CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - CRIS­TI­NA PE­DRO | LU­CAS AFON­SO | ÂN­GE­LA PANZO | LUÍS PI­RES | FÁ­TI­MA AU­GUS­TO |

Ar­ran­jo de es­tra­da

Es­cre­vo pa­ra me jun­tar aos mo­ra­do­res do meu bair­ro que su­ge­ri­ram que de­via haver ar­ran­jos na via que li­ga a es­tra­da Sa­gra­da Es­pe­ran­ça à Ave­ni­da 21 de Ja­nei­ro ( tam­bém co­nhe­ci­da por Ave­ni­da da FAPA). Re­fi­ro-me à co­nhe­ci­da via da Igre­ja do Bom Deus, que es­tá mui­to de­gra­da­da. Por es­sa via cir­cu­lam di­a­ri­a­men­te lo­go de ma­nhã ce­do mui­tas vi­a­tu­ras. Se­rá que é as­sim tão ca­ro fa­zer­se uma ope­ra­ção de ter­ra­ple­na­gem? Es­pe­ro que as au­to­ri­da­des do Dis­tri­to Ur­ba­no da Mai­an­ga ana­li­sem es­ta si­tu­a­ção que es­tou a ex­por e que já foi abor­da­da por ou­tros mo­ra­do­res do bair­ro Sa­gra­da Es­pe­ran­ça nes­te es­pa­ço dos lei­to­res. que po­dem ser fá­cil e ra­pi­da­men­te re­sol­vi­dos pe­las ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais, sem a in­ter­ven­ção dos po­de­res cen­trais. Que ha­ja pois re­cur­sos pa­ra, pe­lo me­nos, se re­sol­ve­rem os pe­que­nos pro­ble­mas.

Ava­li­a­ção de uni­ver­si­da­des

Gos­ta­va que se re­a­li­zas­sem tam­bém ao ní­vel das uni­ver­si­da­des olim­pía­das do sa­ber, a exem­plo do que acon­te­ce em es­co­las do en­si­no mé­dio. Era bom que as uni­ver­si­da­des tes­tas­sem os co­nhe­ci­men­tos dos seus alu­nos, em di­fe­ren­tes áre­as do sa­ber, pa­ra se ve­ri­fi­car a qua­li­da­de dos di­fe­ren­tes es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no su­pe­ri­or. Al­guém me dis­se que há Es­ta­dos que, pa­ra ava­li­ar a qua­li­da­de das di­fe­ren­tes uni­ver­si­da­des, re­a­li­zam pro­vas pa­ra vá­ri­os cur­sos e com o mes­mo con­teú­do em to­dos os es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no su­pe­ri­or, pú­bli­cos e pri­va­dos. Por via dos re­sul­ta­dos das pro­vas, po­de-se sa­ber on­de exis­tem as prin­ci­pais di­fi­cul­da­des dos alu­nos. Es­te ti­po de pro­vas po­de aju­dar a iden­ti­fi­car as prin­ci­pais la­cu­nas no en­si­no su­pe­ri­or, no in­te­res­se do nos­so país. A com­pe­ti­ção faz sem­pre bem. Sus­ci­ta o in­te­res­se das pes­so­as e das ins­ti­tui­ções em me­lho­rar o seu tra­ba­lho. Fa­la-se ho­je mui­to da ne­ces­si­da­de de qua­li­da­de do nos­so en­si­no su­pe­ri­or. A ava­li­a­ção das nos­sas uni­ver­si­da­des, por via de pro­vas ou de olim­pía­das do sa­ber, po­dia con­tri­buir pa­ra o me­lho­ra­men­to do de­sem­pe­nho dos alu­nos e pro­fes­so­res uni­ver­si­tá­ri­os.

Ocu­pa­ções anár­qui­cas

Era bom que se fi­zes­sem cam­pa­nhas pa­ra que os ci­da­dãos não ocu­pas­sem anar­qui­ca­men­te ter­re­nos ve­da­dos à cons­tru­ção de ca­sas por par­te de par­ti­cu­la­res. É ver­da­de que há mui­ta gen­te que tem ne­ces­si­da­de de ter uma ha­bi­ta­ção, mas é pre­ci­so que as pes­so­as sai­bam que não se po­de cons­truir em qual­quer lu­gar. As leis exis­tem pa­ra se­rem cum­pri­das. Os ci­da­dãos têm o de­ver de res­pei­tar as leis do país. Te­mos di­rei­tos, mas tam­bém te­mos de­ve­res. É im­por­tan­te que não se dei­xe que as pes­so­as pas­sem anos a cons­truir ca­sas em ter­re­nos em que não o po­dem fa­zer. É pre­ci­so que as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais im­pe­çam a cons­tru­ção de re­si­dên­ci­as em lo­cais em que os ci­da­dãos não de­vem edi­fi­car ca­sas. Era bom que, em cam­pa­nhas, se dis­ses­se às pes­so­as que a cons­tru­ção de ca­sas em áre­as em que é proi­bi­da a edi­fi­ca­ção de mo­ra­di­as po­de cau­sar-lhes trans­tor­nos.

Pre­ços al­tos

Os pre­ços con­ti­nu­am al­tos no mer­ca­do e as pes­so­as têm de fa­zer gran­de gi­nás­ti­ca fi­nan­cei­ra pa­ra con­se­gui­rem com­prar pro­du­tos bá­si­cos. Ain­da bem que as nos­sas au­to­ri­da­des es­tão a es­tu­dar for­mas de se ul­tra­pas­sar es­ta si­tu­a­ção. Que as so­lu­ções ve­nham o mais de­pres­sa pos­sí­vel, por­que mui­tas fa­mí­li­as vi­vem si­tu­a­ções mui­to di­fí­ceis, de­vi­do a es­ta al­ta de pre­ços.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.