Re­nhi­da a cor­ri­da à Ca­sa Bran­ca

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JAIRO MEJÍA | EFE

A can­di­da­ta de­mo­cra­ta à pre­si­dên­cia dos Es­ta­dos Uni­dos, Hil­lary Clin­ton, per­deu par­te da gran­de van­ta­gem que ti­nha pa­ra o ri­val re­pu­bli­ca­no, Do­nald Trump, nas son­da­gens que inau­gu­ra­ram a rec­ta fi­nal da cam­pa­nha elei­to­ral, mas ga­nhou es­pa­ço em re­du­tos tra­di­ci­o­nal­men­te con­ser­va­do­res, co­mo o Es­ta­do do Te­xas.

Fal­tan­do dois me­ses pa­ra a vo­ta­ção que de­ci­di­rá o subs­ti­tu­to de Oba­ma na Ca­sa Bran­ca, a ex-pri­mei­ra-da­ma pa­re­ce ter per­di­do a con­for­tá­vel dis­tân­cia que ti­nha em Es­ta­dos im­por­tan­tes e a ní­vel na­ci­o­nal pa­ra o em­pre­sá­rio, mas con­ti­nua à fren­te em ter­mos de Co­lé­gio Elei­to­ral.

Uma son­da­gem da CNN mos­tra que Trump tem 45 por cen­to dos vo­tos en­tre os “elei­to­res mais pro­vá­veis”, con­tra 43 por cen­to de Hil­lary. No en­tan­to, en­tre os elei­to­res re­gis­ta­dos, a ex-se­cre­tá­ria de Es­ta­do ven­ce por 44 a 41 por cen­to.Co­mo elei­to­res “mais pro­vá­veis”, a CNN con­si­de­ra gru­pos que de­vem ir às ur­nas no plei­to do dia 8 de No­vem­bro, já que o vo­to não é obri­ga­tó­rio nos EUA. Se­gun­do ana­lis­tas, uma bai­xa par­ti­ci­pa­ção elei­to­ral be­ne­fi­ci­a­ria o can­di­da­to re­pu­bli­ca­no.A son­da­gem, re­a­li­za­da en­tre 1 e 4 de Se­tem­bro, re­duz a van­ta­gem de oi­to pon­tos ob­ti­da por Hil­lary em Ju­lho, após a Con­ven­ção De­mo­cra­ta.

No en­tan­to, é a aná­li­se por Es­ta­do – com os seus 538 vo­tos no Co­lé­gio Elei­to­ral que ga­ran­tem a pre­si­dên­cia – que re­ve­la uma pre­vi­são mais fiá­vel so­bre as pos­si­bi­li­da­des de vi­tó­ria dos con­cor­ren­tes re­pu­bli­ca­no e de­mo­cra­ta. Se­gun­do son­da­gem do “Washing­ton Post”, fei­ta de 9 de Agos­to a 1 de Se­tem­bro, o des­con­ten­ta­men­to em sec­to­res im­por­tan­tes do elei­to­ra­do con­ser­va­dor com a es­co­lha de Trump co­mo can­di­da­to po­de trans­for­mar em dis­pu­ta­dos os Es­ta­dos que os re­pu­bli­ca­nos do­mi­nam com tran­qui­li­da­de há mais de 30 anos.É o ca­so do Te­xas, que ga­ran­te 38 vo­tos no Co­lé­gio Elei­to­ral.

A son­da­gem do “Post”, re­a­li­za­da com elei­to­res re­gis­ta­dos nos 50 Es­ta­dos do país, mos­tra que Hil­lary ain­da não tem ga­ran­ti­dos os 270 vo­tos ne­ces­sá­ri­os no co­lé­gio elei­to­ral pa­ra ven­cer. No en­tan­to, tem gran­de van­ta­gem so­bre Trump: 244 con­tra 126.

No Te­xas, Es­ta­do que não se in­cli­na pa­ra o la­do de­mo­cra­ta des­de 1976, a ex-se­cre­tá­ria de Es­ta­do ven­ce por 46-45 por cen­to. Mas, se acres­cen­ta­dos os par­ti­dos mi­no­ri­tá­ri­os – Li­ber­tá­ri­os e Ver­des –, am­bos fi­cam com 40 por cen­to.

Tra­di­ci­o­nal­men­te, os re­pu­bli­ca­nos têm vo­tos cer­tos no Sul e no meio-Oes­te e os de­mo­cra­tas no Oes­te e Nor­des­te (Ca­li­fór­nia e No­va Ior­que co­mo prin­ci­pais re­du­tos). Mas um Te­xas di­vi­di­do muda ra­di­cal­men­te a cam­pa­nha, dei­xan­do Es­ta­dos co­mo Ohio, ho­je pa­ra­gem obri­ga­tó­ria, em se­gun­do pla­no. Além dis­so, Hil­lary ven­ce por pe­que­nas van­ta­gens ou em­pa­ta nos ou­tros “swing Sta­tes”: Co­lo­ra­do (em­pa­te), Fló­ri­da (2 pon­tos), Ari­zo­na (2), Pen­sil­vâ­nia (3) e Ne­va­da (3). Trump ven­ce o pró­prio Ohio por mais de três pon­tos.

O im­pre­vi­sí­vel Trump, que não con­ta com o apoio de fi­gu­ras cen­trais do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no, não só fez com que Es­ta­dos in­dis­cu­ti­vel­men­te con­ser­va­do­res co­mo o Te­xas, Geór­gia e Mis­sis­si­pi se­jam ago­ra in­cóg­ni­tas, mas tam­bém per­mi­tiu que o Par­ti­do Li­ber­tá­rio te­nha in­ten­ções de vo­to his­to­ri­ca­men­te al­tas. Li­de­ra­dos por Gary John­son, os li­ber­tá­ri­os ob­têm se­te por cen­to de in­ten­ções de vo­to a ní­vel na­ci­o­nal, se­gun­do a son­da­gem da CNN, e 12 por cen­to na son­da­gem da NBC, que apon­ta uma van­ta­gem de ape­nas qua­tro pon­tos per­cen­tu­ais de Hil­lary so­bre Trump.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.