CI­MEI­RA DO G20 EN­CER­RA NA CHI­NA Pa­raí­sos fis­cais fi­cam na lis­ta ne­gra

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Os di­ri­gen­tes do G20 en­car­re­ga­ram on­tem a Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co (OC­DE) de en­tre­gar ao gru­po no pró­xi­mo ano uma lis­ta ne­gra de paí­ses que não co­la­bo­ram na lu­ta con­tra a eva­são fis­cal, após a ci­mei­ra re­a­li­za­da na Chi­na.

“Pe­di­mos à OC­DE pa­ra in­for­mar os mi­nis­tros das Fi­nan­ças e os go­ver­na­do­res dos ban­cos cen­trais, até Ju­nho de 2017, dos pro­gres­sos al­can­ça­dos em ma­té­ria de trans­pa­rên­cia fis­cal”, in­di­cou o G20 na de­cla­ra­ção fi­nal da ci­mei­ra de Hangzhou.

A OC­DE po­de­rá “pre­pa­rar até à ci­mei­ra de Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no do G20 de Ju­lho de 2017 uma lis­ta de paí­ses que não pro­gre­di­ram pa­ra atin­gir um ní­vel sa­tis­fa­tó­rio de apli­ca­ção de nor­mas in­ter­na­ci­o­nais re­co­nhe­ci­das so­bre a trans­pa­rên­cia fis­cal”, in­di­ca­ram os di­ri­gen­tes do gru­po das 20 prin­ci­pais po­tên­ci­as mun­di­ais.

“É uma es­treia”, afir­mou o mi­nis­tro da Eco­no­mia e Fi­nan­ças fran­cês, Mi­chel Sa­pin, acres­cen­tan­do que al­guns dos ele­men­tos avan­ça­dos nun­ca ti­nham si­do men­ci­o­na­dos nos co­mu­ni­ca­dos de an­te­ri­o­res ci­mei­ras. “Mais do que nun­ca, a lu­ta con­tra os pa­raí­sos fis­cais é uma pri­o­ri­da­de do G20”, dis­se à AFP o di­rec­tor do cen­tro de po­lí­ti­ca e de ad­mi­nis­tra­ção fis­cal da OC­DE, Pascal de Saint-Amans, tam­bém pre­sen­te em Hangzhou.

Es­ta men­sa­gem “bas­tan­te for­te” do G20 sig­ni­fi­ca que os paí­ses que não co­o­pe­ram têm até Ju­lho de 2017 “pa­ra fi­ca­rem em con­for­mi­da­de com os cri­té­ri­os da OC­DE”, acres­cen­tou.

“Es­tar na lis­ta ne­gra te­rá um im­pac­to de­vas­ta­dor na eco­no­mia dos paí­ses ci­ta­dos”, pre­viu, con­si­de­ran­do que se tra­ta de uma san­ção “ex­tre­ma­men­te pe­sa­da”.

Pro­mo­ção da ino­va­ção

Os lí­de­res do G20 ape­la­ram ain­da à pro­mo­ção da ino­va­ção co­mo fer­ra­men­ta pa­ra im­pul­si­o­nar o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co mun­di­al, pe­ran­te os li­mi­tes que têm mos­tra­do as me­di­das mo­ne­tá­ri­as e fis­cais. Pre­si­den­te da Chi­na Xi Jin­peng du­ran­te a lei­tu­ra da de­cla­ra­ção de Hangzhou

Pa­ra os lí­de­res do Gru­po dos 20 que, em con­jun­to, re­pre­sen­tam 85 por cen­to da ri­que­za mun­di­al, reu­ni­dos em Hangzhou, na Chi­na, a ino­va­ção de­ve “as­se­gu­rar um no­vo ca­mi­nho de paz e pros­pe­ri­da­de”, já que “não ser­ve con­fi­ar ape­nas em me­di­das fis­cais e mo­ne­tá­ri­as”.

A ci­mei­ra dos lí­de­res das prin­ci­pais eco­no­mi­as de­sen­vol­vi­das e emer­gen­tes ter­mi­nou com o que Xi Jin­ping ape­li­dou de 'Con­sen­so de Hangzhou', um acor­do pa­ra ten­tar re­vi­ta­li­zar a eco­no­mia glo­bal, oi­to anos de­pois do iní­cio da cri­se fi­nan­cei­ra in­ter­na­ci­o­nal.

Pa­ra o Pre­si­den­te chi­nês, o G20 de­ve tor­nar-se um fó­rum pa­ra a pro­mo­ção do po­ten­ci­al de cres­ci­men­to da eco­no­mia mun­di­al a mé­dio e lon­go pra­zo, en­quan­to ser­ve co­mo me­ca­nis­mo de res­pos­ta a cri­ses e ris­cos de cur­to pra­zo.

