Ban­co Pos­tal na pou­pan­ça

Jornal de Angola - - PARTADA - RODRIGUES CAMBALA |

A Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Cor­rei­os e Te­lé­gra­fos de Angola anun­ci­ou a cons­ti­tui­ção do Ban­co Pos­tal, uma so­ci­e­da­de anó­ni­ma com vo­ca­ção pa­ra ac­tu­ar no do­mí­nio da cap­ta­ção de pou­pan­ça. A em­pre­sa re­ve­lou que o ca­pi­tal so­ci­al do Ban­co Pos­tal é com­pos­to por en­ti­da­des em­pre­sa­ri­ais na­ci­o­nais, pú­bli­cas e pri­va­das.

A car­tei­ra de cré­di­to da Mi­cro Ca­pi­tal, uma ins­ti­tui­ção an­go­la­na de mi­cro­cré­di­to, é de 400 mi­lhões de kwan­zas, 56 por cen­to dos quais con­sa­gra­dos a pro­jec­tos de em­pre­en­de­do­ris­mo, sou­be o de fon­te ofi­ci­al.

A di­rec­to­ra da Mi­cro Ca­pi­tal, Li­li­a­na Fer­rei­ra, disse em en­tre­vis­ta que os em­prés­ti­mos fo­ram con­ce­di­dos des­de 2014, quan­do o ser­vi­ço co­me­çou a ope­rar, e que o mal pa­ra­do cons­ti­tui ape­nas 1,2 por cen­to do to­tal. A com­pa­nhia tem 1.200 cli­en­tes.

“O tra­ba­lho de pro­xi­mi­da­de fa­ci­li­ta as coi­sas, por­que cri­a­mos la­ços com as fa­mí­li­as e to­dos pro­cu­ram re­sol­ver a ques­tão em ca­so de in­cum­pri­men­to. Quan­do os cli­en­tes têm qual­quer di­fi­cul­da­de de pa­gar uma pres­ta­ção, vêm in­for­mar aos nos­sos agen­tes”, afir­mou Li­li­a­na Fer­rei­ra pa­ra ex­pli­car a bai­xa car­tei­ra de mal pa­ra­do.

A di­rec­to­ra in­di­cou que, num mês, a Mi­cro Ca­pi­tal re­ce­be cem so­li­ci­ta­ções nas oi­to agên­ci­as que pos­sui em qua­tro pro­vín­ci­as, no­me­a­da­men­te em Lu­an­da, com 52 por cen­to da car­tei­ra de cré­di­to, Ca­bin­da com 23, Huí­la e Lo­bi­to com 8,00 e Ben­gue­la com 17.

Em Lu­an­da, a ins­ti­tui­ção tem agên­ci­as na Sam­ba, Ta­la­to­na, Zan­go, Ico­lo e Ben­go e no in­te­ri­or da fá­bri­ca da Cu­ca. A Mi­cro Ca­pi­tal, tal co­mo es­ti­pu­lam as re­gras do Ban­co Na­ci­o­nal de Angola (BNA), só em­pres­ta até ao va­lor de um mi­lhão de kwan­zas. “O nos­so cré­di­to tem so­men­te a ga­ran­tia pessoal, que é a li­vran­ça. O que pre­ten­de­mos é aju­dar a im­pul­si­o­nar a eco­no­mia an­go­la­na e ser par­cei­ros do Es­ta­do no pro­ces­so da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia e com­ba­te à po­bre­za”, disse.

Os prin­ci­pais be­ne­fi­ciá­ri­os do mi­cro­cré­di­to são pes­so­as com ren­di­men­tos bai­xos, co­mo as ven­de­do­ras de mer­ca­do que es­tão fo­ra do sis­te­ma ban­cá­rio, mas que são de­pois in­se­ri­dos com o apoio da Mi­cro Ca­pi­tal. An­tes da con­ces­são de cré­di­to, a ins­ti­tui­ção ava­lia o cliente e con­ce­de edu­ca­ção fi­nan­cei­ra pa­ra que o be­ne­fi­ciá­rio evi­te ter as con­tas pes­so­ais mis­tu­ra­das com as da ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al.

