Co­li­ga­ção CA­SA es­tá em Con­gres­so

Jornal de Angola - - PARTADA - BERNARDINO MANJE |

O fu­tu­ro da CA­SA-CE co­me­ça a ser tra­ça­do ho­je, com o ar­ran­que, na Ten­da do Ho­tel de Con­ven­ções de Ta­la­to­na, em Lu­an­da, do seu II Con­gres­so Or­di­ná­rio. A pro­pos­ta de trans­for­ma­ção da co­li­ga­ção em par­ti­do po­lí­ti­co, a elei­ção de uma no­va di­rec­ção e a ela­bo­ra­ção da es­tra­té­gia des­ta for­ma­ção po­lí­ti­ca têm em con­ta as elei­ções ge­rais do pró­xi­mo ano.

O fu­tu­ro da CA­SA-CE co­me­ça a ser tra­ça­do ho­je, com o ar­ran­que, na ten­da do Ho­tel de Con­ven­ções de Ta­la­to­na, em Lu­an­da, do seu II Con­gres­so Or­di­ná­rio. A trans­for­ma­ção da co­li­ga­ção em par­ti­do po­lí­ti­co, a elei­ção de uma no­va di­rec­ção e a ela­bo­ra­ção da es­tra­té­gia des­ta for­ma­ção po­lí­ti­ca, ten­do em con­ta as elei­ções ge­rais do pró­xi­mo ano, são os prin­ci­pais pon­tos da agen­da do con­cla­ve, que de­cor­re sob o le­ma “Uma An­go­la pa­ra to­dos”.

O co­or­de­na­dor da co­mis­são or­ga­ni­za­do­ra do con­gres­so dis­se on­tem ao Jor­nal de An­go­la es­ta­rem cri­a­das as con­di­ções pa­ra o ar­ran­que do con­cla­ve, que se es­ten­de até quin­ta-fei­ra. Ma­nu­el Fer­nan­des in­for­mou que os 850 de­le­ga­dos no país e na diás­po­ra co­me­çam a che­gar ao lo­cal por vol­ta das se­te ho­ras, de­ven­do o con­gres­so ar­ran­car cer­ca das 10 ho­ras.

Ma­nu­el Fer­nan­des in­for­mou ain­da que es­tá con­fir­ma­da a pre­sen­ça de mais de 200 con­vi­da­dos na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros. In­ter­na­men­te, fo­ram con­vi­da­dos to­dos os par­ti­dos re­pre­sen­ta­dos na As­sem­bleia Na­ci­o­nal (MPLA, UNITA, PRS e FNLA), além de dois ex­tra-par­la­men­ta­res, Blo­co De­mo­crá­ti­co e PDP-ANA. Do es­tran­gei­ro, de­vem es­tar pre­sen­tes re­pre­sen­tan­tes de for­ma­ções po­lí­ti­cas co­mo o PSD, PS, Blo­co de Es­quer­da e CDS-PP (de Por­tu­gal), MDM (Mo­çam­bi­que), MpD (Ca­bo Ver­de), ADI (São To­mé e Prín­ci­pe), além de par­ti­dos da Áfri­ca do Sul, Es­ta­dos Uni­dos e Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go.

Trans­for­ma­ção em par­ti­do

Se a re­e­lei­ção de Abel Chi­vu­ku­vu­ku é um as­sun­to qu­a­se ar­ru­ma­do, o mes­mo já não se po­de di­zer quan­to à trans­for­ma­ção da co­li­ga­ção em par­ti­do po­lí­ti­co. Em­bo­ra o co­or­de­na­dor da co­mis­são or­ga­ni­za­do­ra do con­gres­so fa­le em con­sen­so, a ver­da­de é que pe­lo me­nos um dos par­ti­dos co­li­ga­dos já ma­ni­fes­tou pu­bli­ca­men­te a sua opo­si­ção.

A co­mis­são po­lí­ti­ca na­ci­o­nal do PADDA-AP es­te­ve reu­ni­da em Abril des­te ano pa­ra, en­tre ou­tros as­sun­tos, ava­li­ar a per­ti­nên­cia ou não da trans­for­ma­ção da CASACE em par­ti­do po­lí­ti­co e con­cluiu que es­te pas­so não é opor­tu­no, pe­lo me­nos por ago­ra. Na oca­sião, o pre­si­den­te do PADDA-AP dis­se ao Jor­nal de An­go­la que a trans­for­ma­ção da CA­SA-CE em par­ti­do po­lí­ti­co traz mais pre­juí­zos do que be­ne­fí­ci­os à co­li­ga­ção, a jul­gar pe­los ga­nhos já al­can­ça­dos, co­mo a ban­dei­ra, o bom no­me e ou­tras con­quis­tas. “O par­ti­do que vi­es­se a ser cri­a­do de­pois da trans­for­ma­ção da CASACE não po­de­ria her­dar os bens con­quis­ta­dos pe­la co­li­ga­ção”, aler­tou Ale­xan­dre Se­bas­tião An­dré, tam­bém ele um dos vi­ce-pre­si­den­tes da for­ma­ção li­de­ra­da por Abel Chi­vu­ku­vu­ku, acres­cen­tan­do que o PADDA en­ten­de que se es­tá a de­frau­dar o elei­to­ra­do da co­li­ga­ção, a jul­gar pe­las pers­pec­ti­vas e es­pe­ran­ças que têm de a mes­ma po­der ser uma al­ter­nân­cia go­ver­na­ti­va em 2017.

