Agen­tes so­ci­ais em ac­ção

Ob­jec­ti­vo é aju­dar as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais a re­sol­ver os prin­ci­pais pro­ble­mas

Jornal de Angola - - PARTADA - AN­TÓ­NIO CA­PI­TÃO |

Agen­tes de De­sen­vol­vi­men­to Co­mu­ni­tá­rio e Sa­ni­tá­rio (ADECOS) for­ma­dos pe­lo Fun­do de Apoio So­ci­al (FAS) de­ram iní­cio aos tra­ba­lhos de as­sis­tên­cia às po­pu­la­ções do Uí­ge, nos do­mí­ni­os da saú­de, agri­cul­tu­ra, edu­ca­ção e iden­ti­fi­ca­ção dos prin­ci­pais pro­ble­mas que afec­tam as co­mu­ni­da­des, pa­ra que se­jam re­por­ta­dos às au­to­ri­da­des ad­mi­nis­tra­ti­vas. São no to­tal 150 agen­tes.

Agen­tes de De­sen­vol­vi­men­to Co­mu­ni­tá­rio e Sa­ni­tá­rio (ADECOS) for­ma­dos pe­lo Fun­do de Apoio So­ci­al (FAS) de­ram iní­cio aos tra­ba­lhos de as­sis­tên­cia às po­pu­la­ções do Uí­ge, nos do­mí­ni­os da saú­de, agri­cul­tu­ra, edu­ca­ção e de iden­ti­fi­ca­ção dos prin­ci­pais pro­ble­mas que afec­tam as co­mu­ni­da­des, pa­ra que se­jam re­por­ta­dos às au­to­ri­da­des ad­mi­nis­tra­ti­vas.

São no to­tal 150 agen­tes for­ma­dos nos mu­ni­cí­pi­os do Uí­ge, Ma­que­la do Zom­bo, Ne­ga­ge, Qui­te­xe e San­za Pom­bo, que es­tão em con­di­ções de aju­dar as fa­mí­li­as a par­ti­ci­pa­rem de for­ma ac­ti­va no de­sen­vol­vi­men­to do país.

Os ADECOS as­si­mi­la­ram ma­té­ri­as so­bre o “Ca­der­no da fa­mí­lia”, “Co­mu­ni­ca­ção pa­ra mu­dan­ça de com­por­ta­men­to”, “Vi­si­tas do­mi­ci­li­a­res”, “Pro­ces­so de acon­se­lha­men­to”, “Ca­das­tra­men­to de fa­mí­li­as” e “Mem­bros da mi­cro-área”.

“A ma­ter­ni­da­de se­gu­ra e acom­pa­nha­men­to ma­ter­no pe­los ADECOS”, “Pro­mo­ção do alei­ta­men­to ma­ter­no”, “Cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to in­fan­til”, “Pro­mo­ção de con­sul­tas de pu­e­ri­cul­tu­ra” e “Per­fil e fun­ções dos agen­tes co­mu­ni­tá­ri­os” fo­ram ou­tros te­mas abor­da­dos.

A vi­ce-go­ver­na­do­ra pa­ra o sec­tor Po­lí­ti­co e So­ci­al, Ma­ria Fer­nan­do da Sil­va, que di­ri­giu a ce­ri­mó­nia de en­cer­ra­men­to do cur­so, des­ta­cou o pa­pel a ser de­sem­pe­nha­do pe­los ADECOS, ten­do em con­ta que vão aju­dar as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais e o Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Uí­ge na iden­ti­fi­ca­ção dos pro­ble­mas das po­pu­la­ções, ga­ran­tin­do as­sis­tên­cia em vá­ri­os do­mí­ni­os.

A go­ver­nan­te re­co­men­dou a in­te­rac­ção dos ha­bi­tan­tes, au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais e res­pon­sá­veis sa­ni­tá­ri­os pa­ra apoi­a­rem os agen­tes co­mu­ni­tá­ri­os, ten­do em con­ta a mis­são de aju­dar a me­lho­rar o sa­ne­a­men­to bá­si­co, a al­fa­be­ti­za­ção, edu­ca­ção e saú­de, em be­ne­fí­cio das pes­so­as mais vul­ne­rá­veis.

