Mi­lha­res de fa­mí­li­as en­vol­vi­das no fo­men­to da pro­du­ção agrí­co­la

Vá­ri­as fa­mí­li­as es­tão in­te­gra­das no pro­jec­to que vi­sa a di­mi­nui­ção das im­por­ta­ções

Jornal de Angola - - PARTADA - ARÃO MAR­TINS

Mais de 700 pes­so­as, das oi­to mil pre­vis­tas, es­tão in­te­gra­das na fase ini­ci­al do pro­gra­ma de pro­du­ção de ali­men­tos em gran­de es­ca­la, com a im­ple­men­ta­ção do pro­jec­to “Agro-in­dus­tri­al Ezo­park Ho­ri­zon­te 2020”, em cur­so na lo­ca­li­da­de de Ca­lu­e­que, mu­ni­cí­pio de Om­band­ja, na pro­vín­cia do Cunene.

O so­ba gran­de de Ca­lu­e­que, João Cam­bu­ta, disse, on­tem, ao Jor­nal de Angola, que o pro­jec­to es­tá a melhorar a qua­li­da­de de vida das fa­mí­li­as. Re­co­nhe­ceu que o mes­mo é uma opor­tu­ni­da­de pa­ra os jo­vens lo­cais e de ou­tras re­giões te­rem em­pre­go e ga­nha­rem di­nhei­ro pa­ra o sus­ten­to das su­as fa­mí­li­as.

“O pro­jec­to vai con­tri­buir po­si­ti­va­men­te pa­ra a di­mi­nui­ção da de­linquên­cia, so­bre­tu­do rou­bo de ga­do”, disse o so­ba, acres­cen­tan­do que a po­pu­la­ção vai dei­xar de ser obri­ga­da a des­lo­car-se à República da Na­mí­bia pa­ra tra­ba­lhar nas fa­zen­das lo­ca­li­za­das ao lon­go do pe­rí­me­tro da fronteira com Angola, pa­ra ob­ter ali­men­tos.

O pro­jec­to Agro-in­dus­tri­al “Ezo­park Ho­ri­zon­te 2020” é um in­ves­ti­men­to pri­va­do e co­me­çou a ser im­ple­men­ta­do em 2012. Sil­ves­tre Tu­lum­ba, pre­si­den­te da so­ci­e­da­de res­pon­sá­vel pe­la im­ple­men­ta­ção do pro­jec­to, ex­pli­cou que o mes­mo es­tá a ser im­ple­men­ta­do nu­ma área de 85 mil hec­ta­res e os re­sul­ta­dos são po­si­ti­vos.

Disse que o pro­jec­to dá pri­ma­zia à va­lo­ri­za­ção da mão-de-obra na­ci­o­nal, ao fo­men­to da pro­du­ção agrí­co­la e pecuária, bem co­mo à cri­a­ção de ser­vi­ços so­ci­ais bá­si­cos pa­ra a po­pu­la­ção. Es­cla­re­ceu que, além da pro­du­ção e trans­for­ma­ção de ali­men­tos, o pro­jec­to con­tem­pla a cons­tru­ção de es­co­las, hos­pi­tais, aber­tu­ra de vi­as de aces­so e a ge­ra­ção de em­pre­gos di­rec­tos e in­di­rec­tos.

“A ac­ção tem co­mo prin­ci­pal ob­jec­ti­vo a cri­a­ção de ali­men­tos em gran­de es­ca­la, pa­ra pro­mo­ver o be­mes­tar da po­pu­la­ção”, disse Sil­ves­tre Tu­lum­ba, acres­cen­tan­do que, com o apro­xi­mar da épo­ca chu­vo­sa, es­tão cri­a­das as con­di­ções pa­ra o lan­ça­men­to das se­men­tes à ter­ra, o que acon­te­ce nos pró­xi­mos di­as.

“Já des­bra­vá­mos a ter­ra, abri­mos as vi­as de aces­so e cri­a­ram-se vá­ri­os pon­tos de re­ten­ção de água e bar­ra­gens, bem co­mo sis­te­mas pa­ra ir­ri­gar a zo­na cul­ti­vá­vel. O pro­jec­to agro-pe­cuá­rio vai ser ali­men­ta­do es­sen­ci­al­men­te pe­la água oriun­da da bar­ra­gem de Ca­lu­e­que.”

Nú­me­ros ani­ma­do­res

Sil­ves­tre Tu­lum­ba acres­cen­tou que o nú­me­ro de em­pre­gos po­de au­men­tar, nos pró­xi­mos tem­pos, quan­do co­me­çar a fase de pro­du­ção de ce­re­ais, ci­tri­nos, hor­tí­co­las, tu­bér­cu­los e as fá­bri­cas de ra­ção ani­mal e de trans­for­ma­ção de car­ne co­me­ça­rem a fun­ci­o­nar.

