Elin­ga Te­a­tro en­ce­na pe­ça de Nel­son Ro­dri­gues

Jornal de Angola - - CULTURA - AN­TÓ­NIO BEQUENGUE |

O abu­so da mis­tu­ra de ele­men­tos dra­má­ti­cos, te­má­ti­cos e poé­ti­cos é a pro­pos­ta cé­ni­ca que o gru­po Elin­ga es­treia no pró­xi­mo dia 22, às 20h00, no pal­co do Oi Fu­tu­ro Fla­men­go, no Rio de Ja­nei­ro, na oi­ta­va edi­ção do Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro da Lín­gua Por­tu­gue­sa (Fes­tlip), que se re­a­li­za de 21 de Se­tem­bro à 2 de Ou­tu­bro.

A com­pa­nhia an­go­la­na le­va pa­ra o Fes­tlip des­te ano a pri­mei­ra pe­ça de Nel­son Ro­dri­gues, “A mu­lher sem pe­ca­do”, um es­pec­tá­cu­lo que abu­sa da mes­cla de fac­to­res dra­má­ti­cos, te­má­ti­co e poé­ti­cos atra­vés da his­tó­ria de Ole­gá­rio, ma­ri­do ex­tre­ma­men­te ciu­men­to e in­se­gu­ro e sua be­la e jo­vem es­po­sa Lí­dia.

Atra­vés de uma fal­sa di­co­to­mia, o dra­ma­tur­go Jo­sé Me­na Abran­tes pas­seia pe­lo en­re­do do trá­gi­co quo­ti­di­a­no do ca­sal, que é cer­ca­do de pa­ra­nói­as de Ole­gá­rio, que pas­sa a con­tra­tar pes­so­as pa­ra vi­gi­ar a es­po­sa a to­do ins­tan­te.

Com au­to­ria de Nel­son Ro­dri­gues, o ho­me­na­ge­a­do des­te edi­ção do Fes­tlip, e o di­rec­ção, adap­ta­ção e ce­no­gra­fia de Jo­sé Me­na Abran­tes, o es­pec­tá­cu­lo, que é igual­men­te exi­bi­do nos di­as 23 de Se­tem­bro, às 20h00, no Oi Fu­tu­ro Fla­men­go, e 24, às 19h30, no Te­a­tro Se­si Cen­tro, tem co­mo elen­co os ac­to­res Cor­reia Adão, Nza­di, Ado­ra­do Ma­ra, Vir­gí­lio Ca­pom­ba, Cláu­dia Pú­cu­ta, Ho­nó­rio San­tos, Ma­da­le­no Fon­se­ca, DethMu­kin­da e Na­ni Pe­rei­ra, que tam­bém é res­pon­sá­vel pe­lo fi­gu­ri­no, e Anas­tá­cio Sil­va, ilu­mi­na­ção. O Elin­ga Te­a­tro, cri­a­do em 1988, co­mo con­ti­nui­da­de dos gru­pos Tchin­ganj, Xi­len­ga-Te­a­tro e Gru­po de Te­a­tro da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na de Lu­an­da, tem co­mo ob­jec­ti­vo o res­ga­te e a pro­mo­ção da cul­tu­ra an­go­la­na. A com­pa­nhia cria uma li­nha es­té­ti­ca e de con­teú­do pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to te­a­tral há mais de 40 anos. Já es­ti­ve­ram pre­sen­tes em paí­ses co­mo Mo­çam­bi­que, Ca­bo Ver­de, Por­tu­gal, Es­pa­nha e Itá­lia. Na Mos­tra de Te­a­tro, o uni­ver­so ro­dri­gue­a­no é apre­sen­ta­do de três ma­nei­ras dis­tin­tas na vi­são pa­ra além do gru­po Elin­ga de An­go­la, pe­las de com­pa­nhi­as Raiz di Po­lon, de Ca­bo Ver­de, e Te­a­tro da Ga­ra­gem, de Por­tu­gal.

