Chi­vu­ku­vu­ku elei­to pre­si­den­te da CA­SA

Po­lí­ti­co apre­sen­tou agen­da de go­ver­na­ção ca­so ga­nhe as pró­xi­mas elei­ções ge­rais

Jornal de Angola - - PARTADA - BER­NAR­DI­NO MANJE |

Abel Chi­vu­ku­vu­ku, re­e­lei­to on­tem pa­ra mais uma man­da­to de qua­tro anos na pre­si­dên­cia da CA­SA-CE, apre­sen­tou a sua agen­da de go­ver­na­ção, ca­so ven­ça as elei­ções ge­rais no pró­xi­mo ano ou fa­ça par­te do go­ver­no a sair do plei­to de 2017. O po­lí­ti­co, re­e­lei­to com 91,6 por cen­to dos vo­tos e que fa­la­va du­ran­te a aber­tu­ra do II Con­gres­so Or­di­ná­rio da CA­SA-CE, apon­tou co­mo li­nhas de for­ça a pre­ser­va­ção da paz, da uni­da­de na­ci­o­nal e da in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al. Num uni­ver­so de mais de 800 de­le­ga­dos, o can­di­da­to à pre­si­dên­cia da CA­SA Car­los Pi­nho ob­te­ve 53 vo­tos e João Ka­lu­pe­te­ca ape­nas seis. O Con­gres­so da CA­SA de­ve en­cer­rar ho­je os seus tra­ba­lhos .

Abel Chi­vu­ku­vu­ku, re­e­lei­to on­tem pa­ra mais uma man­da­to de qua­tro anos na pre­si­dên­cia da CA­SA-CE, apre­sen­tou a sua agen­da de go­ver­na­ção, ca­so ven­ça as elei­ções ge­rais no pró­xi­mo ano ou fa­ça par­te do go­ver­no a sair do plei­to de 2017.

O po­lí­ti­co, re­e­lei­to com 91,6 por cen­to dos vo­tos e que fa­la­va du­ran­te a aber­tu­ra do II Con­gres­so Or­di­ná­rio da CA­SA-CE, apon­tou co­mo li­nhas de for­ça a pre­ser­va­ção da paz, da uni­da­de na­ci­o­nal e da in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al; e a ga­ran­tia da es­ta­bi­li­da­de, as­sen­te na le­ga­li­da­de, no be­mes­tar do ci­da­dão, na jus­ti­ça so­ci­al, no res­pei­to da dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na, e sus­ten­ta­da por ins­ti­tui­ções pú­bli­cas le­gí­ti­mas, for­tes e fun­ci­o­nais e por pro­ces­sos po­lí­ti­cos le­gí­ti­mos, jus­tos, sé­ri­os e trans­pa­ren­tes.

A cons­tru­ção efec­ti­va de um ver­da­dei­ro Es­ta­do De­mo­crá­ti­co e de Di­rei­to; a re­for­ma cons­ti­tu­ci­o­nal pa­ra a adop­ção efec­ti­va de um mo­de­lo de Es­ta­do uni­tá­rio e po­li­ti­ca­men­te des­cen­tra­li­za­do e ba­se­a­do nu­ma for­te se­pa­ra­ção de po­de­res in­ter­de­pen­den­tes; bem co­mo a ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção da elei­ção por su­frá­gio di­rec­to e pes­so­al do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, são ou­tras das li­nhas de for­ça de Abel Chi­vu­ku­vu­ku, ca­so a CA­SA-CE ven­ça as pró­xi­mas elei­ções.

O lí­der da CA­SA-CE pre­ten­de ain­da, en­tre ou­tros pon­tos, im­ple­men­tar nor­mas cons­ti­tu­ci­o­nais so­bre o po­der lo­cal; en­con­trar uma so­lu­ção do “pro­ble­ma de Ca­bin­da” por via do diá­lo­go e da re­for­ma cons­ti­tu­ci­o­nal em que se re­co­nhe­ça àque­la pro­vín­cia um “es­ta­tu­to de au­to­no­mia re­gi­o­nal”, no âm­bi­to do Es­ta­do an­go­la­no. Chi­vu­ku­vu­ku de­fen­deu tam­bém a ac­tu­a­li­za­ção da le­tra do Hi­no Na­ci­o­nal, man­ten­do, no en­tan­to, a sua me­lo­dia. “Pre­ci­sa­mos de vol­tar a con­sa­grar cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te a nor­ma que in­com­pa­ti­bi­li­za a si­mi­li­tu­de de sím­bo­los par­ti­dá­ri­os aos sím­bo­los na­ci­o­nais”, acres­cen­tou.

