Edu­ca­ção am­bi­en­tal

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Sob o le­ma “Re­ci­cle os seus há­bi­tos, pro­du­za me­nos li­xo”, um gru­po de jo­vens deu iní­cio há di­as a uma cam­pa­nha de edu­ca­ção am­bi­en­tal e ci­da­da­nia num dos dis­tri­tos de Lu­an­da. Aten­den­do aos de­sa­fi­os am­bi­en­tais em to­do o país, acre­di­ta-se que to­do o an­go­la­no apoia es­ta im­por­tan­te di­li­gên­cia que vi­sa es­sen­ci­al­men­te fo­men­tar as no­ções ele­men­ta­res so­bre pro­tec­ção, pre­ser­va­ção e con­ser­va­ção do am­bi­en­te e uso ra­ci­o­nal dos re­cur­sos na­tu­rais.

Tra­ta-se de uma ini­ci­a­ti­va que, a ser en­sai­a­da em to­das as lo­ca­li­da­des do país, mas com mai­or in­ci­dên­cia ali on­de a pre­ca­ri­e­da­de am­bi­en­tal co­me­ça a acen­tu­ar-se com mui­ta pre­o­cu­pa­ção, vai ser um ga­nho enor­me pa­ra to­dos nós. Na ver­da­de, es­te pas­so es­pe­lha bem o que a Lei de Ba­ses do Am­bi­en­te pre­vê, re­co­men­da e de­ter­mi­na quan­do es­tão em cau­sa a vi­da em so­ci­e­da­de, o usu­fru­to de um meio sa­dio, o aces­so aos re­cur­sos de for­ma ra­ci­o­nal, en­tre ou­tros. Tu­do is­so acom­pa­nha­do do con­tri­bu­to de ca­da um pa­ra que a sus­ten­ta­bi­li­da­de am­bi­en­tal se­ja uma re­a­li­da­de em to­do o país.

Pa­ra a bus­ca do equi­lí­brio de que pre­ci­sa­mos no meio é pre­ci­so que to­dos ga­nhe­mos cons­ci­ên­cia de que ape­nas com a con­tri­bui­ção de to­dos po­de­mos es­pe­rar me­lho­res re­sul­ta­dos. E na­da me­lhor do que co­me­çar­mos por re­flec­tir se­ri­a­men­te so­bre nu­me­ro­sos dos nos­sos há­bi­tos na me­di­da em que o con­su­mis­mo exa­cer­ba­do tem le­va­do a uma pro­du­ção es­can­da­lo­sa de li­xo. Não é exa­ge­ra­do su­ge­rir que as fa­mí­li­as re­pen­sem os mo­dos de con­su­mo, que ava­li­em há­bi­tos e prá­ti­cas por­que, co­mo dis­põe o nú­me­ro dois do ar­ti­go três da Lei de Ba­ses do Am­bi­en­te, “é de­vi­do o res­pei­to aos prin­cí­pi­os do be­mes­tar de to­da a po­pu­la­ção, à pro­tec­ção, pre­ser­va­ção e con­ser­va­ção do am­bi­en­te e ao uso ra­ci­o­nal dos re­cur­sos na­tu­rais, cu­jos va­lo­res não po­dem ser su­bes­ti­ma­dos em re­la­ção a in­te­res­ses me­ra­men­te uti­li­tá­ri­os”.

A quei­ma do li­xo em mui­tas co­mu­ni­da­des pe­riur­ba­nas e pe­ri­fé­ri­cas cons­ti­tui um aten­ta­do gra­ve, pro­por­ci­o­nal ao aba­te in­dis­cri­mi­na­do de ani­mais, de ár­vo­res e das quei­ma­das pa­ra efei­tos de ca­ça nas co­mu­ni­da­des do in­te­ri­or do país. Não po­de­mos con­ti­nu­ar a con­tem­plar prá­ti­cas cul­tu­rais que afec­tam gra­ve­men­te o meio em que to­dos se en­con­tram in­se­ri­dos, nu­ma al­tu­ra em que, de­fi­ni­ti­va­men­te, tem fal­ta­do mais ci­da­da­nia no exer­cí­cio pa­ra a de­fe­sa con­tra ac­ções ou ac­tos que en­vol­vam de­se­qui­lí­bri­os am­bi­en­tais e so­ci­ais.

Em­bo­ra não te­nha­mos ain­da me­ca­nis­mos pre­ci­sos pa­ra me­dir os es­tra­gos am­bi­en­tais, são vi­sí­veis em mui­tas lo­ca­li­da­des pe­riur­ba­nas e pe­ri­fé­ri­cas das gran­des ci­da­des. E aten­den­do que a mai­o­ria das ci­da­des an­go­la­nas se en­con­tra num pro­ces­so con­tí­nuo de cres­ci­men­to, não há dú­vi­das de que ur­ge for­ta­le­cer to­das as ini­ci­a­ti­vas que vi­sem uma con­du­ta po­si­ti­va pa­ra com o meio am­bi­en­te.

