Cor­né­lio Ca­ley pe­de em­pe­nho dos jo­vens

Jornal de Angola - - CULTURA - CÉ­SAR ESTEVES|

A li­te­ra­tu­ra não deve li­mi­tar­se a uma am­pli­tu­de de­fi­ni­da, tal co­mo nou­tros paí­ses em que a li­te­ra­tu­ra na­ci­o­nal é mais só­li­da e há for­te pre­o­cu­pa­ção de pe­ri­o­di­za­ção te­má­ti­ca. “Nós, an­go­la­nos, que te­mos pou­cos anos de vida co­mo pro­jec­to de Na­ção, não po­de­mos per­der tem­po com te­má­ti­cas de de­lei­tar”, disse on­tem em Lu­an­da o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra, Cor­né­lio Ca­ley, que re­pre­sen­tou a mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra.

A afir­ma­ção foi fei­ta na aber­tu­ra da IV Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal so­bre Li­te­ra­tu­ra, que de­cor­re no Cen­tro de For­ma­ção de Jor­na­lis­tas (CEFOJOR), or­ga­ni­za­da pe­lo Mo­vi­men­to Li­te­rá­rio Lev´Ar­te.

A li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, se­gun­do Cor­né­lio Ca­ley, tem a mis­são de se cons­ti­tuir num ins­tru­men­to de cons­tru­ção da iden­ti­da­de na­ci­o­nal. Disse, igual­men­te, que foi o de­sen­vol­vi­men­to das le­tras que aju­dou, em to­do o mun­do, a de­fi­nir as iden­ti­da­des na­ci­o­nais mais do que tal­vez qual­quer ac­ti­vi­da­de hu­ma­na, e apon­tou a ne­ces­si­da­de per­ma­nen­te de os es­cri­to­res, pa­ra a cons­tru­ção da na­ção, es­cre­ve­rem pa­ra as cri­an­ças.

Acer­ca da IV Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal so­bre Li­te­ra­tu­ra disse tra­tar­se de um pro­jec­to que já es­tá a dar re­sul­ta­do bas­tan­te pro­mis­sor no cam­po do co­nhe­ci­men­to das iden­ti­da­des lo­cais, do ima­gi­ná­rio, do sim­bó­li­co e do cul­tu­ral das po­pu­la­ções, quer nos tex­tos de fic­ção, quer nos de po­e­sia e até da ci­ên­cia.

Ao lan­çar um olhar so­bre a te­má­ti­ca li­te­rá­ria dos tex­tos que os es­cri­to­res an­go­la­nos pro­du­zem ac­tu­al­men­te, Cor­né­lio Ca­ley ad­mi­tiu que os mes­mos an­dam à vol­ta de du­as li­nhas prin­ci­pais: a pri­mei­ra res­sal­ta a te­má­ti­ca da con­quis­ta da li­ber­da­de, que pre­fe­riu con­si­de­rar co­mo uma li­nha co­mum­men­te atri­buí­da à an­ti­ga ge­ra­ção, e não con­sen­su­al­men­te.

A se­gun­da li­nha es­tá re­la­ci­o­na­da com a pós-in­de­pen­dên­cia, on­de os jo­vens es­cri­to­res de­têm um pa­pel im­por­tan­te por­que ten­dem à di­ver­si­fi­ca­ção te­má­ti­ca. “Pa­re­ce-me sim que a te­má­ti­ca da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na ten­de­rá, evi­den­te­men­te, a ser mais di­ver­si­fi­ca­da por cau­sa da con­jun­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal em que Angola es­tá in­se­ri­da ou en­vol­vi­da.” A con­fe­rên­cia te­ve co­mo ob­jec­ti­vo es­ti­mu­lar o in­te­res­se pe­la li­te­ra­tu­ra, pro­por­ci­o­nar um en­con­tro en­tre es­cri­to­res e lei­to­res, e es­ta­be­le­cer um in­ter­câm­bio en­tre os es­cri­to­res da an­ti­ga ge­ra­ção com os jo­vens es­cri­to­res.

A con­fe­rên­cia di­vi­diu-se em três pai­néis, sen­do pre­lec­to­res do pri­mei­ro Luís Fer­nan­do, que fa­lou de “Van­guar­da li­te­rá­ria ver­sus Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al”, Jo­mo For­tu­na­to, “Mar­cas da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na nas com­po­si­ções mu­si­cais” e Cons­tan­ça Fer­rei­ra de Cei­ta, “Agos­ti­nho Ne­to e a Ge­ra­ção Li­te­rá­ria de 40”.

No se­gun­do, Má­rio Un­do­lo fa­lou de “Ter­mos li­te­rá­ri­os nos dis­cur­sos jor­na­lís­ti­cos” e Te­re­sa Silva, “Li­te­ra­tu­ra e in­clu­são so­ci­al”, en­quan­to do ter­cei­ro pai­nel, Luís Kand­jim­bo, “Ora­li­da­de e a tra­du­ção cul­tu­ral na li­te­ra­tu­ra an­go­la­na”, e Lo­pi­to Fei­jó, “Ten­dên­ci­as e di­na­mi­za­ção na no­va li­te­ra­tu­ra an­go­la­na”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.