Go­ver­na­dor do Cunene é se­pul­ta­do em Ona­me­va

Jornal de Angola - - PARTADA - ELAUTÉRIO SILIPULENI

Os res­tos mor­tais do go­ver­na­dor da pro­vín­cia do Cunene, António Di­da­lelwa, fa­le­ci­do a 30 de Agos­to úl­ti­mo, em Lu­an­da, ví­ti­ma de do­en­ça, fo­ram on­tem à tar­de a se­pul­tar ao la­do dos pais no ce­mi­té­rio da sua al­deia na­tal, Ona­me­va, a cer­ca de 15 qui­ló­me­tros de Ond­ji­va, em ce­ri­mó­nia que con­tou com a presença de cen­te­nas de pes­so­as, en­tre fa­mi­li­a­res, ami­gos e re­pre­sen­tan­tes dos ór­gãos de so­be­ra­nia.

O Pre­si­den­te da República, Jo­sé Edu­ar­do dos Santos, con­si­de­rou on­tem que a mor­te do go­ver­na­dor do Cunene, António Di­da­lelwa, cons­ti­tui uma per­da pro­fun­da­men­te sentida por to­dos que com ele con­vi­ve­ram nas mais di­ver­sas es­fe­ras da vida fa­mi­li­ar, so­ci­al, po­lí­ti­ca e go­ver­na­ti­va.

Nu­ma men­sa­gem di­ri­gi­da à fa­mí­lia e ao Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Cunene, o Pre­si­den­te da República re­co­nhe­ceu o es­for­ço do ma­lo­gra­do pa­ra a es­ta­bi­li­da­de e de­sen­vol­vi­men­to do país e de­fe­sa dos in­te­res­ses dos ci­da­dãos pa­ra que Angola se tor­nas­se um país prós­pe­ro e bom pa­ra se vi­ver

“Em vida o Dr. António Di­da­lelwa foi mui­to apre­ci­a­do pe­la sua qua­li­da­de hu­ma­na, sua en­tre­ga e de­di­ca­ção ao tra­ba­lho, in­te­gri­da­de e co­e­rên­cia po­lí­ti­ca. O seu fa­le­ci­men­to dei­xa um pro­fun­do va­zio no seio dos fa­mi­li­a­res, ami­gos e não só”, re­fe­re a men­sa­gem, li­da pe­lo ministro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, Bor­ni­to de Sou­sa.

Os res­tos mor­tais de António Di­da­lelwa, fa­le­ci­do no pas­sa­do dia 31 de Agos­to, em Lu­an­da, ví­ti­ma de do­en­ça, fo­ram on­tem a en­ter­rar no Ce­mi­té­rio de Ona­me­va, mu­ni­cí­pio do Cu­a­nha­ma, sua ter­ra na­tal. Além do ministro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, Bor­ni­to de Sou­sa, tes­te­mu­nha­ram tam­bém o fu­ne­ral, em re­pre­sen­ta­ção do Go­ver­no, os mi­nis­tros dos An­ti­gos Com­ba­ten­tes e Ve­te­ra­nos da Pá­tria, Cân­di­do Van-Dúnem, da As­sis­tên­cia e Rein­ser­ção So­ci­al, João Baptista Kus­su­mua, bem co­mo o se­cre­tá­rio-ge­ral do MPLA, Paulo Kas­so­ma, de­pu­ta­dos à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, re­pre­sen­tan­tes do cor­po di­plo­má­ti­co e a mi­nis­tra do De­sen­vol­vi­men­to Ru­ral e Pla­ne­a­men­to da Na­mí­bia, Sophia Sha­ningwa.

O fu­ne­ral foi ain­da pre­sen­ci­a­do por se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do, go­ver­na­do­res pro­vin­ci­ais, ma­gis­tra­dos ju­di­ci­ais e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, al­tas pa­ten­tes das For­ças Ar­ma­das e da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, pro­fes­so­res uni­ver­si­tá­ri­os, re­pre­sen­tan­tes de par­ti­dos po­lí­ti­cos, es­tu­dan­tes e fa­mi­li­a­res.

O ac­to foi an­te­ce­di­do de uma mis­sa de cor­po pre­sen­te no Bis­pa­do de Ond­ji­va, ce­le­bra­da pe­lo bis­po da di­o­ce­se, Dom Pio Hi­pu­nha­ti, que des­ta­cou as qua­li­da­des pes­so­ais do go­ver­na­dor António Di­da­lelwa e o tra­ba­lho por ele de­sen­vol­vi­do ao ser­vi­ço da Na­ção. “António Di­da­lelwa par­te dei­xan­do-nos mui­ta saudade e uma gran­de li­ção de vida”, disse o bis­po de Ond­ji­va que con­for­tou a fa­mí­lia, ami­gos, co­le­gas e de­mais pre­sen­tes com uma pas­sa­gem bí­bli­ca. “A mor­te é um re­gres­so a Deus, de quem to­do o ho­mem veio e ao qual to­do o ho­mem re­gres­sa.”

Oriun­do de uma fa­mí­lia on­de pon­ti­fi­ca­vam os va­lo­res e ide­ais de jus­ti­ça so­ci­al, ami­za­de, solidariedade e li­ber­da­de, António Di­da­lelwa foi um in­ves­ti­ga­dor e en­tre­gou­se ao ser­vi­ço pú­bli­co com pa­tri­o­tis­mo, re­li­gi­o­si­da­de e mo­ral.

An­tes do tér­mi­no da mis­sa fo­ram li­das men­sa­gens de vá­ri­as ins­ti­tui­ções, to­das elas des­ta­can­do os fei­tos que fi­ze­ram de António Di­da­lelwa um “ilus­tre ho­mem de Angola”. En­tre elas res­sal­tam-se as do Mi­nis­té­rio dos An­ti­gos Com­ba­ten­tes e Ve­te­ra­nos da Pá­tria, das Igre­jas Ca­tó­li­ca e Lu­te­ra­na.

En­tre cho­ros, cân­ti­cos e re­zas, qua­se nin­guém quis fi­car on­tem em ca­sa,em Ond­ji­va, to­dos pre­fe­ri­ram acom­pa­nhar os res­tos mor­tais do go­ver­na­dor António Di­da­lelwa até à última mo­ra­da. Ho­mens e mu­lhe­res, jo­vens e adul­tos vin­dos de dis­tin­tos mu­ni­cí­pi­os, co­mu­nas e al­dei­as des­lo­ca­ram-se ao Ce­mi­té­rio de Ona­me­va pa­ra as­sis­tir ao ac­to fú­ne­bre.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.