DE SANZA POM­BO A UAMBA Uma vi­a­gem inol­vi­dá­vel

Jornal de Angola - - TURISMO - JO­SÉ BULE | Uí­ge

Mas a gran­de odis­seia co­me­çou de­pois de che­gar à al­deia de Ma­qui­la, por cau­sa dos bu­ra­cos. No tem­po se­co, o ter­re­no ar­gi­lo­so apre­sen­ta de­for­ma­ções que obri­gam os au­to­mo­bi­lis­tas a re­do­bra­rem a pre­cau­ção.

As zo­nas are­no­sas tam­bém exi­gi­am cui­da­dos. Era ne­ces­sá­rio li­gar a trac­ção da vi­a­tu­ra às qua­tro ro­das pa­ra não fi­car en­ter­ra­ra­da na areia fi­na. “Es­sa via es­tá as­sim?”, ques­ti­o­nou o jo­vem au­to­mo­bi­lis­ta, pa­ra, de se­gui­da, acres­cen­tar que “se sou­bes­se que a via es­ta­va na­que­le es­ta­do não ar­ris­ca­ria vir aqui por na­da. Há si­nais de ra­vi­nas em qua­se to­do o tro­ço”.

Trin­ta mi­nu­tos de­pois, Ger­son Ma­da­le­no es­ta­va abor­re­ci­do. Os sal­tos pro­vo­ca­dos pe­los inú­me­ros bu­ra­cos in­co­mo­da­vam. As mãos fi­ca­ram tré­mu­las e a vi­a­tu­ra per­dia ter­re­no em re­la­ção a uma ou­tra, di­ri­gi­da por Er­nes­to Ca­bem­be, um mo­to­ris­ta ha­bi­tu­a­do a cir­cu­lar em vi­as com ní­veis de de­gra­da­ção acen­tu­a­dos.

Du­ran­te o con­fli­to ar­ma­do no país, Er­nes­to Ca­bem­be con­du­zi ca­miões e car­ri­nhas de or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais. Trans­por­ta­va ali­men­tos, me­di­ca­men­tos e ves­tuá­rio pa­ra os des­lo­ca­dos de guer­ra con­cen­tra­dos em vá­ri­as lo­ca­li­da­des da pro­vín­cia do Ui­ge.

Nu­ma das pou­cas pa­ra­gens efec­tu­a­das du­ran­te a vi­a­gem, pa­ra re­la­xar os mú­su­los e apre­ci­ar a pai­sa­gem for­ma­da pe­las den­sas flo­res­tas ao lon­go da via, Er­nes­to Ca­bem­be fez alar­de da sua ex­pe­ri­ên­cia de vida. “Is­so não é na­da. Se no tem­po se­co es­tão a ‘gri­tar’, ima­gi­nem es­sa via no tem­po chu­vo­so. Vá­ri­os ca­miões fi­cam en­ter­ra­dos na la­ma e po­dem per­ma­ne­cer aí até um mês. Nin­guém sai de um la­do Fim-de-Se­ma­na pa­ra ou­tro. Fi­ca tu­do pa­ra­do até apa­re­ce­rem char­ru­as pa­ra so­cor­re­rem os ca­mi­o­nis­tas”, pre­ci­sou.

Os re­la­tos de Er­nes­to Ca­bem­be ou “Bai­xi­nho”, co­mo é ca­ri­nho­sa­men­te tra­ta­do pe­los co­le­gas de tra­ba­lho, pe­los seus cer­ca de 1,50 me­tros de al­tu­ra, dei­xou o jo­vem Ger­son Ma­da­le­no apre­en­si­vo. “Ain­da bem que nes­te pe­río­do do ano não há chu­va,” disse.

Ape­nas 28 qui­ló­me­tros se­pa­ram a vi­la de Sanza Pom­bo da co­mu­na do Uamba, mas a vi­a­gem é des­con­for­tá­vel. Ger­son Ma­da­le­no e Er­nes­to Ca­bem­be de­mo­ra­ram uma “eter­ni­da­de” pa­ra con­cluir o per­cur­so. Fo­ram cer­ca de du­as ho­ras de vi­a­gem. Era di­fí­cil atin­gir a ve­lo­ci­da­de de 40 qui­ló­me­tros por ho­ra.

