Co­mo Dil­ma pa­gou a fac­tu­ra

Jornal de Angola - - PARTADA - JO­SÉ RIBEIRO |

Omun­do em que vi­ve­mos é uma cons­tru­ção so­ci­al. Te­mos o ti­po de so­ci­e­da­de que que­re­mos. A in­ter­ven­ção do ho­mem nas relações so­ci­ais e na na­tu­re­za atin­giu ní­veis nun­ca so­nha­dos. A criatividade, a ci­ên­cia e a ar­te de­sa­fi­am as te­o­ri­as do de­ter­mi­nis­mo e pro­du­zem na re­a­li­da­de dos nos­sos di­as o su­fi­ci­en­te pa­ra sa­tis­fa­zer as imen­sas ne­ces­si­da­des da Hu­ma­ni­da­de. Mas a mes­ma bri­lhan­te men­te hu­ma­na que cria so­lu­ções pa­ra os pro­ble­mas car­re­ga tam­bém a ce­guei­ra da es­tu­pi­dez quan­do se tra­ta de as apli­car.

Dois gran­des acon­te­ci­men­tos mar­cam a so­ci­e­da­de an­go­la­na ac­tu­al. O am­bi­en­te de paz e re­con­ci­li­a­ção e a re­cu­pe­ra­ção ace­le­ra­da que se vi­ve des­de 2002 abri­ram pers­pec­ti­vas pa­ra uma era de gran­de de­sen­vol­vi­men­to. Mas o país pas­sa ago­ra por uma fase de abran­da­men­to eco­nó­mi­co, que não é a pri­mei­ra nem se­rá a última. As ra­zões pa­ra o abran­da­men­to vêm das on­das de cho­que da gran­de cri­se de 2008 nos Es­ta­dos Uni­dos, do agra­va­men­to das dí­vi­das so­be­ra­nas na Eu­ro­pa em 2010 e da que­da brus­ca em 2014 do pre­ço das ma­té­ri­as-pri­mas, en­tre elas o pe­tró­leo. Na­da tem a ver, na sua es­sên­cia, com o rumo po­lí­ti­co adop­ta­do pe­lo po­der po­lí­ti­co, que tem sa­bi­do mi­ti­gar os efei­tos do cho­que ex­ter­no. Em tem­po cer­to o Exe­cu­ti­vo res­pon­deu com me­di­das de ajus­ta­men­to. Es­sas me­di­das se­rão, cer­ta­men­te, apro­fun­da­das, a par­tir de ago­ra, com as re­for­mas apro­pri­a­das pa­ra le­var o país a vol­tar ao ci­clo de cres­ci­men­to sem de­pen­der das amar­ras que pu­xa­ram pa­ra a pre­sen­te si­tu­a­ção. As­sim se faz a apren­di­za­gem e a su­pe­ra­ção na abor­da­gem eco­nó­mi­ca cor­ren­te. Um fe­nó­me­no idên­ti­co ocor­reu no Bra­sil. Quan­do em 2011 Dil­ma Rous­seff to­mou pos­se co­mo a pri­mei­ra mu­lher Pre­si­den­te do Bra­sil, os es­tra­gos da cri­se de Wall Stre­et fa­zi­am o seu ple­no. Já se sa­bia, nes­sa al­tu­ra, que a cri­se exi­gi­ria da “Pre­si­den­ta” mui­ta coragem pa­ra en­fren­tar a pre­vi­sí­vel su­bi­da da in­fla­ção, a des­va­lo­ri­za­ção do re­al e a ero­são dos fun­dos or­ça­men­tais. Se­ria di­fí­cil pa­ra ela con­ti­nu­ar a fi­nan­ci­ar os pro­gra­mas so­ci­ais des­ti­na­dos a er­ra­di­car a fo­me e a po­bre­za, a dar ha­bi­ta­ção con­dig­na e a com­ba­ter as de­si­gual­da­des lan­ça­dos por “Lu­la” da Silva. Qual­quer um que es­ti­ves­se no lu­gar de Dil­ma te­ria feito o que te­ve de ser feito. O res­to é re­tó­ri­ca de com­ba­te po­lí­ti­co. Daí o ta­ma­nho da in­jus­ti­ça que foi co­me­ti­da con­tra Dil­ma Rous­seff. Os po­lí­ti­cos bra­si­lei­ros no seu to­do dei­xa­ram co­bar­de­men­te uma mu­lher ar­der no fo­go da ig­no­mí­nia, fa­zen­do-a pa­gar por to­dos os de­fei­tos e ví­ci­os de que en­fer­ma o sis­te­ma bra­si­lei­ro e que, no des­cui­do, um se­na­dor an­ti-Dil­ma te­ve a la­ta de di­zer que se “ins­pi­ra” nos Es­ta­dos Uni­dos.

