Es­cri­to­ra Cre­mil­da de Li­ma lan­ça li­vro so­bre in­de­pen­dên­cia

Li­vro in­fan­to-ju­ve­nil des­ta­ca an­si­e­da­de dos an­go­la­nos so­bre a li­ber­da­de

Jornal de Angola - - PARTADA - MÁ­RIO COHEN |

“Tetembwa ya Dipanda”, ex­pres­são quim­bun­do que em por­tu­guês sig­ni­fi­ca “Es­tre­la da In­de­pen­dên­cia”, é o tí­tu­lo do tri­gé­si­mo li­vro in­fan­to-ju­ve­nil de Cre­mil­da de Li­ma a ser lan­ça­do no pró­xi­mo dia 9, às 9h00, na se­de da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos (UEA), em Lu­an­da.

A es­cri­to­ra disse, on­tem, ao Jor­nal de Angola, que ago­ra es­tá a tra­ba­lhar na con­clu­são de no­vos li­vros in­fan­to-ju­ve­nis, que pre­ten­de pu­bli­car nos pró­xi­mos tem­pos em lín­gua na­ci­o­nal quim­bun­do, vi­san­do in­cen­ti­var as cri­an­ças a da­rem mai­or im­por­tân­cia aos idi­o­mas lo­cais.

O li­vro, cu­jo lan­ça­men­to es­ta­va ini­ci­al­men­te agen­da­do pa­ra o ano pas­sa­do, no âm­bi­to das co­me­mo­ra­ções dos fes­te­jos dos 40 anos da In­de­pen­dên­cia de Angola, só ago­ra che­ga às ban­cas, com a chan­ce­la da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos (UEA). É ilus­tra­do por Vic­to­ri­no Ki­a­la.

No li­vro, Cre­mil­da de Li­ma des­cre­ve que “Tetembwa ya Dipanda” re­la­ta o ima­gi­ná­rio dos an­go­la­nos co­mo a an­si­e­da­de de ver o país li­vre dos co­lo­ni­a­lis­tas, pois a “Es­tre­la da In­de­pen­dên­cia”, que vi­via no es­pí­ri­to dos an­go­la­nos, des­de os tem­pos mais re­mo­tos, cres­cia, ilu­mi­na­va, bri­lhan­do e es­pa­lhan­do a sua luz.

“A Pra­ça da In­de­pen­dên­cia, en­ga­la­na­da, era um es­pa­ço gran­de cheio de cor e luz, ha­via uma co­re­o­gra­fia de gen­te, uma es­tre­la em ca­da co­ra­ção ... As pes­so­as iam-se mo­vi­men­tan­do to­das an­si­o­sas pe­la mu­dan­ça. Era um mo­men­to his­tó­ri­co. O co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês, após qui­nhen­tos anos de do­mi­na­ção, ia fi­nal­men­te ser der­ru­ba­do. Mo­men­tos de ver­da­de, ma­gia e so­nho...”, es­cre­ve a au­to­ra.

O li­vro tem um pen­dor edu­ca­ti­vo e pe­da­gó­gi­co de for­ma fá­cil e abor­da as­pec­tos que mar­ca­ram o nos­so país des­de os pri­mei­ros di­as da pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia de Angola, com uma lin­gua­gem mui­to com­pre­en­sí­vel que es­pe­lha as­pec­tos li­ga­dos à nos­sa cul­tu­ra, as­sim co­mo as co­me­mo­ra­ções que há pou­co tem­po se re­a­li­za­ram, alu­si­vas ao qua­dra­gé­si­mo ani­ver­sá­rio da In­de­pen­dên­cia, as­si­na­la­do a 11 de No­vem­bro do ano pas­sa­do em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

Ho­me­na­gem aos he­róis

Pa­ra a es­cri­to­ra, hon­rar os he­róis é um sím­bo­lo pa­tri­o­ta, des­ta­can­do vá­ri­os co­man­dan­tes da lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal, com re­al­ce pa­ra a ac­ti­vi­da­de de­sem­pe­nha­da pe­la rainha Njin­ga Mban­de, o mai­or sím­bo­lo da re­sis­tên­cia, que con­se­guiu ali­ar os po­vos das vá­ri­as re­giões du­ran­te lon­gos anos.

A es­cri­to­ra ren­de ain­da ho­me­na­gem a Ekui­kui II, que rei­nou no Bai­lun­do, no pla­nal­to cen­tral, a Mu­tu-ya-Ke­ve­la, a Man­du­me, o rei dos ku­anya­mas, que ven­ceu os por­tu­gue­ses em vá­ri­as ba­ta­lhas, as­sim co­mo a Agos­ti­nho Ne­to, pe­los en­si­na­men­tos cons­tan­tes na sua obra “Sa­gra­da Es­pe­ran­ça”, que ain­da es­tá na men­te e no co­ra­ção dos an­go­la­nos. A au­to­ra pres­ta tam­bém ho­me­na­gem ao can­tor e com­po­si­tor Mi­rol, au­tor do te­ma

“A in­de­pen­dên­cia es­tá che­gan­do”, com a trans­cri­ção de al­gu­mas es­tro­fes da mú­si­ca: “A in­de­pen­dên­cia es­tá che­gan­do/ o dia já res­plan­de­cer/ nes­se dia não vou mais cho­rar/ por­que in­de­pen­den­te já se­rei/so­mos in­de­pen­den­tes/o país es­tá uni­do/a paz é uma re­a­li­da­de/e os pro­gres­sos são cons­tan­tes”.

Ma­ria Cre­mil­da Mar­tins Fer­nan­des Alves de Li­ma nas­ceu em Lu­an­da, a 25 de Mar­ço de 1940. Tem o cur­so de Ma­gis­té­rio Pri­má­rio, as­sim co­mo for­ma­ção su­pe­ri­or em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção, op­ção Pe­da­go­gia, e grau de li­cen­ci­a­tu­ra pe­la Es­co­la Su­pe­ri­or de Edu­ca­ção de Lei­ria. Ac­tu­al­men­te, é pro­fes­so­ra do en­si­no de ba­se do I ci­clo. Foi no­me­a­da pa­ra o Pré­mio In­ter­na­ci­o­nal de Li­te­ra­tu­ra in­fan­to-ju­ve­nil As­trid Lind­grem.

Co­me­çou a tra­ba­lhar em 1964 e con­ti­nua a en­si­nar e a man­ter a mes­ma determinação e em­pe­nho, co­mo ama a pro­fis­são à qual se de­di­ca de cor­po e al­ma. É mem­bro da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos e da As­so­ci­a­ção cul­tu­ral Chá de Ca­xin­de.

Tem tra­ba­lhos pu­bli­ca­dos pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal das In­dús­tri­as Culturais (INIC), UEA, edi­to­ra Nzi­la e Solidariedade Lwi­ni, as­sim co­mo li­vros na Tex­to Edi­to­res pa­ra se­rem pu­bli­ca­dos.

Tem no mer­ca­do vá­ri­as obras, des­ta­can­do-se “O ba­lão ver­me­lho”, “Mus­su­lo uma ilha en­can­ta­da”, “A ki­an­da e o bar­qui­nho de Fu­xi”, “O ma­bo­que má­gi­co e ou­tras es­tó­ri­as”, “A mú­cua que ba­loi­ça­va ao ven­to”, “O tam­ba­ri­no dou­ra­do” e “Os kan­den­gues des­fi­lam no Car­na­val”.

PAU­LI­NO DAMIÃO

Obra que che­ga ao mer­ca­do com a chan­ce­la da União dos Es­cri­to­res abor­da as­pec­tos que mar­ca­ram a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.