“Quem vi­a­ja na­que­le tro­ço sen­te do­res em to­do o cor­po. Os os­sos tam­bém do­em. Du­ran­te a vi­a­gem não é só a vi­a­tu­ra que so­fre da­nos. No in­te­ri­or da vi­a­tu­ra, por cau­sa dos sal­tos, le­va-se ca­da pan­ca­da… ”, re­fe­riu Ger­son Ma­da­le­no.

No tem­po se­co, a es­tra­da pa­ra o Uamba apre­sen­ta um ter­re­no bas­tan­te de­gra­da­do em qua­se to­do o per­cur­so. Com a chu­va, a via che­ga a fi­car in­tran­si­tá­vel. Até mes­mo de mo­to­ri­za­da tor­na-se qua­se im­pos­sí­vel cir­cu­lar em al­guns pon­tos da es­tra­da. Os pneus dos mo­to­ci­clos “en­gor­dam” com a la­ma. An­dar a pé che­ga a ser a me­lhor so­lu­ção.

Uamba é das lo­ca­li­da­des da pro­vín­cia do Uí­ge que mais pro­duz fa­ri­nha de man­di­o­ca. O ad­mi­nis­tra­dor co­mu­nal, Jo­sé Pe­dro, disse ao Jor­nal de Angola que a aber­tu­ra das vi­as se­cun­dá­ri­as e ter­ciá­ri­as po­de ace­le­rar a pro­du­ção agrí­co­la.

“Há uma ri­que­za ador­me­ci­da no Uamba, des­de os pro­du­tos agrí­co­las, cri­a­ção de ga­do, ex­plo­ra­ção de ma­dei­ra e de iner­tes. Es­sa lo­ca­li­da­de dis­põe de re­cur­sos que po­dem con­tri­buir sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país. Mas is­so só se­rá pos­sí­vel se ti­ver­mos bo­as es­tra­das”, re­fe­riu.

O ad­mi­nis­tra­dor co­mu­nal Jo­sé Pe­dro disse que al­gu­mas vi­as ne­ces­si­tam de ser in­ter­ven­ci­o­na­das com a mai­or bre­vi­da­de pos­sí­vel, co­mo são os ca­sos dos tro­ços Uamba/Qui­ma­ri­am­ba, com 64 qui­ló­me­tros de dis­tân­cia, Uamba/Qui­cu­ti, 70 qui­ló­me­tros, e Uamba/Qui­fi­qui­di, com 75 qui­ló­me­tros, on­de não cir­cu­lam vi­a­tu­ras pe­los ní­veis acen­tu­a­dos de de­gra­da­ção que apre­sen­tam.

Ou­tra si­tu­a­ção que in­qui­e­ta o ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal tem a ver com as ra­vi­nas que ame­a­çam “en­go­lir” a es­tra­da e ou­tras in­fra-es­tru­tu­ras da co­mu­na.

Jo­sé Pe­dro des­ta­cou al­guns bu­ra­cos lo­ca­li­za­dos na se­de co­mu­nal. “Um es­tá qua­se a en­go­lir a ca­sa do ad­mi­nis­tra­dor ad­jun­to e ou­tro es­tá pró­xi­mo do mer­ca­do lo­cal, além das ra­vi­nas que se abrem ao lon­go das prin­ci­pais vi­as de co­mu­ni­ca­ção”, exem­pli­fi­cou.

“Mas, en­quan­to os apoi­os não che­gam, es­ta­mos a co­lo­car bam­bus à vol­ta des­ses lo­cais pa­ra im­pe­dir que a si­tu­a­ção atin­ja pro­por­ções ain­da mais alar­man­tes. Por­tan­to, pro­cu­ra­mos in­cu­tir na po­pu­la­ção o sen­ti­do de pa­tri­o­tis­mo, pa­ra que pos­sa­mos ter har­mo­nia”, fri­sou.