O pre­si­den­te da CA­SA-CE de­fen­deu que as li­nhas de for­ça da agen­da de go­ver­na­ção da sua for­ma­ção po­lí­ti­ca de­vem ser pro­fun­da­men­te dis­cu­ti­das, ac­tu­a­li­za­das e apro­va­das no Con­gres­so em cur­so.

An­tes da elei­ção, os ou­tros dois en­tão can­di­da­tos à li­de­ran­ça da CA­SA-CE tam­bém apre­sen­ta­ram, aos de­le­ga­dos, as su­as li­nhas de for­ça. Car­los Pi­nho, o se­gun­do can­di­da­to mais vo­ta­do com 53 vo­tos, dis­se que in­de­pen­den­te­men­te do can­di­da­to que se­ria elei­to, a CA­SA-CE es­ta­va em con­di­ções de ser go­ver­no. “É nor­mal que te­nha­mos coin­ci­dên­ci­as nos nos­sos pro­gra­mas por­que par­ti­lha­mos os mes­mos prin­cí­pi­os”, re­fe­riu, ao ten­tar jus­ti­fi­car a se­me­lhan­ça das li­nhas de for­ça dos dois úl­ti­mos can­di­da­tos às do en­tão pre­si­den­te ces­san­te.

João Ka­lu­pe­te­ca, que con­se­guiu ape­nas seis vo­tos, vol­tou a jus­ti­fi­car a sua can­di­da­tu­ra com a ne­ces­si­da­de de ter um cer­to es­ta­tu­to den­tro do par­ti­do. Ka­lu­pe­te­ca de­fen­deu que ha­ja mais jo­vens com a qua­li­da­de de con­se­lhei­ros no seio da CA­SA-CE.

.

Po­si­ção de Fer­rei­ra Pin­to

Car­los Al­ber­to Fer­rei­ra Pin­to, que re­pre­sen­tou o MPLA na ce­ri­mó­nia de aber­tu­ra do Con­gres­so da CA­SA-CE, con­si­de­rou a in­ter­ven­ção de Abel Chi­vu­ku­vu­ku um dis­cur­so tí­pi­co da opo­si­ção. Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, à mar­gem do ac­to de aber­tu­ra do con­cla­ve, Fer­rei­ra Pin­to, mem­bro do Bu­re­au Po­lí­ti­co do par­ti­do no po­der, res­pon­deu igual­men­te à afir­ma­ção do lí­der da CA­SA-CE, se­gun­do a qual es­ta for­ma­ção po­lí­ti­ca se­ria go­ver­no ou fa­ria par­te de um exe­cu­ti­vo a sair das pró­xi­mas elei­ções. Dei­xou cla­ro que o MPLA não vai par­ti­lhar o Go­ver­no com a CA­SA-CE, ca­so o par­ti­do no po­der ven­ça as pró­xi­mas elei­ções.

Fer­rei­ra Pin­to afir­mou que a con­so­li­da­ção da de­mo­cra­cia tem si­do um tra­ba­lho le­va­do a ca­bo pe­lo par­ti­do no po­der, ten­do lem­bra­do que foi o MPLA quem in­tro­du­ziu as re­for­mas cons­ti­tu­ci­o­nais pa­ra o mul­ti­par­ti­da­ris­mo no país e tra­ba­lhou mui­to mais pa­ra que se re­a­li­zas­sem as pri­mei­ras elei­ções de­mo­crá­ti­cas na his­tó­ria do país, em 1992.

Men­sa­gens dos con­vi­da­dos

Du­ran­te o ac­to de aber­tu­ra do II Con­gres­so da CA­SA-CE, fo­ram ou­vi­das men­sa­gens de al­guns par­ti­dos con­vi­da­dos, quer na­ci­o­nais, quer es­tran­gei­ros. A UNITA fez-se re­pre­sen­tar pe­lo seu se­cre­tá­rio pa­ra a Or­ga­ni­za­ção, Di­a­man­ti­no Mus­so­ko­la, que de­se­jou que o Con­gres­so da CA­SA-CE de­cor­ra da me­lhor for­ma pos­sí­vel e que, de­pois da elei­ção, ha­ja co­e­são en­tre os três en­tão can­di­da­tos. O mes­mo de­se­jo foi ma­ni­fes­ta­do pe­lo Blo­co De­mo­crá­ti­co e pe­lo PRS, re­pre­sen­ta­dos por Luís do Nas­ci­men­to e Be­ne­di­to Da­ni­el, res­pec­ti­va­men­te.

