Pre­ço dos bilhetes de avião ajus­ta­do à si­tu­a­ção do país

Jornal de Angola - - PARTADA - CÂNDIDO BESSA |

As com­pa­nhi­as aé­re­as a ope­rar em An­go­la vão pas­sar a es­ta­be­le­cer as ta­ri­fas de acor­do com a re­a­li­da­de eco­nó­mi­ca na­ci­o­nal e com os seus pro­gra­mas de ope­ra­ções. A me­di­da cons­ta do Re­gu­la­men­to so­bre o Trans­por­te Aéreo, cu­jo pro­jec­to de De­cre­to Pre­si­den­ci­al foi apro­va­do on­tem pe­lo Con­se­lho de Mi­nis­tros, reu­ni­do em Lu­an­da sob ori­en­ta­ção do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. De acor­do com o mi­nis­tro dos Trans­por­tes, Au­gus­to To­más, a me­di­da tem co­mo ob­jec­ti­vo dis­ci­pli­nar o mer­ca­do e pro­te­ger os pas­sa­gei­ros, uma vez que as com­pa­nhi­as aé­re­as, prin­ci­pal­men­te es­tran­gei­ras, es­ta­be­le­cem ta­ri­fas nem sem­pre re­ais. Au­gus­to To­más evi­tou fa­lar em bai­xa de pre­ços dos bilhetes de pas­sa­gem, mas su­bli­nhou que não faz sen­ti­do, por exem­plo, que no ex­te­ri­or a mes­ma com­pa­nhia es­ta­be­le­ça de­ter­mi­na­da ta­ri­fa, com ba­se no per­cur­so per­cor­ri­do e nos cus­tos de ope­ra­ções, e em An­go­la os pre­ços se­jam com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes pa­ra a mes­ma dis­tân­cia e os mes­mos cus­tos ope­ra­ci­o­nais.

As com­pa­nhi­as aé­re­as a ope­rar em An­go­la vão pas­sar a es­ta­be­le­cer as ta­ri­fas de acor­do com a re­a­li­da­de eco­nó­mi­ca na­ci­o­nal e com os seus pro­gra­mas de ope­ra­ções. A me­di­da cons­ta do Re­gu­la­men­to so­bre o Trans­por­te Aéreo, cu­jo pro­jec­to de De­cre­to Pre­si­den­ci­al foi apro­va­do on­tem pe­lo Con­se­lho de Mi­nis­tros.

De acor­do com o mi­nis­tro dos Trans­por­tes, Au­gus­to To­más, a me­di­da tem co­mo ob­jec­ti­vo dis­ci­pli­nar o mer­ca­do e pro­te­ger os pas­sa­gei­ros, uma vez que as com­pa­nhi­as aé­re­as, prin­ci­pal­men­te es­tran­gei­ras, es­ta­be­le­cem ta­ri­fas nem sem­pre re­ais.

Au­gus­to To­más evi­tou fa­lar em bai­xa de pre­ços dos bilhetes de pas­sa­gem, mas su­bli­nhou que não faz sen­ti­do, por exem­plo, que no ex­te­ri­or a mes­ma com­pa­nhia es­ta­be­le­ça de­ter­mi­na­da ta­ri­fa, com ba­se no per­cur­so per­cor­ri­do e nos cus­tos de ope­ra­ções, e em An­go­la os pre­ços se­jam com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes pa­ra a mes­ma dis­tân­cia e os mes­mos cus­tos ope­ra­ci­o­nais.

O di­plo­ma sur­ge, igual­men­te, pa­ra ade­quar a le­gis­la­ção em vi­gor às exi­gên­ci­as do mer­ca­do e de­fi­ne, com cla­re­za, as con­di­ções e pro­ce­di­men­tos pa­ra o aces­so e exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de de trans­por­te aéreo re­gu­lar e não re­gu­lar do­més­ti­co e in­ter­na­ci­o­nal.

Au­gus­to To­más ex­pli­cou que, do­ra­van­te, as em­pre­sas pri­va­das de trans­por­te de pas­sa­gei­ros po­dem ob­ter a con­ces­são pa­ra o trans­por­te aéreo re­gu­lar de pas­sa­gei­ros.