A co­mu­na es­tá a ob­ter al­gu­mas me­lho­ri­as no do­mí­nio da Edu­ca­ção, Saú­de e Agri­cul­tu­ra. Mas a con­jun­tu­ra fi­nan­cei­ra que afec­ta o país e o mau es­ta­do da es­tra­da con­di­ci­o­nam o progresso lo­cal, de­vi­do a pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos com o for­ne­ci­men­to de água po­tá­vel.

As obras de cons­tru­ção de um no­vo sis­te­ma de cap­ta­ção e tra­ta­men­to de água, que in­cluiu oi­to cha­fa­ri­zes e um ta­que de 15 mil li­tros cú­bi­cos, es­tão pa­ra­li­sa­das. “Nes­te mo­men­to, não po­de­mos for­ne­cer água à po­pu­la­ção, por­que as obras de cons­tru­ção do sis­te­ma es­tão pa­ra­li­sa­das. Há to­da a ne­ces­si­da­de de con­cluir­mos o pro­jec­to pa­ra que a água se­ja tra­ta­da e pu­ri­fi­ca­da an­tes de ser con­su­mi­da pe­la po­pu­la­ção”, as­si­na­lou.

Ma­vi­ti­di Mulaza, re­pór­ter fo­to­grá­fi­co do Jor­nal de Angola, fi­cou an­si­o­so quan­do ou­viu fa­lar de ele­fan­tes. Pen­sou que a vi­si­ta ao Uamba se­ria uma opor­tu­ni­da­de úni­ca pa­ra ver de per­to o ani­mal e fo­to­gra­far. Mas na­que­le dia ne­nhum ani­mal apa­re­ceu.

No Uamba, ma­na­das de ele­fan­tes atra­ves­sam as ru­as das lo­ca­li­da­des de Qui­cu­ti, Qui­fi­qui­di e Qui­ma­ri­am­ba, de­vas­tam as cul­tu­ras de man­di­o­ca, ba­na­na, pal­ma­res, ca­nas-de-açú­car e ou­tros pro­du­tos.

“Os ani­mais sel­va­gens gos­tam de ha­bi­tar em zo­nas cal­mas, on­de pos­sam en­con­trar ali­men­tos e água em gran­de abun­dân­cia. Nes­ta lo­ca­li­da­de há con­di­ções pa­ra que es­ses ani­mais per­ma­ne­çam aqui, ten­do em con­ta que os ele­fan­tes vi­vem em flo­res­tas den­sas, pou­co ha­bi­ta­das pe­lo ho­mem”, ex­pli­cou.

An­tes do re­gres­so dos vi­si­tan­tes, o ad­mi­nis­tra­dor co­mu­nal do Uamba fa­lou das ca­cho­ei­ras de Ma­que­ni, lo­ca­li­za­das na al­deia de Ma­qui­la, ape­nas a três qui­ló­me­tros da vi­la de Sanza Pom­bo.

No lo­cal, a beleza das ca­cho­ei­ras cau­sou emo­ção. As su­as águas cal­mas e cris­ta­li­nas con­vi­da­vam pa­ra um ba­nho. Ger­son Ma­da­le­no, que trabalha no mu­ni­cí­pio há mais de três anos, con­fes­sou que nun­ca ti­nha ou­vi­do fa­lar na­que­le lu­gar.

Nas ca­cho­ei­ras de Ma­que­ni não é ape­nas a água que cai do mon­te de pe­dras que en­can­ta os tu­ris­tas. A ba­cia que co­me­ça a for­mar-se en­tre as mag­ní­fi­cas pe­dras ro­cho­sas, ne­gras e cas­ta­nhas, trans­for­mam o lo­cal num bom lu­gar pa­ra a re­a­li­za­ção de pi­que­ni­ques e ou­tros en­con­tros re­cre­a­ti­vos. Do­min­go, 4 de Se­tem­bro de 2016

MA­VI­TI­DI MULAZA | UÍ­GE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.