O gru­po Raiz di Po­lon faz uma lei­tu­ra ori­gi­nal de Nel­son Ro­dri­gues ao trans­por pa­ra o uni­ver­so da dan­ça sua úl­ti­ma pe­ça, “A ser­pen­te”. E a com­pa­nhia por­tu­gue­sa Te­a­tro da Ga­ra­gem, do di­rec­tor Car­los J. Pes­soa, es­co­lheu re­ve­ren­ci­ar a obra do dra­ma­tur­go com um es­pec­tá­cu­lo iné­di­to. A vi­da co­mo ela é foi cri­a­do a par­tir das su­as cró­ni­cas pe­la en­ce­na­do­ra e ac­triz por­tu­gue­sa Ma­ria João Vi­cen­te, que tam­bém mi­nis­tra a tra­di­ci­o­nal ofi­ci­na pa­ra os ac­to­res par­ti­ci­pan­tes do Fes­tlip, no Oi Fu­tu­ro Fla­men­go.

“O Fes­tlip 2016 nos per­mi­te uma apro­xi­ma­ção mais ín­ti­ma da nos­sa cul­tu­ra com o mun­do, já que a dra­ma­tur­gia de Nel­son re­tra­ta, sem pu­dor, te­mas tão po­lé­mi­cos nu­ma so­ci­e­da­de. É com es­sa es­pon­ta­nei­da­de e li­ber­da­de que a ar­te nos per­mi­te to­car em ques­tões de­li­ca­das e co­muns a to­dos. Per­mi­tir es­se con­tac­to é uma for­ma de des­ven­dar­mos co­mo paí­ses de cul­tu­ras tão di­ver­si­fi­ca­das en­ca­ram uma obra tão bra­si­lei­ra e ao mes­mo tem­po uni­ver­sal quan­to a de­le”, re­su­me a ac­triz e pro­du­to­ra Tânia Pi­res, ide­a­li­za­do­ra do fes­ti­val, que con­ta­bi­li­za des­de a sua pri­mei­ra edi­ção um pú­bli­co de qua­se 280 mil pes­so­as.

Pe­la pri­mei­ra vez, o Fes­tlip in­clui na sua pro­gra­ma­ção uma mos­tra de ci­ne­ma, com a exi­bi­ção de qua­tro clás­si­cos bra­si­lei­ros so­bre a obra de Nel­son Ro­dri­gues, em par­ce­ria o RE­ci­ne - Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Ci­ne­ma de Ar­qui­vo. “O ca­sa­men­to” (Ar­nal­do Ja­bor), “A da­ma do lo­ta­ção” (Ne­vil­le D’Al­mei­da), “Bo­ni­ti­nha mas or­di­ná­ria” (Braz Che­di­ak) e “Mu­lhe­res e mi­lhões” (Jor­ge Ile­li) são exi­bi­dos na Ci­ne­ma­te­ca do MAM.

Pa­ra ana­li­sar o im­pac­to e a for­ça da dra­ma­tur­gia ro­dri­gue­a­na, três con­vi­da­dos - to­dos ho­mens -, que de al­gu­ma for­ma já fo­ram to­ca­dos por ela, se reú­nem na me­sa de de­ba­tes Bo­ni­ti­nhos mas or­di­ná­ri­os - os aman­tes de Nel­son. Ne­vil­le D’Al­mei­da, Pau­lo de Mo­ra­es e Sér­gio Sá Lei­tão fa­lam com me­di­a­ção de Her­nan­ni Heff­ner, no Oi Fu­tu­ro Fla­men­go.

EDU­AR­DO PE­DRO

Gru­po Elin­ga já exi­biu o es­pec­tá­cu­lo “O Ce­go e o Pa­ra­lí­ti­co” no Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro da Lín­gua Por­tu­gue­sa no Rio de Ja­nei­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.