Oba­ma re­for­ça in­te­res­ses po­lí­ti­cos e eco­nó­mi­cos

Jornal de Angola - - MUNDO - AL­TI­NO MATOS |

O Pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma apos­tou no avan­ço sig­ni­fi­ca­ti­vo da di­plo­ma­cia nor­te-ame­ri­ca­na na Ásia, du­ran­te a sua úl­ti­ma vi­si­ta ao con­ti­nen­te, pa­ra ga­ran­tir o es­pa­ço po­lí­ti­co e eco­nó­mi­co de Washington, nu­ma al­tu­ra em que a di­nâ­mi­ca de Pequim che­gou até aos paí­ses con­si­de­ra­dos es­tra­té­gi­cos na co­o­pe­ra­ção com os Es­ta­dos Uni­dos.

Ana­lis­tas ci­ta­dos em jor­nais, nos Es­ta­dos Uni­dos, afir­ma­ram que o Pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no, Ba­rack Oba­ma, quer dei­xar os in­te­res­ses na Ásia em si­tu­a­ção es­tá­vel, pa­ra tor­nar as coi­sas mais fá­ceis a Washington com a en­tra­da em ce­na do pró­xi­mo che­fe da Ca­sa Bran­ca.

Na sua dé­ci­ma e úl­ti­ma vi­a­gem à Ásia co­mo Che­fe do Es­ta­do, Ba­rack Oba­ma pro­cu­rou pri­o­ri­zar a po­lí­ti­ca ex­ter­na e a co­o­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca com ve­lhos ali­a­dos.

Oba­ma es­tá a cin­co me­ses de sua par­ti­da da Ca­sa Bran­ca, e, além de ter ad­mi­ti­do que a cri­se dos re­fu­gi­a­dos é uma das gran­des pre­o­cu­pa­ções da agen­da in­ter­na­ci­o­nal, quer mar­car um po­si­ci­o­na­men­to for­te no con­ti­nen­te asiá­ti­co, on­de os in­te­res­ses nor­te-ame­ri­ca­nos es­tão tre­mi­dos. As­sim, Oba­ma in­cluiu La­os, um dos paí­ses co­mu­nis­tas da Ásia, na sua agen­da de gran­des con­tac­tos pa­ra afir­mar a sua in­fluên­cia no Ori­en­te. O Es­ta­do de La­os exer­ce nes­te ano a pre­si­dên­cia da Ase­an (As­so­ci­a­ção de Na­ções do Su­des­te Asiá­ti­co), uma boa ra­zão pa­ra ser con­si­de­ra­do um mar­co im­por­tan­te na no­va es­tra­té­gia de Washington na Ásia.

Du­ran­te a reu­nião do gru­po re­gi­o­nal com os Es­ta­dos Uni­dos, Oba­ma elo­gi­ou as van­ta­gens do acor­do de li­vre co­mér­cio trans­pa­cí­fi­co (TPP), per­se­gui­do por to­dos os la­dos do es­pec­tro po­lí­ti­co nor­te-ame­ri­ca­no e que ain­da pre­ci­sa de ul­tra­pas­sar a bar­rei­ra do con­gres­so.

No iní­cio des­te mês, Oba­ma de­fen­deu o TPP, ao ga­ran­tir que é uma ar­ma con­tra a in­fluên­cia da Chi­na na Ásia, a pri­mei­ra vez que o Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos se re­fe­riu di­rec­ta­men­te à di­nâ­mi­ca de Pequim na re­gião. O La­os é o país do mun­do so­bre o qual caí­ram mais bom­bas por ha­bi­tan­tes, qu­an­do a guer­ra do Vi­et­na­me che­gou ao seu ter­ri­tó­rio, en­tre 1964 e 1973. Cer­ca de 30 por cen­to des­sas bom­bas não ex­plo­di­ram e 50.000 pes­so­as mor­re­ram des­de o fim da guer­ra.

Washington e Vi­et­na­me, que du­ran­te anos man­ti­ve­ram re­la­ções ten­sas, evo­ca­ram nos úl­ti­mos me­ses um re­for­ço do pro­gra­ma nor­te­a­me­ri­ca­no de des­mi­na­gem e de de­sar­ma­men­to des­tes ex­plo­si­vos.

