Um al­tar além da pe­re­gri­na­ção

SAN­TUÁ­RIO DA MUXIMA Tu­ris­mo re­li­gi­o­so atrai mi­lha­res de es­tran­gei­ros a An­go­la

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - CRIS­TI­NA DA SIL­VA |

Um vi­la­re­jo de An­go­la tor­nou­se há vá­ri­os anos um sig­ni­fi­ca­ti­vo car­tão pos­tal da fé ca­tó­li­ca. A vi­la da Muxima, lo­ca­li­za­da a 130 qui­ló­me­tros da ci­da­de de Lu­an­da, atrai mi­lha­res de fiéis em Se­tem­bro, al­tu­ra em que se re­a­li­za a mai­or ma­ni­fes­ta­ção de fé na Áfri­ca ca­tó­li­ca.

A pe­re­gri­na­ção à Muxima tem si­do um por­me­nor mai­or da de­vo­ção de mi­lha­res de ca­tó­li­cos por Nos­sa Se­nho­ra da Con­cei­ção, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo Ma­mã Muxima.

À vi­la che­gam di­a­ri­a­men­te cen­te­nas de fiéis, al­guns dos quais mo­vi­dos pe­la cu­ri­o­si­da­de em fun­ção dos re­la­tos que sem­pre ou­vi­ram so­bre o po­der das ora­ções e pe­di­dos aten­di­dos pe­la Ma­mã Muxima. Vá­ri­as fa­mí­li­as ca­tó­li­cas pre­pa­ram a pre­cei­to a vi­a­gem à Muxima, um ac­to carregado de fé, que é re­do­bra­da quan­do se che­ga àque­la vi­la, on­de se en­con­tra o San­tuá­rio de Nos­sa Se­nho­ra da Con­cei­ção.

Já en­trou pa­ra a his­tó­ria o tem­po em que, pa­ra se che­gar à vi­la da Muxima, os de­vo­tos eram sub­me­ti­dos a uma es­pé­cie de pro­va­ção, por­que eram mui­tas as di­fi­cul­da­des no per­cur­so. As pes­so­as, oriun­das de vá­ri­os pon­tos de An­go­la, che­ga­vam à lo­ca­li­da­de da Ca­ba­la, de on­de co­me­ça­vam a tra­ves­sia do rio a bor­do de uma jan­ga­da. Após a tra­ves­sia, per­cor­ria-se um tri­lho ín­gre­me e mui­to pe­ri­go­so.

A do­na Ro­sa Na­po­leão, em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, afir­ma que só a fé le­va­va a que os cris­tãos su­por­tas­sem a ca­mi­nha­da.

Eram cur­vas e con­tra­cur­vas, car­re­ga­das de po­ei­ra, lem­bra a fi­el ca­tó­li­ca. Os pe­re­gri­nos fi­ca­vam qua­se ir­re­co­nhe­cí­veis de­vi­do à po­ei­ra. “Os olhos e as pes­ta­nas não se vi­am. As rou­pas ga­nha­vam no­vas co­res. Só mes­mo o amor e o co­ra­ção da Ma­mã Muxima é que nos da­vam alen­to pa­ra que che­gás­se­mos a es­se lu­gar san­to”, con­ta uma ou­tra pe­re­gri­na, bas­tan­te ani­ma­da.

O ce­ná­rio fi­cou com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te. Os au­to­mo­bi­lis­tas, por exem­plo, ti­nham de fa­zer três ou mais ho­ras pa­ra che­ga­rem ao san­tuá­rio, al­guns dos quais uti­li­za­vam a via Ca­bo Le­do. Ho­je, o tra­jec­to é fei­to em 45 mi­nu­tos ao má­xi­mo. Já não exis­te po­ei­ra, bu­ra­cos, nem tão pou­co ani­mais pa­ra “ame­dron­ta­rem” os fiéis.

Vi­la da Muxima

A vi­la da Muxima é pe­que­na. Na lín­gua por­tu­gue­sa “muxima”, um ter­mo da lín­gua kim­bun­du, sI­ma­gre dai­ig­ni­fi­ca co­ra­ção. As­sim é a Ma­mã Muxima, por o san­tuá­rio ser um lu­gar que atrai ca­tó­li­cos e não só. A be­le­za na­tu­ral que o ro­deia tam­bém en­can­ta os pe­re­gri­nos.

Pe­la Muxima, pas­sa o em­ble­má­ti­co rio Kwan­za, em cu­ja mar­gem en­con­trá­mos Ro­sa­na Capita que, sen­do pe­re­gri­na há seis anos, con­tou que tu­do o que pe­diu à Muxima já con­se­guiu al­can­çar. Os pe­di­dos são va­ri­a­dos: saú­de, pa­ra ter fi­lhos e con­se­guir em­pre­go. O bis­po de Vi­a­na, Dom Jo­a­quim Fer­rei­ra Lo­pes, dis­se que a de­vo­ção à Ma­mã Muxima nun­ca dei­xou de ser pra­ti­ca­da, nem mes­mo no tem­po da guer­ra.

