Uma gran­de he­roí­na

Jornal de Angola - - PERFIL -

Xe­me Cas­se­mu­ni­que é uma “he­roí­na”. Car­re­ga so­bre os om­bros um per­cur­so de 50 anos de vida e um far­do de 22 fi­lhos, se­te dos quais bi­o­ló­gi­cos. Mas, em mo­men­to al­gum, dei­xa fu­gir a es­pe­ran­ça nu­ma vida me­lhor pa­ra os seus en­tes que­ri­dos.

No seu quo­ti­di­a­no, fi­ca a ima­gem de uma mu­lher que nun­ca dei­xa cair a ba­cia em que trans­por­ta os bens que ven­de pe­las ru­as da ci­da­de de Sau­ri­mo e ar­re­do­res, na Lun­da Sul.

Co­mo mui­tas ou­tras mu­lhe­res, por es­ta Angola fo­ra, ela cal­cor­reia, di­a­ri­a­men­te, as ru­as da ci­da­de, a ven­der peixe, fru­ta, le­gu­mes, tu­bér­cu­los, rou­pa, cal­ça­do, li­vros es­co­la­res e pro­du­tos hi­gié­ni­cos, en­tre ou­tros bens.

As­sim é a vida de­la, co­mo de ou­tras ven­de­dei­ras que pu­lu­lam pe­las ru­as das ci­da­des an­go­la­nas. Ca­mi­nham vá­ri­os qui­ló­me­tros por dia, fa­ça sol ou chu­va, al­gu­mas com os fi­lhos às cos­tas, ao mes­mo tem­po que su­por­tam o pe­so da mer­ca­do­ria. É in­crí­vel a sua ca­pa­ci­da­de em equi­li­brar so­bre a ca­be­ça ba­ci­as, sa­cos e sa­co­las on­de trans­por­tam as mer­ca­do­ri­as.

Pe­ran­te vá­ri­os obs­tá­cu­los, elas não de­sis­tem, por que­re­rem ali­men­tar e ga­ran­tir a saú­de e edu­ca­ção dos seus fi­lhos.

Xe­me Cas­se­mu­qui­ne, a he­roí­na des­ta his­tó­ria, exi­be um sem­blan­te tris­te e um olhar pro­fun­do. Ela qua­se que la­cri­me­ja, ao fa­lar do seu dia-a-dia e da ma­nei­ra co­mo cui­da da edu­ca­ção, saú­de e da ali­men­ta­ção dos 22 fi­lhos. A mu­lher vi­ve com os seus en­tes que­ri­dos nu­ma ca­sa de ape­nas dois quar­tos, uma sa­la e uma co­zi­nha.

Se Cas­se­mu­qui­ne sig­ni­fi­ca, na lín­gua re­gi­o­nal tchokwe, “não nas­ceu”, Xe­me es­tá bem vi­va e tem um sem nú­me­ro de ta­re­fas, to­das elas fo­ca­das na pre­ser­va­ção da vida.

A sua jor­na­da la­bo­ral tem iní­cio às cin­co da ma­nhã. Pre­pa­ra os seus cin­co fi­lhos me­no­res que es­tu­dam. Dei­xa-os na es­co­la às 7h30 e par­te pa­ra o mer­ca­do Can­dem­be, à pro­cu­ra de mer­ca­do­ria.

Das 9 ho­ras em di­an­te, cal­cor­reia as ru­as da ci­da­de a ven­der os seus pro­du­tos. A jor­na­da du­ra pro­lon­ga­das e di­fí­ceis oi­to ho­ras.

Ela ca­mi­nha e qua­se não se ali­men­ta, ao lon­go do dia. “Só de pen­sar que os meus fi­lhos es­tão com fo­me em ca­sa, sem na­da pa­ra co­mer, fi­co sem ape­ti­te”, la­men­ta.

Os ou­tros 17 fi­lhos não es­tu­dam. “Ma­na Xe­me”, co­mo é ca­ri­nho­sa­men­te co­nhe­ci­da no bair­ro, diz, com lá­gri­mas nos olhos, que não tem co­mo sus­ten­tar a for­ma­ção de to­dos. “O pou­co que ga­nho ape­nas che­ga pa­ra nos ali­men­tar­mos”, ex­pli­ca. Os cin­co fi­lhos es­tu­dan­tes fre­quen­tam uma es­co­la pú­bli­ca do en­si­no pri­má­rio. A úni­ca di­fi­cul­da­de tem a ver com a aquis­ção de ma­te­ri­al di­dá­ti­co. A sua pri­mei­ra fi­lha bi­o­ló­gi­ca, de 23 anos, de­sis­tiu da es­co­la pa­ra aju­dar a mãe a cui­dar da ca­sa e dos ir­mãos mais no­vos.

AN­GOP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.