“Es­pe­ra­mos que os ADECOS as­su­mam com res­pon­sa­bi­li­da­de as fun­ções a de­sem­pe­nhar. Po­dem con­tar com o apoio to­tal do go­ver­no du­ran­te as vos­sas ac­ções”, dis­se.

O di­rec­tor pro­vin­ci­al do FAS, Di­o­go Ma­ri­a­no, su­bli­nhou que o agen­te de de­sen­vol­vi­men­to co­mu­ni­tá­rio e sa­ni­tá­rio é uma pes­soa se­lec­ci­o­na­da en­tre os ha­bi­tan­tes de uma co­mu­ni­da­de, que se des­ta­ca pe­las su­as qua­li­da­des hu­ma­nas.

Di­o­go Ma­ri­a­no re­fe­riu que o as­sis­ten­te co­mu­ni­tá­rio vai de­di­car o seu tra­ba­lho em prol do de­sen­vol­vi­men­to da sua co­mu­ni­da­de e na pro­mo­ção da saú­de das po­pu­la­ções.

“De­pois de um ár­duo tra­ba­lho de or­ga­ni­za­ção e for­ma­ção de­sen­vol­vi­do é che­ga­da a ho­ra de ar­re­ga­çar as man­gas, de me­ter­mos as mãos à obra. Fe­li­zes são os es­co­lhi­dos pa­ra es­ta fa­se ini­ci­al, co­mo pi­o­nei­ros na apro­xi­ma­ção da aten­ção sa­ni­tá­ria nas zo­nas de re­si­dên­cia das nos­sas po­pu­la­ções”, dis­se.

A di­rec­to­ra pro­vin­ci­al da Saú­de, Luí­sa Cam­bu­ta, re­fe­riu que o de­sen­vol­vi­men­to co­mu­ni­tá­rio é uma es­tra­té­gia adop­ta­da pe­lo Exe­cu­ti­vo pa­ra con­tro­lar e pre­ve­nir do­en­ças. Se­gun­do a res­pon­sá­vel, os ADECOS pres­tam as­sis­tên­cia sa­ni­tá­ria , no âm­bi­to do pro­gra­ma de mu­ni­ci­pa­li­za­ção de saú­de, con­tri­buin­do as­sim pa­ra a re­du­ção da mor­ta­li­da­de.

Re­gis­to gra­tui­to

Pe­lo me­nos, 5.092 ci­da­dãos de di­fe­ren­tes ida­des fo­ram re­gis­ta­dos de Ja­nei­ro a Agos­to des­te ano, no mu­ni­cí­pio de Ma­que­la do Zom­bo, 310 qui­ló­me­tros a nor­te da se­de ca­pi­tal da pro­vín­cia do Uí­ge, no qua­dro do pro­gra­ma de re­gis­to gra­tui­to, em cur­so no país.

Fa­lan­do on­tem à Angop, o che­fe de Re­gis­to Ci­vil no mu­ni­cí­pio de Ma­que­la do Zom­bo, Pe­dro Fu­an­do, in­for­mou que, do nú­me­ro em re­fe­rên­cia, cons­tam 2.885 cri­an­ças, dos ze­ro aos 17 anos de ida­de. Re­ve­lou que nes­se pe­río­do fo­ram pas­sa­das em Ma­que­la do Zom­bo 3.593 cer­ti­dões de nas­ci­men­to. O che­fe de Re­gis­to Ci­vil no mu­ni­cí­pio adi­an­tou igual­men­te que 30 a 35 ci­da­dãos são aten­di­dos por dia na­que­la con­ser­va­tó­ria, on­de la­bu­tam dois fun­ci­o­ná­ri­os.

O mu­ni­cí­pio fron­tei­ri­ço de Ma­que­la do Zom­bo tem uma po­pu­la­ção de 122.320 ha­bi­tan­tes (cen­so de 2014), dis­tri­buí­dos em qua­tro co­mu­nas e 306 po­vo­a­ções.

AN­TÓ­NIO CA­PI­TÃO|UÍ­GE

Os agen­tes co­mu­ni­tá­ri­os par­ti­ci­pa­ram nu­ma ac­ção for­ma­ti­va e es­tão em con­di­ções de aju­dar as fa­mí­li­as a re­sol­ver pro­ble­mas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.