A ins­ti­tui­ção de­ter­mi­na a ta­xa de ju­ro com ba­se na ava­li­a­ção do pro­jec­to e os em­prés­ti­mos são re­em­bol­sa­dos num pe­río­do de um mês a um ano, afir­mou a di­rec­to­ra da Mi­cro Ca­pi­tal. Em Agos­to, a Mi­cro Ca­pi­tal anun­ci­ou que foi dis­tin­gui­da, em Fran­ça, com o pré­mio World Com­mit­ment na ca­te­go­ria de ou­ro pe­la Bu­si­ness Ini­ti­a­ti­ve Di­rec­ti­ons (BID). A en­tre­ga do pré­mio acon­te­ce na con­ven­ção in­ter­na­ci­o­nal da BID, em Pa­ris, nos di­as 15 e 16 de Ou­tu­bro des­te ano.

O pré­mio, de pe­ri­o­di­ci­da­de anu­al, é atri­buí­do a ins­ti­tui­ções que, sem con­cor­rer à dis­tin­ção, pas­sam por um pro­ces­so de vo­ta­ção ba­se­a­do na in­for­ma­ção re­co­lhi­da por lí­de­res de em­pre­sas, em­pre­sá­ri­os e es­pe­ci­a­lis­tas em qua­li­da­de que pro­cu­ram da­dos re­la­ti­vos ao mun­do dos ne­gó­ci­os atra­vés dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção, pu­bli­ca­ções, pu­bli­ci­da­de, ex­po­si­ções, em­pre­sas de con­sul­to­ria, uni­ver­si­da­des, câ­ma­ras de co­mér­cio, em­bai­xa­das e re­pre­sen­ta­ções co­mer­ci­ais.

A di­rec­to­ra da Mi­cro Ca­pi­tal de­cla­rou que a BID é con­si­de­ra­da a prin­ci­pal en­ti­da­de pri­va­da de­di­ca­da ao re­co­nhe­ci­men­to da qua­li­da­de, ino­va­ção e excelência.

A BID já pre­mi­ou, en­tre ou­tras em­pre­sas, o Ban­co de la Re­pu­bli­ca Ori­en­tal del Uru­guay (Uru­guai), TATA Elx­si (Ín­dia), Gold Fi­elds li­mi­ted (Áfri­ca do Sul), Kas­persky (Rús­sia), Co­o­pe­ra­ti­va La Cruz Azul (Mé­xi­co), Egyp­ti­an Me­dia Pro­duc­ti­on Cen­ter (Egip­to), Chi­na Ste­el Cor­po­ra­ti­on Taiwan (Chi­na), Re­gency En­ter­tain­ment (Gré­cia) Kind Fahd In­dus­tri­al Port Ju­bail (Ará­bia Sau­di­ta) e Com­pa­nhia Ur­ba­ni­za­do­ra da No­va Ca­pi­tal do Bra­sil.

A Mi­cro Ca­pi­tal é uma ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra não ban­cá­ria su­per­vi­si­o­na­da pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de Angola, que deu iní­cio à sua ac­ti­vi­da­de em Abril de 2014. Re­pre­sen­ta­da nas pro­vín­ci­as de Lu­an­da, Ca­bin­da, Huí­la e Ben­gue­la, a Mi­cro Ca­pi­tal pre­ten­de tor­nar-se a prin­ci­pal ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra de mi­cro­cré­di­to do País, es­ta­be­le­cen­do par­ce­ri­as com o Exe­cu­ti­vo na es­tra­té­gia de com­ba­te à po­bre­za, cri­a­ção de em­pre­go, ban­ca­ri­za­ção e de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­ta­do.

DOMBELE BERNARDO

Di­rec­to­ra da ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra disse que os prin­ci­pais be­ne­fi­ciá­ri­os do mi­cro­cré­di­to da em­pre­sa são pes­so­as com ren­di­men­tos bai­xos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.