A an­ciã Ri­car­di­na Pau­lo dis­se que, des­de o tem­po da sua mãe, a sua fa­mí­lia apren­deu a con­fi­ar na Ma­mã Muxima, so­bre­tu­do em 1979, ano em que hou­ve mui­tos pro­ble­mas na fa­mí­lia.

“Nem mes­mo as reu­niões fa­mi­li­a­res aju­da­vam a acal­mar o con­fli­to. Foi nes­ta fa­se que a mi­nha mãe se ins­ta­lou na Qui­ça­ma e as coi­sas co­me­ça­ram a mu­dar”, lem­brou a an­ciã Ri­car­di­na Pau­lo.

Mãe de 10 par­tos, do­na Ma­ria Ma­nu­el tor­nou-se de­vo­ta há três anos, de­pois de per­der to­dos os fi­lhos. “To­dos os meus fi­lhos mor­re­ram, além de que per­di a ca­sa”, dis­se a de­vo­ta. A op­ção que en­con­trou foi re­fu­gi­ar-se na san­ta. Ho­je, cui­da do al­tar e da ar­ru­ma­ção da igre­ja. Nos tem­pos li­vres, cul­ti­va e os pro­du­tos são ven­di­dos na fei­ra em tem­po de pe­re­gri­na­ção.

Na vi­la da Muxima, co­me-se de tu­do. Quan­do há pe­re­gri­na­ção, a or­ga­ni­za­ção da fes­ta re­li­gi­o­sa não im­põe li­mi­tes aos pe­re­gri­nos. Ape­nas o con­su­mo de ál­co­ol é im­pe­di­do a par­tir do pos­to de con­tro­lo da Po­lí­cia de Trân­si­to. En­quan­to os pe­re­gri­nos mer­gu­lham na mar­gem do rio sob a pro­tec­ção da ki­ka­ke­la, um ins­tru­men­to tra­di­ci­o­nal fei­to de pau, pe­que­nas em­bar­ca­ções apor­tam com pei­xe ca­cus­so pa­ra o con­su­mo dos pe­re­gri­nos. Fri­to ou gre­lha­do são as op­ções a con­si­de­rar. O ne­gó­cio não é de to­do ba­ra­to. Quan­do há pe­re­gri­na­ção, ten­das são es­pa­lha­das por to­da a vi­la, de vá­ri­as co­res e ta­ma­nhos. Ape­sar de haver cam­pos de aco­lhi­men­to, há quem pro­cu­re es­tar mais pró­xi­mo do al­tar. A so­li­da­ri­e­da­de é tam­bém vi­sí­vel. A as­sis­tên­cia mé­di­ca é ga­ran­ti­da por equi­pas mó­veis es­pa­lha­das pe­la vi­la e pe­lo Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal da Qui­ça­ma. Es­te ano, fo­ram pou­cas as ocor­rên­ci­as re­gis­ta­das.

Os ser­vi­ços mé­di­cos aten­de­ram 929 pes­so­as. En­tre as pes­so­as que pre­ci­sa­ram de aju­da mé­di­ca es­ta­vam uma se­nho­ra de 69 e uma jo­vem de 32 anos, en­ca­mi­nha­das ao hos­pi­tal por fra­que­za. Am­bas es­ta­vam em je­jum há al­guns di­as e de­vi­do ao can­sa­ço e ao sol não aguen­ta­ram.

Ne­gó­cio aber­to

A pe­re­gri­na­ção ao San­tuá­rio da Nos­sa Se­nho­ra da Muxima é tam­bém uma opor­tu­ni­da­de pa­ra a re­a­li­za­ção de ne­gó­ci­os. Ar­ti­gos re­li­gi­o­sos, ves­tuá­rio com ima­gens sa­gra­das, bens ali­men­ta­res e dis­cos de mú­si­ca sa­cra são co­mer­ci­a­li­za­dos.

As ca­sas an­ti­gas fei­tas de bar­ro tor­nam-se tam­bém ca­sas de co­mér­cio. Os pe­re­gri­nos que não de­se­jam to­mar ba­nho no rio vão a ca­sas de ba­nho de mo­ra­do­res da vi­la des­de que pa­guem en­tre 50 e 250 kwan­zas por ca­da ida. A pe­re­gri­na­ção des­te ano ao San­tuá­rio da Muxima re­gis­tou a pre­sen­ça de 880.487 pe­re­gri­nos, dos quais 37.305 es­tran­gei­ros, pro­ve­ni­en­tes de paí­ses afri­ca­nos, de Por­tu­gal e do Bra­sil.

VI­GAS DA PU­RI­FI­CA­ÇÃO

Ima­gem da san­ta quan­do per­cor­ria a vi­la da Muxima na pe­re­gri­na­ção re­a­li­za­da es­te mês

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.