No en­tan­to, Ma­nu­el Fer­nan­des, ou­tro vi­ce-pre­si­den­te da CA­SA-CE pe­lo par­ti­do co­li­ga­do PAL­MA, mi­ni­mi­za a pre­o­cu­pa­ção do PADDA, afir­man­do que ape­nas o su­fi­xo “CE” cai­ria da co­li­ga­ção, per­ma­ne­cen­do a de­sig­na­ção “CA­SA”. Nu­ma cla­ra alu­são de que a trans­for­ma­ção vai ser mes­mo efec­tu­a­da, Ma­nu­el Fer­nan­des fa­la na exis­tên­cia de con­sen­so, ape­sar da opo­si­ção do PADDA-AP. “A CA­SA-CE tem qua­tro par­ti­dos po­lí­ti­cos e, com ex­cep­ção de um, to­dos con­cor­dam que te­mos que avan­çar com es­te pro­ces­so (trans­for­ma­ção da co­li­ga­ção em par­ti­do”, dis­se o po­lí­ti­co, pa­ra su­bli­nhar que “mes­mo o par­ti­do po­lí­ti­co que diz que não con­cor­da com a trans­for­ma­ção, vai ao con­gres­so”. Ma­nu­el Fer­nan­des dei­xou, no en­tan­to, cla­ro que os de­le­ga­dos são so­be­ra­nos. “É cla­ro que o prin­cí­pio de­mo­crá­ti­co é que vai di­tar as de­ci­sões”, dis­se.

A CA­SA-CE é uma co­li­ga­ção for­ma­da pe­los par­ti­dos Ali­an­ça Li­vre de Mai­o­ria An­go­la­na (PAL­MA), Apoio pa­ra De­mo­cra­cia e De­sen­vol­vi­men­to de An­go­la – Ali­an­ça Pa­trió­ti­ca (PADDA-AP), Par­ti­do Pa­cí­fi­co An­go­la­no (PPA) e Par­ti­do Na­ci­o­nal de Sal­va­ção de An­go­la (PNSA). Além da trans­for­ma­ção da CA­SA-CE em par­ti­do po­lí­ti­co, o con­gres­so, com a du­ra­ção de três di­as, pre­vê igual­men­te a re­vi­são dos es­ta­tu­tos, a ela­bo­ra­ção da es­tra­té­gia pa­ra as elei­ções ge­rais do pró­xi­mo ano e a elei­ção de uma no­va di­rec­ção.

Di­rec­ção é co­nhe­ci­da ho­je

Ma­nu­el Fer­nan­des, que tam­bém é um dos vi­ce-pre­si­den­tes da co­li­ga­ção, re­al­çou que a elei­ção da no­va di­rec­ção da CA­SA acon­te­ce lo­go no pri­mei­ro dia do con­gres­so. Só de­pois da elei­ção e di­vul­ga­ção dos re­sul­ta­dos, se en­tra pa­ra a dis­cus­são dos te­mas em agen­da.

Pa­ra a li­de­ran­ça do fu­tu­ro par­ti­do con­cor­rem três can­di­da­tos, o pre­si­den­te ces­san­te, Abel Chi­vu­ku­vu­ku, 58 anos e mes­tre em Ci­ên­ci­as Po­lí­ti­cas, Car­los Pi­nho, 47 anos e com li­cen­ci­a­tu­ras em Di­rei­to e Con­ta­bi­li­da­de e Ad­mi­nis­tra­ção, e João Ka­lu­pe­te­ka, igual­men­te com 47 anos e for­ma­ção em In­for­má­ti­ca.

Pe­lo que foi da­do a ver du­ran­te a cam­pa­nha, é mais do que pro­vá­vel a re­e­lei­ção de Abel Chi­vu­ku­vu­ku, que em 2012 es­te­ve à fren­te do sur­gi­men­to da CA­SA-CE. Car­los Pi­nho, que ocu­pa ac­tu­al­men­te o car­go de co­or­de­na­dor-ad­jun­to do Ga­bi­ne­te Téc­ni­co Elei­to­ral da co­li­ga­ção, de­ve ser o se­gun­do can­di­da­to mais vo­ta­do, mas mui­to atrás do ac­tu­al lí­der, en­quan­to João Ka­lu­pe­te­ka, que já foi re­pre­sen­tan­te da CA­SA-CE em Es­pa­nha, de­ve ser co­pi­o­sa­men­te der­ro­ta­do, a fa­zer fé no pa­pel que de­sem­pe­nhou na cam­pa­nha, so­bre­tu­do du­ran­te o úl­ti­mo “De­ba­te Li­vre” da Tv Zim­bo, em que che­gou a ad­mi­tir que Chi­vu­ku­vu­ku era, de lon­ge, o fa­vo­ri­to e que não ima­gi­na­va es­te ser seu su­bor­di­na­do.

Fun­da­da em Abril de 2012, a CA­SA-CE é nes­te mo­men­to a ter­cei­ra mai­or for­ça po­lí­ti­ca re­pre­sen­ta­da na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, on­de ocu­pa oi­to dos 220 as­sen­tos.

JOÃO GO­MES

De­le­ga­dos ao Con­gres­so Or­di­ná­rio da CA­SA-CE ele­gem no­va di­rec­ção e tra­çam a es­tra­té­gia pa­ra dis­pu­ta das pró­xi­mas elei­ções ge­rais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.