Ca­so idên­ti­co ao do Bra­sil acon­te­ceu com Jo­sé Só­cra­tes em Por­tu­gal, com a di­fe­ren­ça de ter si­do pri­mei­ro for­ça­do a ir a elei­ções e só de­pois o cas­ti­ga­rem com a hu­mi­lha­ção na jus­ti­ça.

A cri­se eco­nó­mi­ca mun­di­al es­ta­rá pa­ra du­rar en­quan­to ne­nhu­ma das mai­o­res eco­no­mi­as do pla­ne­ta der si­nal de cres­ci­men­to que ar­ras­te o con­jun­to do uni­ver­so pa­ra o op­ti­mis­mo e o re­gres­so à sus­ten­ta­bi­li­da­de. Só um for­te cres­ci­men­to eco­nó­mi­co da Chi­na, Ín­dia, Rús­sia, Bra­sil, Eu­ro­pa e EUA e um tec­to na pro­du­ção da OPEP fa­rão es­ta­bi­li­zar o pre­ço do pe­tró­leo. Co­mo as pre­vi­sões apon­tam pa­ra o con­trá­rio, res­ta ape­nas apos­tar na pro­du­ção in­ter­na. A in­dús­tria na­ci­o­nal tem de evo­luir pa­ra sa­tis­fa­zer o con­su­mo in­ter­no. O abran­da­men­to eco­nó­mi­co re­ve­la uma eco­no­mia de­ma­si­a­do amar­ra­da à ex­por­ta­ção pe­tro­lí­fe­ra e à im­por­ta­ção de pro­du­tos aca­ba­dos. Es­te é o de­sa­fio que te­mos pe­la fren­te. Há con­di­ções pa­ra cor­ri­gir es­ta dis­tor­ção se se le­var adi­an­te a ta­re­fa de di­ver­si­fi­ca­ção com a in­ten­si­da­de que o atra­so exi­ge. Dei­xar ex­pan­dir des­re­gu­la­da­men­te a eco­no­mia in­for­mal, com a des­cul­pa de que é al­go pró­prio de Áfri­ca, ge­ra a pro­mis­cui­da­de que o gi­gan­te bra­si­lei­ro tem ho­je.

O es­for­ço já co­me­ça a dar re­sul­ta­dos. A pro­va de que a apos­ta na pro­du­ção na­ci­o­nal, pi­lar da di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca, já es­ta­va em cur­so des­de há al­guns anos, foi re­for­ça­da nos úl­ti­mos di­as com a no­tí­cia pro­ve­ni­en­te da Ad­mi­nis­tra­ção Tri­bu­tá­ria de que as re­cei­tas fis­cais do sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro da eco­no­mia vão re­gis­tar es­te ano um aumento de 25 por cen­to re­la­ti­va­men­te ao de­sem­pe­nho do ano pas­sa­do. Não se­ria pos­sí­vel ob­ter es­tes re­sul­ta­dos se a eco­no­mia não pe­tro­lí­fe­ra não es­ti­ves­se a cres­cer já an­tes do abran­da­men­to. Angola tem, de fac­to, uma im­por­tan­te eco­no­mia a fun­ci­o­nar sem es­tar de­pen­den­te ou con­di­ci­o­na­da ao sec­tor pe­tro­lí­fe­ro.

O fu­tu­ro es­tá nas mãos dos ho­mens. O su­ces­so ou in­su­ces­so da di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca, com me­nor ou mai­or in­clu­são dos ci­da­dãos, com mais ou me­nos de­sem­pre­go, vai for­ma­tar o ti­po de so­ci­e­da­de an­go­la­na. Por cau­sa da enor­me aber­tu­ra de es­pí­ri­to e dis­po­ni­bi­li­da­de dos seus ci­da­dãos, é pos­sí­vel em Angola evi­tar os pe­ca­dos do Bra­sil, ho­je co­man­da­do por uma eli­te po­lí­ti­ca a con­tas com a jus­ti­ça, e cri­ar uma so­ci­e­da­de mais igual e jus­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.