Na reu­nião de on­tem, ori­en­ta­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o Con­se­lho de Mi­nis­tro apro­vou tam­bém o Re­gu­la­men­to so­bre o Se­gu­ro Obri­ga­tó­rio de Res­pon­sa­bi­li­da­de Ci­vil, pa­ra pro­te­ger os pas­sa­gei­ros, as su­as ba­ga­gens e ou­tros uti­li­za­do­res dos ser­vi­ços aé­re­os dos ris­cos da ac­ti­vi­da­de. A im­po­si­ção do se­gu­ro obri­ga­tó­rio sur­ge na sequên­cia do au­men­to do nú­me­ro de ae­ro­na­ves, das ope­ra­ções aé­re­as e da evo­lu­ção das es­tru­tu­ras ae­ro­por­tuá­ri­as no país. En­tre os cin­co do­cu­men­tos do Mi­nis­té­rio dos Trans­por­tes apro­va­dos on­tem, cons­ta ain­da o di­plo­ma que fi­xa as nor­mas a ob­ser­var pa­ra a atri­bui­ção de fai­xas ho­rá­ri­as pa­ra as ope­ra­ções re­gu­la­res de trans­por­te aéreo nos ae­ro­por­tos e ae­ró­dro­mos na­ci­o­nais.

De­no­mi­na­do Re­gu­la­men­to so­bre as Ta­xas Ho­rá­ri­as nos Ae­ro­por­tos, o do­cu­men­to sur­ge pa­ra me­lho­rar a co­or­de­na­ção en­tre as com­pa­nhi­as aé­re­as que ope­ram nos dis­tin­tos ae­ro­por­tos e ae­ró­dro­mos do país e o cum­pri­men­to da Lei da Avi­a­ção Ci­vil.

O mi­nis­tro Au­gus­to To­más ex­pli­cou que vai ser cri­a­do um pro­gra­ma de ho­rá­ri­os pré-es­ta­be­le­ci­dos, de acor­do com uma fai­xa a atri­buir. Ao mes­mo tem­po, vai ser cons­ti­tuí­do um Co­mi­té de Ho­rá­ri­os e um Sub­co­mi­té Téc­ni­co, in­te­gra­do pe­los vá­ri­os ser­vi­ços que tra­ba­lham nos ae­ro­por­tos.

O Exe­cu­ti­vo de­ci­diu, ain­da, dis­ci­pli­nar a uti­li­za­ção dos “dro­nes” (veí­cu­los aé­re­os não tri­pu­la­dos). O Re­gu­la­men­to so­bre a Uti­li­za­ção de Veí­cu­los Aé­re­os não Tri­pu­la­dos­de­fi­ne os prin­cí­pi­os e re­gras apli­cá­veis às ope­ra­ções aé­re­as e de cap­ta­ção de ima­gens por veí­cu­los não tri­pu­la­dos . “É uma con­sequên­cia ló­gi­ca do de­sen­vol­vi­men­to da avi­a­ção ci­vil que trou­xe con­si­go o apa­re­ci­men­to dos ‘dro­nes’, e não ha­via le­gis­la­ção na ma­té­ria”, dis­se o mi­nis­tro em de­cla­ra­ções à im­pren­sa.

Os “dro­nes” são ho­je uti­li­za­dos pa­ra fins mi­li­ta­res e po­li­ci­ais, mas tam­bém pa­ra a cap­ta­ção de ima­gens por em­pre­sas pri­va­das e tam­bém por ci­da­dãos co­muns. “Era im­por­tan­te re­gu­lar a sua uti­li­za­ção e a de­fe­sa da pri­va­ci­da­de dos ci­da­dãos e en­ti­da­des co­lec­ti­vas e acau­te­lar os ris­cos na se­gu­ran­ça aé­rea e das pes­so­as e bens em ter­ra”, afir­mou o mi­nis­tro Au­gus­to To­más à im­pren­sa.

Li­vro de Re­cla­ma­ções

Os es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais e de pres­ta­ção de ser­vi­ços de­vem ter, em lo­cal bem vi­sí­vel, o Li­vro de Re­cla­ma­ções, pa­ra que o cli­en­te, ca­so se sin­ta le­sa­do dos seus di­rei­tos, pos­sa apre­sen­tar quei­xa. O mi­nis­tro do Co­mér­cio afir­ma que a uti­li­za­ção do li­vro de Re­cla­ma­ções é obri­ga­tó­rio pa­ra to­dos os es­ta­be­le­ci­men­tos que pres­tam ser­vi­ço ao con­su­mi­dor fi­nal, sem ex­cep­ção.

Os es­ta­be­le­ci­men­tos de­vem afi­xar, em lo­cal bem vi­sí­vel, um se­lo a in­di­car a exis­tên­cia do Li­vro de Re­cla­ma­ções. “A não exis­tên­cia do Li­vro de Re­cla­ma­ções, por si só, se­rá uma in­frac­ção e ob­jec­to de san­ção por par­te das au­to­ri­da­des fis­ca­li­za­do­ras”, aler­tou o mi­nis­tro Fi­el Cons­tan­ti­no, que jus­ti­fi­cou a me­di­da com a ne­ces­si­da­de de alar­gar o sis­te­ma de fis­ca­li­za­ção em de­fe­sa do con­su­mi­dor.