Pre­si­den­ci­ais

Os ana­lis­tas fi­ze­ram sa­ber que a di­nâ­mi­ca que Oba­ma pre­ten­de im­por na Ásia tem o seu fo­co pa­ra den­tro, já que o Pre­si­den­te quer in­flu­en­ci­ar, com a di­plo­ma­cia, uma pos­sí­vel vi­tó­ria da can­di­da­ta de­mo­cra­ta à Ca­sa Bran­ca, Hil­lary Clin­ton. No con­fron­to di­rec­to com o can­di­da­to re­pu­bli­ca­no, Do­nald Trump, Hil­lary Clin­ton con­ser­va uma ma­gra van­ta­gem de três por cen­to, se­gun­do as úl­ti­mas son­da­gens. Do­nald Trump con­se­guiu uma re­cu­pe­ra­ção im­pres­si­o­nan­te, que os ana­lis­tas atri­bu­em a uma pos­tu­ra mais fir­me e às su­as úl­ti­mas de­cla­ra­ções so­bre a res­pon­sa­bi­li­da­de po­lí­ti­ca dos Es­ta­dos Uni­dos nos prin­ci­pais as­sun­tos in­ter­na­ci­o­nais. Trump de­fen­de, nes­se sen­ti­do, uma co­o­pe­ra­ção com a Rús­sia, ao in­vés de uma dis­pu­ta que tor­na­ria mais di­fí­cil as coi­sas pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos. A cam­pa­nha elei­to­ral, nos Es­ta­dos Uni­dos, en­trou pra­ti­ca­men­te na rec­ta fi­nal e os can­di­da­tos dis­pu­tam vo­to-a-vo­to a con­quis­ta da Ca­sa Bran­ca.

dois me­ses da vo­ta­ção, a can­di­da­ta de­mo­cra­ta dis­se que o mag­na­ta re­pu­bli­ca­no tem “al­go a es­con­der, ao se ne­gar mos­trar a sua de­cla­ra­ção de ren­da e es­tá com­ple­ta­men­te equi­vo­ca­do se acha que nin­guém se im­por­ta com es­sa in­for­ma­ção.” “Acho que é um as­sun­to fun­da­men­tal so­bre o qual te­re­mos de fa­lar de uma for­ma, ou de ou­tra nos pró­xi­mos 62 di­as, por­que, cla­ra­men­te, tem al­go a es­con­der”, dis­se Hil­lary aos jor­na­lis­tas du­ran­te um voo pa­ra a Fló­ri­da.

O Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Ba­rack Oba­ma, quer cla­ri­fi­car a si­tu­a­ção de Washington na are­na in­ter­na­ci­o­nal, pa­ra re­ti­rar ar­gu­men­tos ao can­di­da­to re­pu­bli­ca­no, se­gun­do a im­pren­sa nor­te-ame­ri­ca­na.

Úl­ti­ma apos­ta

O Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Ba­rack Oba­ma, no­me­ou, na ter­ça-fei­ra, aque­le que, ao ser con­fir­ma­do pe­lo Se­na­do, vai trans­for­mar-se no pri­mei­ro juiz fe­de­ral mu­çul­ma­no da his­tó­ria nor­te-ame­ri­ca­na, num con­tex­to elei­to­ral no qual au­men­ta­ram os ata­ques re­tó­ri­cos con­tra os que pro­fes­sam a re­li­gião is­lâ­mi­ca no país.

Oba­ma anun­ci­ou num co­mu­ni­ca­do que in­di­cou o nor­te-ame­ri­ca­no Abid Ri­az Qu­reshi pa­ra ser um dos juí­zes do Tri­bu­nal Fe­de­ral do Dis­tri­to de Co­lum­bia, on­de se en­con­tra Washington, ca­pi­tal do país.

“Es­tou en­can­ta­do por no­me­ar o se­nhor Qu­reshi pa­ra fa­zer par­te da ban­ca­da do Tri­bu­nal Fe­de­ral do Dis­tri­to de Co­lum­bia. Te­nho cer­te­za que vai ser­vir ao po­vo ame­ri­ca­no com in­te­gri­da­de e um com­pro­mis­so fer­re­nho com a jus­ti­ça”, dis­se Oba­ma. Mes­mo que Qu­reshi não se­ja con­fir­ma­do an­tes de Oba­ma dei­xar o po­der em Ja­nei­ro, po­de vol­tar a ser no­me­a­do por Hil­lary Clin­ton.

AFP

Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos Ba­rack Oba­ma pre­pa­ra es­pa­ço pa­ra a vi­tó­ria de Hil­lary

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.