Tra­ba­lha­dor do­més­ti­co tem di­rei­tos pro­te­gi­dos

To­dos os pa­trões de­vem ins­cre­ver os seus fun­ci­o­ná­ri­os na Se­gu­ran­ça So­ci­al

Jornal de Angola - - PARTADA - WAL­TER AN­TÓ­NIO |

Os tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos em An­go­la pas­sam, a par­tir de Ja­nei­ro do pró­xi­mo ano, a usu­fruir dos di­rei­tos que tem qual­quer fun­ci­o­ná­rio, na sequên­cia da pu­bli­ca­ção no Diá­rio da Re­pú­bli­ca do De­cre­to Pre­si­den­ci­al que apro­va o re­gi­me ju­rí­di­co e de pro­tec­ção so­ci­al des­ta fran­ja da so­ci­e­da­de. Os tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos pas­sam a ter di­rei­to a fé­ri­as, oi­to ho­ras de tra­ba­lho diá­rio, di­rei­to à re­for­ma, e a sub­sí­di­os de Na­tal e de Ma­ter­ni­da­de. Os que vi­vem em ca­sa dos em­pre­ga­do­res, de acor­do com o de­cre­to, pas­sam, a par­tir de Ja­nei­ro, a tra­ba­lhar ape­nas até dez ho­ras por dia. Os em­pre­ga­do­res têm, a par­tir de Ja­nei­ro, de as­si­nar um con­tra­to com os tra­ba­lha­do­res, de­ven­do, pa­ra o efei­to, di­ri­gir-se ao Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al (MAPTSS), pa­ra le­van­tar a car­tei­ra do tra­ba­lha­dor do­més­ti­co. O dis­pos­to no di­plo­ma não se apli­ca à pres­ta­ção de tra­ba­lho do­més­ti­co com ca­rác­ter aci­den­tal ou pa­ra a exe­cu­ção de uma ta­re­fa even­tu­al. Fi­cam ain­da ex­cluí­dos do âm­bi­to do di­plo­ma os em­pre­ga­dos do­més­ti­cos que pos­su­am re­la­ções de pa­ren­tes­co com o em­pre­ga­dor.

Os tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos, em An­go­la, pas­sam, a par­tir de Ja­nei­ro do pró­xi­mo ano, a usu­fruir dos di­rei­tos que têm qual­quer fun­ci­o­ná­rio, na sequên­cia da pu­bli­ca­ção, no Diá­rio da Re­pú­bli­ca, do De­cre­to Pre­si­den­ci­al nº155/16, de 9 de Agos­to, que apro­va o re­gi­me ju­rí­di­co e de pro­tec­ção so­ci­al des­ta fran­ja da so­ci­e­da­de.

Os tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos pas­sam a ter di­rei­tos a fé­ri­as, oi­to ho­ras de tra­ba­lho diá­rio, di­rei­to à re­for­ma, a sub­sí­di­os de Na­tal e de Ma­ter­ni­da­de. Os que vi­vem em ca­sa dos em­pre­ga­do­res, de acor­do com o de­cre­to, pas­sam, a par­tir de Ja­nei­ro, a tra­ba­lhar ape­nas até dez ho­ras por dia.

Os em­pre­ga­do­res têm, a par­tir de Ja­nei­ro, de as­si­nar um con­tra­to com os tra­ba­lha­do­res, de­ven­do, pa­ra o efei­to, di­ri­gir-se ao Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al “MAPTSS”, pa­ra le­van­tar a car­tei­ra do tra­ba­lha­dor do­més­ti­co. O dis­pos­to no di­plo­ma não se apli­ca à pres­ta­ção de tra­ba­lho do­més­ti­co com ca­rác­ter aci­den­tal ou pa­ra a exe­cu­ção de uma ta­re­fa even­tu­al.