“No­ta­mos que nem sem­pre o con­su­mi­dor tem a pre­dis­po­si­ção de se des­lo­car a uma ins­ti­tui­ção de de­fe­sa, às ve­zes por­que não co­nhe­ce ou por­que acha que não va­le a pena o es­for­ço”, su­bli­nhou o mi­nis­tro do Co­mér­cio, pa­ra acres­cen­tar que, nes­te ca­so, bas­ta que as­si­ne nu­ma fo­lha, no pró­prio es­ta­be­le­ci­men­to, pa­ra que as au­to­ri­da­des pos­sam agir em sua de­fe­sa. “Os cli­en­tes de­vem ter a cul­tu­ra da re­cla­ma­ção sem­pre que não se­jam su­fi­ci­en­te­men­te aten­di­dos em fun­ção da­qui­lo que pa­gam”, afir­mou o mi­nis­tro, pa­ra quem, ao am­pli­ar a cul­tu­ra da re­cla­ma­ção, os agen­tes eco­nó­mi­cos se­rão pres­si­o­na­dos a me­lho­rar a qua­li­da­de dos ser­vi­ços que pres­tam aos con­su­mi­do­res.

O Li­vro de Re­cla­ma­ções pas­sa a ter três vi­as. Qu­an­do o cli­en­te faz uma re­cla­ma­ção, le­va con­si­go uma via, a ou­tra fi­ca com a ins­ti­tui­ção e a ter­cei­ra é re­me­ti­da, pe­la ins­ti­tui­ção, ao Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio.

“Com ba­se no do­cu­men­to, os fis­cais e ins­pec­to­res vão aos es­ta­be­le­ci­men­tos pa­ra ver se a re­cla­ma­ção é le­gí­ti­ma, se há ac­tos le­si­vos dos in­te­res­ses dos con­su­mi­do­res que de­vem ser pro­te­gi­dos, pa­ra obri­gar os for­ne­ce­do­res de bens e ser­vi­ços a res­sar­ci­rem os con­su­mi­do­res nos ca­sos em que os seus di­rei­tos ti­ve­rem si­do le­sa­dos”, de­cla­rou o mi­nis­tro Fi­el Cons­tan­ti­no.

Ou­tros do­cu­men­tos

Na reu­nião de on­tem, que foi a se­gun­da ses­são ex­tra­or­di­ná­ria do Con­se­lho de Mi­nis­tros des­te ano, fo­ram ain­da apro­va­dos os es­ta­tu­tos or­gâ­ni­cos do Cor­re­dor do Lo­bi­to, do Ins­ti­tu­to de Lín­guas Na­ci­o­nais, do Cen­tro de Im­pren­sa Aní­bal de Me­lo (CIAM) e do Cen­tro de For­ma­ção de Jor­na­lis­tas (Ce­fo­jor).

No qua­dro da po­lí­ti­ca ex­ter­na, o Con­se­lho de Mi­nis­tros apre­ci­ou du­as re­so­lu­ções que apro­vam, pa­ra ra­ti­fi­ca­ção, a Car­ta Afri­ca­na do Trans­por­te Ma­rí­ti­mo (Re­vis­ta 2010) e o Acor­do de Co­o­pe­ra­ção no do­mí­nio da de­fe­sa en­tre An­go­la e a Itá­lia. O Con­se­lho re­co­men­dou a re­mis­são dos do­cu­men­tos à As­sem­bleia Na­ci­o­nal.

De acor­do com o co­mu­ni­ca­do de im­pren­sa do Se­cre­ta­ri­a­do do Con­se­lho de mi­nis­tros, foi ain­da apro­va­do um Acor­do en­tre An­go­la e a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go so­bre a su­pres­são de vis­tos em pas­sa­por­tes di­plo­má­ti­cos, de ser­vi­ço e es­pe­ci­ais. Ou­tro do­cu­men­to apro­va­do pe­lo Con­se­lho de Mi­nis­tros foi o Me­mo­ran­do de En­ten­di­men­to so­bre con­sul­tas po­lí­ti­cas en­tre An­go­la e a No­ru­e­ga.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Con­se­lho de Mi­nis­tros ava­li­ou vá­ri­os di­plo­mas dos Mi­nis­té­ri­os dos Trans­por­tes e do Co­mér­cio du­ran­te a ses­são ex­tra­or­di­ná­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.