A as­cen­são da di­rei­ta po­pu­lis­ta ale­mã

Jornal de Angola - - OPINIÃO - NOELIA LÓPEZ |

As elei­ções re­gi­o­nais no Es­ta­do de Mec­klem­bur­go-Po­me­râ­nia Oci­den­tal, no nor­des­te da Ale­ma­nha, ter­mi­na­ram do­min­go com um re­sul­ta­do iné­di­to na re­cen­te his­tó­ria de­mo­crá­ti­ca do país, de­pois de a União De­mo­cra­ta-Cris­tã (CDU) de An­ge­la Mer­kel per­der a he­ge­mo­nia da di­rei­ta fren­te aos po­pu­lis­tas da Al­ter­na­ti­va pa­ra a Ale­ma­nha (AfD).

A der­ro­ta de Mer­kel ocor­reu pre­ci­sa­men­te no Es­ta­do fe­de­ra­do em que a chan­ce­ler tem o seu dis­tri­to elei­to­ral nas elei­ções ge­rais, que de­vem re­a­li­zar-se da­qui a um ano, e no ani­ver­sá­rio do dia em que ela de­ci­diu abrir as fron­tei­ras do país di­an­te do dra­ma da cri­se dos re­fu­gi­a­dos.

Ape­sar de per­der cin­co pon­tos, o Par­ti­do So­ci­al-De­mo­cra­ta (SPD) man­te­ve-se co­mo a for­ça mais vo­ta­da, com 30,6 por cen­to, se­gun­do os re­sul­ta­dos pro­vi­só­ri­os com o apu­ra­men­to con­cluí­do em 99 por cen­to dos dis­tri­tos elei­to­rais.

A AfD, na sua pri­mei­ra in­cur­são no plei­to re­gi­o­nal nes­se Es­ta­do, fi­cou com a se­gun­da po­si­ção, com 20,8 por cen­to dos vo­tos, apoi­a­da num dis­cur­so na­ci­o­na­lis­ta e, em al­gu­mas oca­siões, com con­tor­nos xe­nó­fo­bos, con­trá­rio à che­ga­da dos re­fu­gi­a­dos.

Já a CDU, que con­ti­nua a li­de­rar as son­da­gens com fol­ga a ní­vel na­ci­o­nal e que go­ver­nou co­mo par­cei­ro me­nor dos so­ci­al-de­mo­cra­tas du­ran­te os úl­ti­mos dez anos em Mec­klem­bur­go-Po­me­râ­nia Oci­den­tal, caiu pa­ra o ter­cei­ro lu­gar, com 19 por cen­to dos vo­tos.

Com Mer­kel na ci­mei­ra do G20 na Chi­na, a mi­lha­res de qui­ló­me­tros de dis­tân­cia do ter­ra­mo­to po­lí­ti­co que se vi­via em Ber­lim, o se­cre­tá­rio-ge­ral do par­ti­do, Pe­ter Tau­ber, com­pa­re­ceu di­an­te dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pa­ra re­co­nhe­cer os “amar­gos” re­sul­ta­dos e ten­tar de­fen­der a po­lí­ti­ca dos re­fu­gi­a­dos do go­ver­no fe­de­ral. “Se­rá ne­ces­sá­rio tem­po pa­ra re­cu­pe­rar a con­fi­an­ça per­di­da”, ad­mi­tiu Tau­ber, que aler­tou que a AfD re­pre­sen­ta um de­sa­fio pa­ra “to­dos os par­ti­dos de­mo­crá­ti­cos” do país e acu­sou os po­pu­lis­tas de brin­ca­rem com “os me­dos” e as pre­o­cu­pa­ções dos ale­mães e de ten­ta­rem tor­nar “apre­sen­tá­vel” um dis­cur­so de ex­tre­ma di­rei­ta.

Ao sur­gir co­mo se­gun­da for­ça no Es­ta­do, a AfD con­quis­tou ao ul­tra­di­rei­tis­ta Par­ti­do Na­ci­o­nal De­mo­crá­ti­co (NPD), que é al­vo de um pro­ces­so no Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal, os úni­cos lu­ga­res que ti­nha até ago­ra num par­la­men­to re­gi­o­nal.

A Es­quer­da tam­bém per­deu for­ça e ob­te­ve 13,2 por cen­to dos vo­tos, en­quan­to Os Ver­des fi­ca­ram fo­ra da Câ­ma­ra, com 4,8 por cen­to.

Ape­sar do gol­pe, os so­ci­al-de­mo­cra­tas, li­de­ra­dos em Mec­kelm­bur­go-Po­me­râ­nia Oci­den­tal por Erwin Sel­le­ring, mos­tra­ram­se ali­vi­a­dos com os re­sul­ta­dos que per­mi­ti­rão, em prin­cí­pio, re­e­di­tar a sua co­li­ga­ção com os de­mo­cra­ta-cris­tãos.

Fren­te aos par­ti­dos tra­di­ci­o­nais, a eu­fo­ria ins­ta­lou-se na AfD, cu­ja lí­der, Frau­ke Pe­try, elo­gi­ou a for­ça de um par­ti­do que, se­gun­do ela, foi ca­paz de ou­vir os ci­da­dãos “de­cep­ci­o­na­dos” com a po­lí­ti­ca das gran­des for­ma­ções po­lí­ti­cas tra­di­ci­o­nais do país.

Fa­ce aos que acu­sam o par­ti­do de uti­li­zar as pre­o­cu­pa­ções des­ses ci­da­dãos pa­ra o seu avan­ço elei­to­ral, Pe­try de­fen­deu uma for­ma­ção po­lí­ti­ca que ofe­re­ça res­pos­tas “aos gran­des pro­ble­mas”ac­tu­ais, dos re­fu­gi­a­dos à cri­se eu­ro­peia, e pa­ra os quais Mer­kel não ofe­re­ce ne­nhu­ma so­lu­ção.

A AfD nas­ceu em 2013 co­mo uma for­ça eu­ro­cép­ti­ca di­an­te das aju­das fi­nan­cei­ras à Gré­cia e fi­cou fo­ra do Bun­des­tag (Câ­ma­ra Bai­xa) nas elei­ções ge­rais re­a­li­za­das nes­se ano por uma es­trei­ta mar­gem.A cri­se dos re­fu­gi­a­dos pro­mo­veu as ex­pec­ta­ti­vas elei­to­rais do par­ti­do, que po­de che­gar a 11 por cen­to dos vo­tos nas pró­xi­mas elei­ções ge­rais, que se re­a­li­zam em Se­tem­bro do ano que vem, e que em Mar­ço já ti­nha ob­ti­do im­por­tan­tes re­sul­ta­dos em três plei­tos re­gi­o­nais.

Na Sa­xó­nia-Anhalt, tam­bém no Les­te do país, a AfD ob­te­ve 24,2 por cen­to dos vo­tos e trans­for­mou-se na se­gun­da for­ça nes­te Es­ta­do, atrás da CDU de Mer­kel, en­quan­to em Ba­den-Würt­tem­berg con­se­guiu 15,1 por cen­to e 12,6 por cen­to na Re­nâ­nia-Pa­la­ti­na­do.

O pró­xi­mo tes­te do par­ti­do se­rá den­tro de du­as se­ma­nas, al­tu­ra em que se re­a­li­zam no­vas elei­ções na ci­da­de de Ber­lim.

REU­TERS

An­ge­la Mer­kel so­freu uma der­ro­ta que po­de sig­ni­fi­car o prin­cí­pio do fim do seu go­ver­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.