O di­le­ma das me­da­lhas

Jornal de Angola - - DESPORTO - VIVALDO EDU­AR­DO |

De­pois das pe­ri­pé­ci­as vi­vi­das na pre­pa­ra­ção pa­ra a pro­va, a Se­lec­ção Na­ci­o­nal de gi­nás­ti­ca so­freu a hu­mi­lha­ção de ser re­ti­ra­da do ho­tel, por fal­ta de pa­ga­men­to, já no lo­cal do Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no, a ci­da­de de Wal­vis Bay, na Na­mí­bia. Fi­nal­men­te, os gi­nas­tas re­gres­sa­ram ao país sem as me­da­lhas ga­nhas.

O ce­ná­rio de cri­se fi­nan­cei­ra que gras­sa a so­ci­e­da­de an­go­la­na, com acen­tu­a­do im­pac­to no quo­ti­di­a­no des­por­ti­vo, não po­de ser a cau­sa de to­dos os ma­les. Não de­ve, de for­ma al­gu­ma, con­du­zir à de­sor­ga­ni­za­ção e des­cre­di­bi­li­za­ção das nos­sas fe­de­ra­ções e, por ar­ras­to, do pró­prio país.

In­cum­pri­men­to de obri­ga­ções fi­nan­cei­ras, so­be­ja­men­te co­nhe­ci­das, an­tes da des­lo­ca­ção da ca­ra­va­na an­go­la­na, es­ti­ve­ram na ba­se do des­ta­que que a equi­pa na­ci­o­nal me­re­ceu, pe­la ne­ga­ti­va, du­ran­te a pro­va que re­cen­te­men­te ter­mi­nou em Wal­vis Bay. É no­tó­rio que An­go­la per­deu ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra. Ina­cei­tá­vel é, no en­tan­to, jun­tar às di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras uma pos­tu­ra tí­pi­ca de na­ção de­sor­ga­ni­za­da, que en­via cri­an­ças ao es­tran­gei­ro sem ga­ran­tir, an­te­ci­pa­da­men­te, mei­os de sub­sis­tên­cia pa­ra as mes­mas.

Pa­ra os gi­nas­tas, a ex­pe­ri­ên­cia vi­vi­da na vi­zi­nha Na­mí­bia é ines­que­cí­vel. E não o é, in­fe­liz­men­te, pe­los me­lho­res mo­ti­vos. Acon­te­ceu pre­ci­sa­men­te aqui­lo que não se re­co­men­da, quan­do qu­e­re­mos in­cen­ti­var a ju­ven­tu­de a man­ter a for­te li­ga­ção ao des­por­to.

Pa­ra­do­xal­men­te, tal co­mo acon­te­ceu com as an­de­bo­lis­tas, nos Jo­gos Olím­pi­cos Rio de Ja­nei­ro 2016, no meio das di­fi­cul­da­des, os re­sul­ta­dos des­por­ti­vos fo­ram bons, mos­tran­do a ex­ce­lên­cia do tra­ba­lho re­a­li­za­do. As 64 me­da­lhas con­quis­ta­das dão cor­po à cer­te­za de que a gi­nás­ti­ca vai bem e se re­co­men­da.

A in­con­gruên­cia é de tal or­dem, que os agen­tes do des­por­to têm ra­zões pa­ra te­mer que a cri­a­ção de pi­o­res ce­ná­ri­os de pre­pa­ra­ção se­jam, do­ra­van­te, usa­das co­mo ac­tu­a­ção es­tra­té­gi­ca pa­ra ob­ten­ção de me­lho­res re­sul­ta­dos des­por­ti­vos. O pre­ço co­bra­do pe­lo atra­so no pa­ga­men­to da ta­xa anu­al e pe­la mul­ta es­tão mui­to aquém do va­lor que de­ve (ria) ter, pa­ra An­go­la, evi­tar o trau­ma vi­vi­do pe­los atle­tas. Não há di­nhei­ro que pa­gue a de­cep­ção dos jo­vens que saí­ram im­buí­dos do es­pí­ri­to de mis­são, pa­ra bem ser­vir o país. É di­fí­cil com­pre­en­der que des­co­or­de­na­ção exis­tiu, ou que sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­da­de im­pe­rou, na ho­ra das de­ci­sões, pa­ra que a si­tu­a­ção che­gas­se a es­te ex­tre­mo.

A dis­tin­ção en­tre pre­ço e va­lor de­ve ser bem cla­ra na men­te dos (re­ais) ser­vi­do­res pú­bli­cos. Não só pe­lo im­pac­tan­te pa­pel que o des­por­to de­sem­pe­nha na so­ci­e­da­de, mas tam­bém por­que ur­ge pre­ser­var o bom no­me que An­go­la con­quis­tou, nos anais do des­por­to mun­di­al, ao lon­go de qua­tro dé­ca­das de in­de­pen­dên­cia.

