CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LAU­RA COR­REIA | LUZIA DE CAR­VA­LHO | CAR­LOS SANTIAGO |

De­ba­te na CA­SA

O de­ba­te nu­ma das ca­dei­as de te­le­vi­são com três dos en­tão can­di­da­tos à pre­si­dên­cia da for­ma­ção po­lí­ti­ca CA­SA es­te­ve mui­to pró­xi­mo de um te­a­tro.

Ou­vi, in­clu­si­ve, vo­zes que de­fen­de­ram que, aten­den­do ao pa­pel exer­ci­do no de­ba­te por dois dos três can­di­da­tos, era pre­fe­rí­vel te­rem re­pen­sa­do a ideia de con­gres­so com múl­ti­plas can­di­da­tu­ras. Se a ideia foi dar a im­pres­são de vá­ri­as can­di­da­tu­ras e fu­gir do es­pec­tro da lis­ta úni­ca, os par­ti­dá­ri­os da en­tão co­li­ga­ção elei­to­ral, que se tor­nou a ter­cei­ra for­ça po­lí­ti­ca do país, nas elei­ções de 2012, de­ram um mau exem­plo.

Não pre­ci­sa­vam de pro­ta­go­ni­zar o re­fe­ri­do es­pec­tá­cu­lo em que um dos as­pi­ran­tes ao ca­dei­rão de pre­si­den­te do par­ti­do não se coi­biu de elo­gi­ar a can­di­da­tu­ra, tra­jec­tó­ria e li­de­ran­ça do che­fe ces­san­te. O cú­mu­lo da au­sên­cia do de­co­ro ocor­reu qu­an­do Jo­sé Ka­lu­pe­te­ka, um dos en­tão can­di­da­tos, pe­diu ao seu opo­nen­te pa­ra des­cre­ver a sua tra­jec­tó­ria po­lí­ti­ca.

Num de­ba­te em que se es­pe­ra­va que os can­di­da­tos apre­sen­tas­sem as li­nhas de for­ça dos seus pro­gra­mas pa­ra a li­de­ran­ça do par­ti­do, Jo­sé Ka­lu­pe­te­ka abs­te­ve-se dis­so a fa­vor de elo­gi­os, di­rec­tos e in­di­rec­tos, à li­de­ran­ça ces­san­te. In­clu­si­ve, as re­des so­ci­ais “ex­plo­di­ram” de re­pri­men­das ao par­ti­do, com opi­niões se­gun­do as quais as­sim não fi­ca­va na­da mal a CA­SA avan­çar ape­nas com uma úni­ca lis­ta.

“Mais ve­lhos de rua”

Já mui­to se es­cre­veu so­bre os “mais ve­lhos de rua”, uma hor­da de jo­vens que na zo­na bai­xa da ci­da­de aten­tam con­tra a or­dem, se­gu­ran­ça e tran­qui­li­da­de pú­bli­cas sem que a Po­lí­cia Na­ci­o­nal in­ter­ve­nha. Des­de a obs­tru­ção dos es­pa­ços pú­bli­cos pa­ra es­ta­ci­o­na­men­to à ex­tor­são de au­to­mo­bi­lis­tas, pas­san­do por ou­tras prá­ti­cas in­dig­nas, pa­re­ce que tu­do lhes é per­mi­ti­do. Co­mo eles es­tão à mar­gem da lei, as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do de­vem to­mar me­di­das. Re­co­nhe­ço que há de­sem­pre­go, mas sou con­tra que nu­me­ro­sos jo­vens se con­cen­trem na zo­na bai­xa da ci­da­de a pro­cu­rar for­mas de­so­nes­tas pa­ra con­se­gui­rem di­nhei­ro. Jul­go que nem fi­ca bem pa­ra a nos­sa ci­da­de pas­sar a ima­gem de nu­me­ro­sos “mais ve­lhos de rua” que, pa­ra to­dos os efei­tos, de­vi­am ser em­pre­ga­dos nas mais va­ri­a­das es­fe­ras. Às ve­zes qu­es­ti­o­no-me por­que as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do per­mi­tem tan­to des­per­dí­cio de mão-de-obra des­ses jo­vens que pre­fe­rem a oci­o­si­da­de e as prá­ti­cas de­so­nes­tas na Bai­xa da ci­da­de, qu­an­do se­ri­am mui­to úteis nou­tros lo­cais. A so­ma do tra­ba­lho bra­çal de to­dos os jo­vens te­ria um im­pac­to enor­me no PIB de An­go­la. Num tem­po em que pre­ci­sa­mos de pro­du­zir mui­ta ri­que­za por via do tra­ba­lho de ho­mens e mu­lhe­res, em ida­de ac­ti­va, não faz sen­ti­do que cen­te­nas de jo­vens de­sem­pre­ga­dos de­am­bu­lem pe­la ci­da­de, ins­ta­lan­do-se mui­tas ve­zes em de­ter­mi­na­das zo­nas co­mo “mais ve­lhos de rua”.

Registo elei­to­ral

O pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do registo elei­to­ral es­tá a ter uma ade­são aci­ma de to­das as ex­pec­ta­ti­vas. Na ver­da­de, tra­ta-se ape­nas da con­fir­ma­ção de que os an­go­la­nos es­tão mes­mo en­ga­ja­dos no ca­mi­nho que de­ve­rá le­var à re­a­li­za­ção das pró­xi­mas elei­ções, nu­ma al­tu­ra em que o ob­jec­ti­vo pri­má­rio des­te pro­ces­so vi­sa sa­ber quan­tos an­go­la­nos que vo­ta­ram em 2012 con­ti­nu­am vi­vos. É bom que es­sa mo­bi­li­za­ção pa­ra o pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção, nos mol­des em que de­cor­re, con­ti­nue a me­re­cer da par­te das po­pu­la­ções a aten­ção de­se­ja­da. Por is­so, no­ta-se que o po­vo es­tá in­te­res­sa­do no ama­du­re­ci­men­to do pro­ces­so de­mo­crá­ti­co em An­go­la.

Na fa­se sub­se­quen­te, es­pe­ro que a mes­ma mo­bi­li­za­ção cí­vi­ca que le­va mi­lha­res a ac­tu­a­li­zar ago­ra o registo elei­to­ral se verifique igual­men­te pa­ra o su­ces­so da nos­sa de­mo­cra­cia. Mi­lha­res de an­go­la­nos dis­pen­sa­ram par­te do seu va­li­o­so tem­po pa­ra sen­ta­rem-se em fren­te a um bri­ga­dis­ta ou pa­ra­rem jun­to a uma bri­ga­da mó­vel, pa­ra ac­tu­a­li­za­rem o seu registo. Pes­so­al­men­te, fi-lo lo­go nos pri­mei­ros di­as e con­ti­nuo a ape­lar a pes­so­as pró­xi­mas pa­ra que o fa­çam.

O que é bom em tu­do is­so é a for­ma vo­lun­tá­ria e en­ga­ja­da co­mo as pes­so­as em ida­de elei­to­ral se des­do­bram em par­ti­ci­par no pro­ces­so.

Os an­go­la­nos têm cons­ci­ên­cia da im­por­tãn­cia das elei­ções pa­ra a con­so­li­da­ção da nos­sa de­mo­cra­cia.Os an­go­la­nos que­rem ir às ur­nas em mas­sa.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.