Es­cla­re­ceu que, nas uni­da­des agro-in­dus­tri­ais, vão ser ins­ta­la­das fá­bri­cas de ra­ção, com ca­pa­ci­da­de de pro­du­zir 400 mil to­ne­la­das por ano, mo­a­gens pa­ra 250 mil to­ne­la­das de fa­ri­nha e fa­re­lo, uni­da­de de avi­cul­tu­ra, que vai pro­du­zir 60 mi­lhões de fran­gos, 500 mi­lu­ni­da­des de ga­li­nha ri­ja e 45 mi­lhões de ovos, en­quan­to a uni­da­de de bo­vi­ni­cul­tu­ra vai pro­du­zir 80 mi­lhões de li­tros de lei­te.

Se­gun­do Sil­ves­tre Tu­lum­ba, no com­ple­xo de sui­ni­cul­tu­ra, são co­lo­ca­dos à dis­po­si­ção 47.000 suí­nos pa­ra aba­te e 2.000 por­cas re­pro­du­to­ras, en­quan­to, na ou­tra fase, o pro­jec­to con­tem­pla a ins­ta­la­ção de uma uni­da­de de pro­du­ção e trans­for­ma­ção de açú­car. “Va­mos ter ain­da a pro­du­ção de hor­tí­co­las em 500 hec­ta­res, com pro­du­ções anu­ais es­ti­ma­das em mais de 15.000 to­ne­la­das de ba­ta­ta, 7.500 de ce­nou­ra e 5.000 de ce­bo­la.”

Na pri­mei­ra fase des­te pro­jec­to, acres­cen­tou o pre­si­den­te da so­ci­e­da­de res­pon­sá­vel pe­la sua im­ple­men­ta­ção, a uni­da­de de mo­a­gem co­me­ça­rá a pro­du­zir fa­ri­nha e fa­re­lo já no se­gun­do se­mes­tre de 2017.

No iní­cio de 2018, te­re­mos a fá­bri­ca de ra­ções a fun­ci­o­nar em ple­no, pos­si­bi­li­tan­do que to­das as áre­as da agro-pecuária pos­sam es­tar em pro­du­ção to­tal, já no se­gun­do se­mes­tre do mes­mo ano”, adi­an­tou, acres­cen­tan­do que se pre­ten­de que a in­dús­tria agro es­te­ja a pro­du­zir de for­ma in­te­gra­da no se­gun­do se­mes­tre de 2018.

O vi­ce-go­ver­na­dor do Cunene pa­ra o sec­tor Eco­nó­mi­co, Cris­ti­no Má­rio, ex­pli­cou que o Go­ver­no tem de­sen­vol­vi­do pro­gra­mas que têm por ob­jec­ti­vo apro­vei­tar as ter­ras ará­veis, próximas das fon­tes de água do rio Cunene, e que a im­ple­men­ta­ção do pro­jec­to “Agro-in­dus­tri­al Eso­park Ho­ri­zon­te 2020” é um con­tri­bu­to va­li­o­so na ac­ção, que tem tam­bém por ob­jec­ti­vo o com­ba­te à fo­me e à po­bre­za e a di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca.

Ex­por­ta­ção à vis­ta

Cris­ti­no Má­rio afir­mou que o Cunene é uma das pro­vín­ci­as que mais so­fre com a se­ca dos úl­ti­mos anos, o que tem pro­vo­ca­do fal­ta de ali­men­tos. Cris­ti­no Má­rio re­fe­riu que é pre­o­cu­pa­ção do Exe­cu­ti­vo au­men­tar a pro­du­ção de ali­men­tos, pa­ra di­mi­nuir as im­por­ta­ções e o pro­jec­to vai de en­con­tro às pre­o­cu­pa­ções do Exe­cu­ti­vo.

O pro­jec­to, re­a­fir­mou, “vai pro­du­zir tam­bém car­nes di­ver­sas e tu­do is­to que es­tá a ser feito vai ele­var a ou­tro ní­vel o de­sen­vol­vi­men­to da pro­vín­cia e tor­ná-la sus­ten­tá­vel, bem co­mo ga­ran­tir a pro­du­ção mes­mo sem chu­va.”

O vi­ce-go­ver­na­dor do Cunene as­se­gu­rou que a ac­ti­vi­da­de agro-in­dus­tri­al da pro­vín­cia é sa­tis­fa­tó­ria. Ci­tou, co­mo exem­plo, o pro­jec­to “Man­que­te”, com re­sul­ta­dos sa­tis­fa­tó­ri­os na pro­du­ção de ar­roz. “Te­mos uma pro­vín­cia a des­bra­var. Ao con­ti­nu­ar­mos com os in­ves­ti­men­tos, em pou­co tem­po, a pro­vín­cia vai tor­nar-se sus­ten­tá­vel e tam­bém vai po­der ex­por­tar ali­men­tos”.

ARÃO MAR­TINS | CA­LU­E­QUE

Pro­jec­to agro-pe­cuá­rio que es­tá na fase de des­bra­va­men­to de ter­ras é ali­men­ta­do no es­sen­ci­al pe­la água oriun­da da bar­ra­gem de Ca­lu­e­que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.