O res­pei­to gran­je­a­do pe­lo país, por via do su­or e tra­ba­lho ár­duo de mui­tos atle­tas e trei­na­do­res, con­tou igual­men­te com di­plo­ma­cia des­por­ti­va ac­tu­an­te, que co­lo­cou a na­ção en­tre as mais res­pei­ta­das no con­ti­nen­te. Cons­truir es­ta re­pu­ta­ção foi ta­re­fa her­cú­lea, so­bre­tu­do num am­bi­en­te de guer­ra e di­fi­cul­da­des de vá­ria or­dem. Des­truir o bom no­me de An­go­la, no con­tex­to in­ter­na­ci­o­nal, po­de ser uma ques­tão de mi­nu­tos, quan­do as de­ci­sões são in­con­se­quen­tes.

De­fi­ni­ti­va­men­te, as ca­ra­va­nas não se de­vem des­lo­car, quan­do não hou­ver con­di­ções fi­nan­cei­ras pa­ra tal. É uma si­tu­a­ção em que não é pos­sí­vel fa­zer de con­ta. As au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes fo­ram no­ti­fi­ca­das em tem­po útil, se­gun­do o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção de Gi­nás­ti­ca, Au­xí­lio Ja­cob. Me­da­lhas à par­te, a equa­ção fi­nal ti­nha ape­nas du­as pos­si­bi­li­da­des: ga­ran­tir o di­nhei­ro e par­tir, ou sim­ples­men­te ab­di­car da par­ti­ci­pa­ção, por fal­ta de ver­bas. Pois, co­mo diz o pe­da­go­go Olím­pio Co­e­lho, “ne­nhu­ma me­da­lha va­le a saú­de de um pra­ti­can­te”.

AN­TÓ­NIO DE BRI­TO |

A Se­lec­ção Na­ci­o­nal mas­cu­li­na Sub-18 de té­nis vai re­a­li­zar um es­tá­gio pré-com­pe­ti­ti­vo, du­ran­te 90 di­as, no Cen­tro de Al­to Ren­di­men­to de Mar­bel­la (Es­pa­nha), com o ob­jec­ti­vo de atin­gir o pó­dio nos sé­ti­mos Jo­gos da Co­mu­ni­da­de pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral (SADC), a de­cor­re­rem de 9 a 19 de De­zem­bro, em Lu­an­da.

In­te­gram o es­tá­gio da equi­pa an­go­la­na os atle­tas Edu­ar­do Mo­rais, Fer­nan­do An­dré e Da­nil­son Ben­to. Os elei­tos do téc­ni­co Plí­nio Pe­dro, em­bar­cam na pró­xi­ma se­gun­da-fei­ra, pa­ra o mu­ni­cí­pio de Má­la­ga.

“O es­tá­gio só é pos­sí­vel gra­ças a uma pes­soa ami­ga da Fe­de­ra­ção. Sur­giu na me­lhor al­tu­ra, por­que te­mos ob­jec­ti­vos a de­fen­der na com­pe­ti­ção. Os atle­tas pro­me­te­ram du­ran­te a pre­pa­ra­ção dig­ni­fi­car a ban­dei­ra na­ci­o­nal. Es­ta­mos agra­de­ci­dos por es­ta pres­ti­mo­sa aju­da”, re­al­çou o di­rec­tor téc­ni­co da FAT, João San­da.

Do pon­to de vis­ta ad­mi­nis­tra­ti­vo e fi­nan­cei­ro, João San­da re­fe­riu que não há ne­nhum cons­tran­gi­men­to, su­bli­nhan­do que a Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Té­nis sem­pre pri­mou por uma boa or­ga­ni­za­ção. “Fe­liz­men­te, não te­mos qual­quer pro­ble­ma. Na pró­xi­ma se­gun­da-fei­ra os te­nis­tas se­guem pa­ra o es­tá­gio em Mar­bel­la”, ga­ran­tiu o di­ri­gen­te des­por­ti­vo, ao Jor­nal de An­go­la.

Quan­to aos prin­ci­pais ad­ver­sá­ri­os de An­go­la no tor­neio de té­nis dos Jo­gos da SADC, João San­da apon­tou a Áfri­ca do Sul, Zim­babwe, Botswa­na e Na­mí­bia: “São se­lec­ções mui­to for­tes, mas que não são in­ven­cí­veis. Com o tra­ba­lho a ser ela­bo­ra­do, pen­so que es­ta­re­mos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.