Ma­ni­fes­ta­da opo­si­ção ao “en­si­no mer­can­ti­li­za­do”

A so­lu­ção pas­sa pe­lo aumento do nú­me­ro de ins­ti­tui­ções uni­ver­si­tá­ri­as pú­bli­cas em to­do o país

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - HELMA REIS e MANUELA GO­MES |

O vi­ce-pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção An­go­la­na dos Di­rei­tos do Con­su­mi­dor de­cla­rou na sex­ta-fei­ra, em Lu­an­da, que o Exe­cu­ti­vo deve re­ver­ter o pro­ces­so de ex­pan­são de­sen­fre­a­da das uni­ver­si­da­des pri­va­das pe­la via do aumento do nú­me­ro de ins­ti­tui­ções pú­bli­cas, a fim de im­pe­dir a “mer­can­ti­li­za­ção” do en­si­no su­pe­ri­or.

Lou­ren­ço Te­xe, que dis­ser­ta­va so­bre o te­ma “O fi­nan­ci­a­men­to do en­si­no su­pe­ri­or na pers­pec­ti­va do con­su­mi­dor”, no se­gun­do e úl­ti­mo dia da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre Fi­nan­ci­a­men­to do En­si­no Su­pe­ri­or, disse que o Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or deve ne­go­ci­ar a vi­a­bi­li­za­ção de um pro­gra­ma de fi­nan­ci­a­men­to às ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or pa­ra pro­mo­ver a me­lho­ria da qua­li­da­de do en­si­no.

A es­tra­té­gia, acres­cen­tou, vi­sa a me­lho­ria da qua­li­da­de das ins­ti­tui­ções e a mo­ni­to­ri­za­ção do de­sem­pe­nho de ca­da uma de­las com o ob­jec­ti­vo de ga­ran­tir a sus­ten­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra.

Lou­ren­ço Te­xe de­fen­deu que o Es­ta­do deve cri­ar “di­ver­sos pré-re­qui­si­tos pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to, es­ta­be­le­cen­do pa­râ­me­tros de des­pe­nho mí­ni­mo nas ava­li­a­ções”.

O sec­tor pri­va­do, sa­li­en­tou Lou­ren­ço Te­xe, deve ter qua­li­da­de, re­gu­la­da pe­lo Es­ta­do, que, na sua opi­nião, deve ori­en­tar a ex­pan­são de for­ma or­de­na­da. Em Angola, acres­cen­tou, a qua­li­da­de do en­si­no su­pe­ri­or ain­da é mui­to bai­xa em com­pa­ra­ção com a quan­ti­da­de de ins­ti­tui­ções exis­ten­tes. O defensor dos di­rei­tos dos con­su­mi­do­res lem­brou que a As­so­ci­a­ção An­go­la­na dos Di­rei­tos do Con­su­mi­dor deve, tam­bém, pro­mo­ver o aces­so de jo­vens de ren­di­men­to bai­xo às ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or.

Cri­a­ção de con­di­ções

A As­so­ci­a­ção dos Es­tu­dan­tes das Uni­ver­si­da­des Pri­va­das de Angola (AUEPA) de­fen­deu, em Lu­an­da, que o Es­ta­do deve cri­ar con­di­ções que fa­ci­li­tem as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or pri­va­das a ad­qui­rem ofi­ci­nas, la­bo­ra­tó­ri­os e bi­bli­o­te­cas e apre­sen­tar “li­nhas de des­bu­ro­cra­ti­za­ção” pa­ra um en­si­no de qua­li­da­de.

O vi­ce-pre­si­den­te da AUEPA, Hél­der Edu­ar­do Pin­to, que abor­dou na sex­ta-fei­ra, úl­ti­mo dia da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre o Fi­nan­ci­a­men­to do En­si­no Su­pe­ri­or, o te­ma “Di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to das ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or pri­va­das na pers­pec­ti­va do be­ne­fi­ciá­rio”, afir­mou que, pa­ra a ele­va­ção das con­di­ções fa­vo­rá­veis a um en­si­no de qua­li­da­de, é im­pres­cin­dí­vel que se­jam as­so­ci­a­dos al­guns ele­men­tos fun­da­men­tais.

