CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - COS­TA LAURINDA SE­BAS­TIÃO NA­TA­NI­EL SO­A­RES

Tu­ris­mo re­li­gi­o­so

Não sou ca­tó­li­co pra­ti­ca­men­te, mas acom­pa­nho com aten­ção as ce­le­bra­ções cris­tãs, to­das as ma­ni­fes­ta­ções re­li­gi­o­sas. Mi­lha­res de fiéis ca­tó­li­cos de vá­ri­as pa­ró­qui­as da ca­pi­tal co­me­ça­ram a afluir pa­ra os la­dos do rio Kwan­za, na pe­re­gri­na­ção anu­al ao San­tuá­rio da Mu­xi­ma, o mai­or es­pa­ço de de­vo­ção ma­ri­a­na em Áfri­ca. Pa­ra lá da com­po­nen­te re­li­gi­o­sa, não há dú­vi­das de que o tu­ris­mo com ou­tros in­gre­di­en­tes tem igual­men­te o seu pe­so nu­ma al­tu­ra em que nu­me­ro­sos fiéis fo­ram de­sen­vol­ver um con­jun­to de ac­ções, no­me­a­da­men­te a vi­gí­lia, re­za do ter­ço, ca­te­que­se, con­fis­sões e via-sa­cra, cul­mi­nan­do com a gran­de ce­le­bra­ção da san­ta mis­sa no úl­ti­mo dia da fes­ta.

Foi bom sa­ber que a ad­mi­nis­tra­ção da Qui­ça­ma ga­ran­tiu apoio aos fiéis, ten­do cri­a­do se­te cam­pos de aco­lhi­men­to com cin­co hec­ta­res, pa­ra um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de fiéis. Is­to é mui­to bom na me­di­da em que as au­to­ri­da­des lo­cais sem­pre de­sem­pe­nha­ram um pa­pel re­le­van­te e as­so­ci­a­ram-se sem­pre às ma­ni­fes­ta­ções cris­tãs, par­ti­cu­lar­men­te ca­tó­li­cas nes­te ca­so.

Além dis­so, fo­ram ins­ta­la­dos re­ser­va­tó­ri­os de água pa­ra con­su­mo e hi­gi­e­ne. Pe­la vi­la, fo­ram es­pa­lha­dos pos­tos de as­sis­tên­cia de pri­mei­ros so­cor­ros e de sal­va­men­to. O por­ta-voz pe­la ad­mi­nis­tra­ção, Luís Do­min­gos, dis­se que tu­do es­tá as­se­gu­ra­do pa­ra o even­to, que, além do ca­rác­ter re­li­gi­o­so tem tam­bém um pen­dor tu­rís­ti­co mui­to gran­de. “As equi­pas de tra­ba­lho es­tão no ter­re­no e as vi­as de aces­so fo­ram re­cu­pe­ra­das”, ga­ran­tiu. Um apa­ra­to po­li­ci­al foi mon­ta­do na vi­la, pa­ra a fis­ca­li­za­ção da via que dá aces­so à Qui­ça­ma.Es­pe­ro que as fes­tas na­que­la lo­ca­li­da­de te­nham a ade­são e o em­pe­nho de to­dos pa­ra que as fa­mí­li­as, as pes­so­as co­lec­ti­vas e sin­gu­la­res en­con­trem a paz de es­pí­ri­to e a re­so­lu­ção dos seus prin­ci­pais pro­ble­mas es­pi­ri­tu­ais e ma­te­ri­ais.

Re­du­ção dos im­pos­tos

Há di­as, um eco­no­mis­ta co­nhe­ci­do da pra­ça na­ci­o­nal de­fen­deu a re­du­ção do im­pos­to in­dus­tri­al na agri­cul­tu­ra, mi­nas, pes­ca e pe­cuá­ria, uma po­si­ção que de­ve me­re­cer to­da a pon­de­ra­ção por par­te dos de­ci­so­res pú­bli­cos. Em­bo­ra lei­go em ci­ên­ci­as eco­nó­mi­cas, jul­go que é ele­men­tar sa­ber que as áre­as que for­ne­cem ma­té­ri­as-pri­mas aos sec­to­res trans­for­ma­do­res de­vi­am co­nhe­cer al­gum ti­po de isen­ção fis­cal ou re­du­ções sig­ni­fi­ca­ti­vas.

Não faz sen­ti­do que os agri­cul­to­res, os pes­ca­do­res e os cri­a­do­res te­nham um pe­so fis­cal enor­me, por­que, em úl­ti­ma ins­tân­cia, os cus­tos aca­bam por se re­flec­tir no pro­du­to trans­for­ma­do quan­do che­ga às mãos dos con­su­mi­do­res. Co­mo for­ma de fo­men­tar­mos a pro­du­ção na­que­les sec­to­res pri­má­ri­os da eco­no­mia, de­sen­co­ra­jar o in­flu­en­ci­ar nos cus­tos do pro­du­to fi­nal, en­tre ou­tras ini­ci­a­ti­vas é fun­da­men­tal que apos­te­mos na re­du­ção de im­pos­tos. Mes­mo que pa­ra o efei­to te­nha­mos de alar­gar a ba­se tri­bu­tá­ria, pa­ra com­pro­me­ter a ten­dên­cia da su­bi­da das re­cei­tas fis­cais não pe­tro­lí­fe­ras. Pen­so que as au­to­ri­da­des de­vem pon­de­rar a po­si­ção de­fen­di­da pe­lo eco­no­mis­ta, en­tre­vis­ta­do por um dos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção do país. Afi­nal, o país pre­ci­sa de pro­du­zir mais pa­ra dis­tri­buir me­lhor, co­mo diz a di­vi­sa do par­ti­do no po­der.

Li­ção a apren­der

Gos­tei da in­ter­ven­ção do an­ti­go lí­der do par­ti­do por­tu­guês, CDS-PP, Pau­lo Por­tas, no jan­tar con­fe­rên­cia so­bre “De­sa­fi­os de Por­tu­gal no pre­sen­te con­tex­to in­ter­na­ci­o­nal”, on­de co­me­çou por as­se­gu­rar que as opi­niões que ia ex­pres­sar se­ri­am “ape­nas e só so­bre po­lí­ti­ca ex­ter­na.”

Re­fe­rin­do-se que há mais de 100 mil por­tu­gue­ses ins­ta­la­dos e bem in­te­gra­dos sob to­dos os pon­tos de vis­ta, aque­le po­lí­ti­co de­fen­de que os por­tu­gue­ses de­vem in­te­res­sar-se mais em de­fen­der os in­te­res­ses do seu país e me­nos em imis­cuir-se nos as­sun­tos in­ter­nos de An­go­la.

Em­bo­ra te­nha­mos re­la­ções ex­ce­len­tes, não fi­ca bem os an­go­la­nos ou­vi­rem per­ma­nen­te­men­te par­te de al­guns sec­to­res e pes­so­as sin­gu­la­res lu­sas a da­rem a im­pres­são de que têm a mis­são ci­vi­li­za­do­ra jun­to dos po­vos de An­go­la.

Des­de No­vem­bro de 1975, os an­go­la­nos pro­cu­ram e com su­ces­so ca­mi­nhar com os seus pró­pri­os pés, ce­den­do sem­pre es­pa­ço pa­ra a tro­ca de ex­pe­ri­ên­cia, es­trei­ta­men­to das re­la­ções en­tre os Es­ta­dos e po­vos com ba­se no res­pei­to mú­tuo.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.