“A ex­pe­ri­ên­cia mos­tra que a ve­lha abor­da­gem de de­pen­der ex­clu­si­va­men­te de po­lí­ti­cas mo­ne­tá­ri­as e fis­cais já não fun­ci­o­na. Pre­ci­sa­mos de re­a­cen­der o mo­tor do cres­ci­men­to atra­vés da ino­va­ção”, afir­mou Xi Jin­ping. Nes­te sen­ti­do, o G20 de­ci­diu dar mais pe­so à ci­ên­cia e tec­no­lo­gia co­mo con­du­to­res pa­ra uma quar­ta re­vo­lu­ção in­dus­tri­al e a eco­no­mia di­gi­tal. Os lí­de­res do G20 tam­bém se com­pro­me­te­ram a im­pul­si­o­nar o co­mér­cio e o in­ves­ti­men­to in­ter­na­ci­o­nais, com­ba­ter o pro­tec­ci­o­nis­mo, de­fen­der os sis­te­mas co­mer­ci­ais mul­ti­la­te­rais e re­du­zir as de­si­gual­da­des.

Além dis­so, os lí­de­res con­cor­da­ram em tra­ba­lhar pa­ra com­ple­tar a re­for­ma do sis­te­ma de quo­tas e o po­der de vo­to no Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) - o que dá mais po­der aos paí­ses emer­gen­tes, e em avan­çar com a re­vi­são dos ac­ci­o­nis­tas do Ban­co Mun­di­al.

A ci­mei­ra tam­bém pe­diu a rá­pi­da ra­ti­fi­ca­ção e en­tra­da em vi­gor do Acor­do de Pa­ris con­tra as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas e con­si­de­rou que a cri­se dos re­fu­gi­a­dos é um pro­ble­ma glo­bal. O con­jun­to dos paí­ses mais ri­cos de­vem re­for­çar a sua aju­da e me­lho­rar a co­or­de­na­ção dos es­for­ços in­ter­na­ci­o­nais pa­ra en­fren­ta­rem a cri­se dos re­fu­gi­a­dos e par­ti­lha­rem as correspondentes res­pon­sa­bi­li­da­des. “Ape­la­mos ao re­for­ço da aju­da hu­ma­ni­tá­ria em fa­vor dos re­fu­gi­a­dos (...) e con­vi­da­mos to­dos os Es­ta­dos, em fun­ção das su­as pró­pri­as ca­pa­ci­da­des, a in­ten­si­fi­ca­rem a sua aju­da às or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais com­pe­ten­tes”.

No pla­no fi­nan­cei­ro, de­ci­di­ram pro­mo­ver o uso da mo­e­da na­ci­o­nal do FMI, Di­rei­tos de Sa­que Es­pe­ci­ais (DSE), se­ma­nas an­tes do yu­an se tor­nar par­te da ces­ta de re­fe­rên­cia pa­ra de­fi­nir o va­lor des­sa mo­e­da.

No dis­cur­so de aber­tu­ra da ci­mei­ra do G20, o Pre­si­den­te chi­nês, Xi Jin­ping, dei­xou um aler­ta pa­ra o cres­ci­men­to len­to da eco­no­mia glo­bal, a tur­bu­lên­cia dos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros e a que­da do co­mér­cio glo­bal e do in­ves­ti­men­to.

Pre­ço do pe­tró­leo

A Rús­sia e a Ará­bia Sau­di­ta, os dois prin­ci­pais pro­du­to­res mun­di­ais de pe­tró­leo, com­pro­me­te­ram-se on­tem a uma fir­me co­o­pe­ra­ção en­tre paí­ses ex­por­ta­do­res pa­ra apoi­ar a es­ta­bi­li­da­de do mer­ca­do do pe­tró­leo, sem men­ci­o­nar a pos­si­bi­li­da­de de um con­ge­la­men­to da ofer­ta.

Seis me­ses após o fra­cas­so das con­ver­sa­ções de Doha, on­de es­sa pos­si­bi­li­da­de foi dis­cu­ti­da, os mi­nis­tros da Ener­gia da Rús­sia, Ale­xan­dre No­vak, e dos Re­cur­sos Na­tu­rais da Ará­bia Sau­di­ta, Kha­led al-Fa­leh, as­si­na­ram à mar­gem da ci­mei­ra do G20, na Chi­na, uma de­cla­ra­ção co­mum, con­si­de­ra­da his­tó­ri­ca por No­vak. “Os mi­nis­tros re­co­nhe­ce­ram a im­por­tân­cia de um diá­lo­go cons­tru­ti­vo e de uma co­o­pe­ra­ção fir­me en­tre os prin­ci­pais paí­ses ex­por­ta­do­res pa­ra apoi­ar a es­ta­bi­li­da­de do mer­ca­do pe­tro­lí­fe­ro e ga­ran­tir um ní­vel cons­tan­te de in­ves­ti­men­to ao lon­go do tem­po”, se­gun­do o tex­to con­jun­to di­vul­ga­do em Mos­co­vo pe­lo Mi­nis­té­rio rus­so. “Os mi­nis­tros che­ga­ram a acor­do pa­ra uma co­o­pe­ra­ção con­jun­ta ou com ou­tros paí­ses pro­du­to­res de pe­tró­leo”, acres­cen­tou.

Ri­a­de, que in­te­gra a OPEP, e Mos­co­vo, que não faz par­te da or­ga­ni­za­ção, anun­ci­a­ram a cri­a­ção de um gru­po de tra­ba­lho pa­ra apre­sen­tar re­co­men­da­ções so­bre as me­di­das e ac­ções co­muns a adop­tar pa­ra ga­ran­tir a es­ta­bi­li­da­de e pre­vi­si­bi­li­da­de do mer­ca­do.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.