O lí­der es­tu­dan­til disse ser ne­ces­sá­rio que ha­ja um mai­or de­sa­fio na bus­ca de fi­nan­ci­a­men­to, pa­ra a cri­a­ção de um me­ca­nis­mo de pres­ta­ção de ser­vi­ços de con­sul­to­ria à re­de pri­va­da e pú­bli­ca, o apoio na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal des­ti­na­do à edu­ca­ção e a con­ces­são pe­los ban­cos de cré­di­tos es­pe­cí­fi­cos. A cri­a­ção de ou­tros tipos de fun­do e de um sis­te­ma na­ci­o­nal de fi­nan­ci­a­men­to às ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or pri­va­das são tam­bém en­ca­ra­dos pe­la AUEPA co­mo ele­men­tos im­por­tan­tes pa­ra a ele­va­ção da qua­li­da­de do en­si­no.

In­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca

Pa­ra o es­tu­dan­te uni­ver­si­tá­rio, es­sas me­di­das subs­ti­tu­em a for­ma ac­tu­al de ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas atra­vés do pa­ga­men­to de pro­pi­nas pe­los es­tu­dan­tes ou de emo­lu­men­tos que, se­gun­do ele, es­pe­lham uma fal­ta de hu­ma­ni­za­ção e de res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al nos pro­jec­tos de en­si­no su­pe­ri­or em Angola.

“As so­lu­ções que as em­pre­sas pre­ci­sam a ní­vel dos ser­vi­ços téc­ni­cos de­vem ser en­con­tra­das nas uni­ver­si­da­des”, que, por sua vez, “de­vem cri­ar for­mas de ven­der os seus pro­du­tos”, acen­tu­ou Hél­der Edu­ar­do Pin­to.

Jo­fre Eu­cli­des dos Santos, tam­bém mem­bro da di­rec­ção da AUEPA, afir­mou que o fi­nan­ci­a­men­to ao en­si­no su­pe­ri­or é mui­to im­por­tan­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das ac­ti­vi­da­des no do­mí­nio do en­si­no, da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e da pres­ta­ção de ser­vi­ços à co­mu­ni­da­de.

O di­ri­gen­te sa­li­en­tou que, em Angola, as fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to das uni­ver­si­da­des pú­bli­cas são mai­o­ri­ta­ri­a­men­te pro­ve­ni­en­tes das trans­fe­rên­ci­as de ver­bas ins­cri­tas anu­al­men­te no Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE), daí a ne­ces­si­da­de da cri­a­ção de fon­tes al­ter­na­ti­vas.

O res­pon­sá­vel da UEPA de­fen­deu a cri­a­ção de um di­plo­ma que re­gu­le as mo­da­li­da­des e cri­té­ri­os de fi­nan­ci­a­men­to e crie fon­tes al­ter­na­ti­vas de fi­nan­ci­a­men­to às ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or, além de in­di­ca­do­res de de­sem­pe­nho e da pro­mo­ção do di­rei­to de igual­da­de de opor­tu­ni­da­des. Jo­fre Eu­cli­des dos Santos su­ge­riu ao Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or a cri­a­ção de um de­par­ta­men­to que ava­lie o sis­te­ma de fun­ci­o­na­men­to e acom­pa­nhe a apli­ca­ção dos fi­nan­ci­a­men­tos atri­buí­dos às ins­ti­tui­ções, vi­san­do uma mai­or ra­ci­o­na­li­za­ção na en­tre­ga dos re­cur­sos fi­nan­cei­ros.

A Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre Fi­nan­ci­a­men­to do En­si­no Su­pe­ri­or foi re­a­li­za­do tam­bém com o ob­jec­ti­vo de ana­li­sar ca­sos de su­ces­so na ex­plo­ra­ção de fon­tes de re­cei­tas di­fe­ren­tes das tra­di­ci­o­nais, que são o OGE e o pa­ga­men­to de pro­pi­nas pe­los es­tu­dan­tes.

CONTREIRAS PIPAS

A con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal so­bre o en­si­no su­pe­ri­or re­a­li­za­da na ci­da­de de Lu­an­da re­gis­tou a presença de ges­to­res pú­bli­cos e pri­va­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.