Fi­cam ain­da ex­cluí­dos do âm­bi­to do di­plo­ma os em­pre­ga­dos do­més­ti­cos que pos­su­am re­la­ções de pa­ren­tes­co com o em­pre­ga­dor: côn­ju­ge, com­pa­nhei­ro em união de fac­to, des­cen­den­te, as­cen­den­te, ir­mão, gen­ro ou no­ra, pa­dras­to ou ma­dras­ta, so­gro ou so­gra. Em de­cla­ra­ções on­tem ao Jor­nal de An­go­la, a pre­si­den­te do Co­mi­té da Mu­lher Sin­di­ca­li­za­da da UNTACon­fe­de­ra­ção Sin­di­cal, Ma­ria Fer­nan­da de Car­va­lho, aplau­diu a pro­mul­ga­ção do De­cre­to Pre­si­den­ci­al e acen­tu­ou que o di­plo­ma re­fe­re que o sa­lá­rio dos tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos não po­de ser in­fe­ri­or ao sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal, que é de 15 mil kwan­zas. Além dis­so, acres­cen­tou, os em­pre­ga­do­res de­vem ins­cre­ver os seus tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos no Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça So­ci­al (INSS).

“O re­gu­la­men­to traz van­ta­gens pa­ra am­bas as par­tes, des­de que ca­da uma cum­pra com o seu de­ver e quem não cum­prir vai ser san­ci­o­na­do pe­la Ins­pec­ção Ge­ral do Tra­ba­lho e pe­los tri­bu­nais”, aler­tou Ma­ria Fer­nan­da de Car­va­lho. A sin­di­ca­lis­ta aler­tou tam­bém que nin­guém po­de pa­gar ao tra­ba­lha­dor do­més­ti­co ape­nas com pro­du­tos ali­men­ta­res e, ma­ni­fes­tan­do-se sa­tis­fei­ta pe­la re­gu­la­men­ta­ção do tra­ba­lho do­més­ti­co, lem­brou que a lu­ta co­me­çou em 2002.

O De­cre­to Pre­si­den­ci­al so­bre o tra­ba­lho do­més­ti­co é, sa­li­en­tou a sin­di­ca­lis­ta, re­sul­tan­te “dos es­for­ços en­vi­da­dos jun­to dos mi­nis­té­ri­os da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al e da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher, bem co­mo do diá­lo­go cons­tan­te com as mu­lhe­res par­la­men­ta­res e que ocu­pam car­gos de di­rec­ção e che­fia”. Ma­ria Fer­nan­da de Car­va­lho fri­sou que “a re­gu­la­men­ta­ção do tra­ba­lho do­més­ti­co não foi fá­cil da­das as ca­rac­te­rís­ti­cas que es­ta ac­ti­vi­da­de en­vol­ve no ge­ral e se re­a­li­za den­tro dos do­mi­cí­li­os à por­ta fe­cha­da”.

Vi­si­vel­men­te sa­tis­fei­ta, a sin­di­ca­lis­ta afir­mou que “ho­je os tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos têm os seus di­rei­tos ad­qui­ri­dos”.

Uma cam­pa­nha de di­vul­ga­ção do De­cre­to Pre­si­den­ci­al, que apro­va o re­gi­me ju­rí­di­co e de pro­tec­ção so­ci­al dos tra­ba­lha­do­res dos ser­vi­ços do­més­ti­cos, é lan­ça­da em Ca­bin­da na pró­xi­ma sex­ta-fei­ra, anun­ci­ou a pre­si­den­te do Co­mi­té da Mu­lher Sin­di­ca­li­za­da da UNTA-Con­fe­de­ra­ção Sin­di­cal. Até De­zem­bro, a cam­pa­nha de di­vul­ga­ção vai che­gar a to­das as pro­vín­ci­as do país, ga­ran­tiu Ma­ria Fer­nan­da de Car­va­lho.

PAU­LO MULAZA

UNTA abre sex­ta-fei­ra em Ca­bin­da uma cam­pa­nha de di­vul­ga­ção do De­cre­to em to­do o país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.