país. Po­bres po­lí­ti­cos que te­mos que tão rá­pi­do trans­for­mam ame­a­ças de guer­ra em ben­di­tas pa­la­vras!

Em re­su­mo, o ce­ná­rio que se pre­ten­dia de­mons­tra­ti­vo da vi­ta­li­da­de da de­mo­cra­cia in­ter­na nes­sa man­ta de re­ta­lhos que é a CA­SA-CE, em con­tra­po­si­ção a um ale­ga­do con­ser­va­do­ris­mo do MPLA, aca­bou por pa­rir um ra­to. Foi vi­sí­vel que Abel, o ir­mão de Caim, re­ve­lou o que a na­ção po­lí­ti­ca an­go­la­na já sa­be: tra­ta-se de um ar­ri­vis­ta que não ce­de ao mais ba­si­lar dos es­crú­pu­los. Traiu Jo­nas Sa­vim­bi, o seu men­tor, traiu a UNITA, de que foi des­ta­ca­do di­ri­gen­te, traiu Isaías Sa­ma­ku­va, ac­tu­al pre­si­den­te da UNITA que o der­ro­tou em du­as elei­ções in­ter­nas no ban­do do ga­lo ne­gro, se­du­ziu os Mi­aus e Lin­dos Ti­tos a tro­co de um as­sen­to par­la­men­tar e... cor­tou o de­do in­di­ca­dor di­rei­to em ope­ra­ção ain­da não des­co­di­fi­ca­da, o que lhe de­ve­ria im­pe­dir de apa­re­cer pu­bli­ca­men­te em televisão.

Al­guns po­lí­ti­cos da opo­si­ção não mu­dam, mes­mo que as­ses­so­ra­dos por es­pe­ci­a­lis­tas das cen­trais de in­te­li­gên­cia do Im­pé­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.