Re­co­nhe­ce­mos to­dos que em lar­ga me­di­da não é ain­da acei­tá­vel a for­ma co­mo as fa­mí­li­as e as pes­so­as sin­gu­la­res, na sua mai­o­ria, pro­du­zem, ma­nu­sei­am e dis­põem dos re­sí­du­os só­li­dos pa­ra pos­te­ri­or re­co­lha por par­te das ope­ra­do­ras. É pro­fun­da­men­te pre­o­cu­pan­te a per­cep­ção de que o “pro­ble­ma do li­xo diz res­pei­to uni­ca­men­te às ope­ra­do­ras”, re­a­li­da­de vi­sí­vel na for­ma co­mo as fa­mí­li­as e pes­so­as dis­põem do li­xo nos lo­cais apro­pri­a­dos e ina­pro­pri­a­dos.

A po­lui­ção, nas su­as va­ri­a­das for­mas, con­ti­nua pre­o­cu­pan­te um pou­co por to­do o la­do e, ape­nas pa­ra exem­pli­fi­car, os ga­ses de es­ca­pe, os óle­os usa­dos dos mo­to­res e o som ele­va­do dos apa­re­lhos de mú­si­ca cons­ti­tu­em agres­sões gra­ves.

Tal co­mo a ini­ci­a­ti­va dos jo­vens am­bi­en­ta­lis­tas as­pi­ra, to­dos con­cor­da­mos que o fo­men­to de cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção, pa­les­tras so­bre edu­ca­ção am­bi­en­tal e ci­da­da­nia nas co­mu­ni­da­des de­ve ser uma prá­ti­ca ha­bi­tu­al. As nos­sas po­pu­la­ções, in­de­pen­den­te­men­te do grau de ins­tru­ção, pre­ci­sam de es­tar mu­ni­das de in­for­ma­ção am­bi­en­tal su­fi­ci­en­te pa­ra que es­te­jam em con­di­ções de iden­ti­fi­car “in­frac­ções am­bi­en­tais” e con­tri­buir pa­ra a in­ver­são do qua­dro.

O am­bi­en­te não po­de es­pe­rar e não há dú­vi­das de que não pre­ci­sa­mos de es­pe­rar pa­ra im­ple­men­ta­ção, da par­te das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, de um Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ges­tão Am­bi­en­tal pa­ra to­mar­mos a ní­vel lo­cal as me­di­das que se im­põem. De­ve­mos to­dos con­tri­buir pa­ra que as bo­as prá­ti­cas am­bi­en­tais se­jam as­se­gu­ra­das por ca­da um de nós, re­ci­clan­do os nos­sos há­bi­tos em ma­té­ria de pro­du­ção, ges­tão e ma­nu­se­a­men­to dos re­sí­du­os só­li­dos. Nis­to, os mais ve­lhos têm acres­ci­das res­pon­sa­bi­li­da­des nos agre­ga­dos fa­mi­li­a­res e nas co­mu­ni­da­des, par­ti­cu­lar­men­te na con­tri­bui­ção pa­ra que os mais pe­que­nos vi­vam e apren­dam no­vos pa­ra­dig­mas. Vi­ver em co­mu­ni­da­de im­pli­ca obri­ga­ções pa­ra com­pre­en­são dos fe­nó­me­nos do equi­lí­brio am­bi­en­tal, pa­ra a par­ti­ci­pa­ção efec­ti­va de to­dos os ci­da­dãos, pre­ven­ção, en­tre ou­tras ini­ci­a­ti­vas.

Es­pe­re­mos que os jo­vens que to­ma­ram a ini­ci­a­ti­va de pas­sar, de por­ta a por­ta, num dos bair­ros de Lu­an­da, con­si­gam atin­gir os ob­jec­ti­vos a que se pro­pu­se­ram. E, mais im­por­tan­te, que ini­ci­a­ti­vas co­mo es­ta com o pro­pó­si­to de edu­car am­bi­en­tal­men­te as po­pu­la­ções te­nham con­ti­nui­da­de e, den­tro das es­pe­ci­fi­ci­da­des lo­cais, co­nhe­cer re­pli­ca­ções.

Pro­ble­mas na co­mu­ni­da­de

Uma co­mu­ni­da­de tem uma sé­rie de pro­ble­mas por re­sol­ver. Quan­to a mim, há pro­ble­mas que de­vi­am che­gar com ce­le­ri­da­de. ao co­nhe­ci­men­to das au­to­ri­da­des, pa­ra que es­tas to­mas­sem as me­di­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra os re­sol­ver.

Pen­so que as au­to­ri­da­des mu­ni­ci­pais de­vi­am cri­ar me­ca­nis­mos que per­mi­tis­sem que os ci­da­dãos pu­des­sem trans­mi­tir as su­as pre­o­cu­pa­ções, a fim de que os pro­ble­mas fos­sem re­sol­vi­dos nu­ma fa­se em que ain­da não se agra­va­ra. É im­por­tan­te que ór­gãos re­pre­sen­ta­ti­vos dos ci­da­dãos es­te­jam re­gu­lar­men­te em con­tac­to com as au­to­ri­da­des pa­ra se dar so­lu­ção aos pro­ble­mas nos mu­ni­cí­pi­os. Sou da opi­nião de que há mui­tos pro­ble­mas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.