Do es­tran­gei­ro, o pri­mei­ro a fa­lar foi Hél­der Ama­ral, do CDS-PP de Por­tu­gal, que di­ri­giu uma men­sa­gem aos jo­vens da CA­SA-CE: “não per­mi­tam que os ou­tros de­ci­dam so­bre o que vo­cês de­vem fa­zer”. Hél­der Ama­ral ma­ni­fes­tou a dis­po­ni­bi­li­da­de do seu par­ti­do pa­ra aju­dar a man­ter as bo­as re­la­ções en­tre Por­tu­gal e An­go­la, que con­si­de­rou mui­to im­por­tan­tes.

Co­o­pe­ra­ção tam­bém foi o que de­fen­deu Jo­sé Ce­sá­rio, do PSD, pa­ra quem an­go­la­nos e por­tu­gue­ses, as­sim co­mo os ou­tros ci­da­dãos lu­só­fo­nos, de­vem tra­ba­lhar jun­tos. “Só as­sim se­re­mos mais for­tes”, dis­se o po­lí­ti­co. “A mi­nha pre­sen­ça cá sig­ni­fi­ca o res­pei­to pe­la de­mo­cra­cia an­go­la­na e o de­se­jo de tra­ba­lhar­mos jun­tos”, sus­ten­tou.

Bru­no Góis, do Blo­co de Es­quer­da, de­fen­deu a con­so­li­da­ção da paz, que se­gun­do ele, não é ape­nas o ca­lar das ar­mas, mas tam­bém o de­sen­vol­vi­men­to do país. “A paz não se con­se­gue sem a de­mo­cra­cia e es­ta não se al­can­ça sem o de­sen­vol­vi­men­to”, afir­mou.

Mais crí­ti­co foi o pre­si­den­te do Mo­vi­men­to pa­ra a De­mo­cra­cia de Mo­çam­bi­que (MDM), Da­viz Si­man­go. O lí­der da ter­cei­ra mai­or for­ça po­lí­ti­ca mo­çam­bi­ca­na apro­vei­tou o mo­men­to pa­ra fa­zer crí­ti­cas aos par­ti­dos que go­ver­nam An­go­la e Mo­çam­bi­que. “A de­mo­cra­cia não fun­ci­o­na com par­ti­dos ar­ro­gan­tes, mas sim com ins­ti­tui­ções for­tes e par­ti­dos de­cen­tes co­mo a CA­SA-CE”, dis­se Si­man­go, pa­ra quem o MDM e a CA­SA-CE de­vem “tra­ba­lhar jun­tos pa­ra de­por os opres­so­res dos nos­sos res­pec­ti­vos po­vos”.

Agen­da

De acor­do com o pro­gra­ma, os tra­ba­lhos do Con­gres­so pros­se­guem ho­je com a apre­sen­ta­ção, dis­cus­são e apro­va­ção do re­la­tó­rio ge­ral de ac­ti­vi­da­des 2013-2016, ava­li­a­ção da si­tu­a­ção po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca e so­ci­al do país, bem co­mo a apre­sen­ta­ção, dis­cus­são e apro­va­ção da es­tra­té­gia elei­to­ral da CA­SA-CE. A al­te­ra­ção dos es­ta­tu­tos da CA­SA-CE e o pro­ces­so de trans­for­ma­ção da co­li­ga­ção em par­ti­do po­lí­ti­co tam­bém vão es­tar em dis­cus­são.

Ca­so o pro­gra­ma se­ja cum­pri­do, o Con­gres­so de­ve en­cer­rar ain­da ho­je com a elei­ção dos mem­bros do Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo Na­ci­o­nal (CDN) e a lei­tu­ra das re­so­lu­ções e co­mu­ni­ca­do fi­nal. Ama­nhã de­cor­re a pri­mei­ra reu­nião do CDN (ór­gão equi­va­len­te a co­mi­té cen­tral), é elei­to o se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo na­ci­o­nal e seu ad­jun­to, sob pro­pos­ta do pre­si­den­te, bem co­mo apre­sen­ta­da a com­po­si­ção do Con­se­lho Pre­si­den­ci­al, do Con­se­lho Exe­cu­ti­vo Na­ci­o­nal e do Se­cre­ta­ri­a­do Exe­cu­ti­vo Na­ci­o­nal. O Con­gres­so da CA­SA-CE de­cor­re sob o le­ma “Uma An­go­la pa­ra to­dos”.

SAN­TOS PE­DRO

Lis­ta li­de­ra­da pe­lo pre­si­den­te ces­san­te ven­ce a con­cor­rên­cia por lar­ga mar­gem de vo­tos

SAN­TOS PE­DRO

De­le­ga­dos ao II Con­gres­so da CA­SA-CE re­no­va­ram a li­de­ran­ça de Abel Chi­vu­ku­vu­ku que ven­ceu com mais de 90 por cen­to dos vo­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.