Ta­len­to fe­mi­ni­no dis­tin­gui­do no Ca­mões

EX­PO­SI­ÇÃO DE ARTE Mar­ce­la Cos­ta e Ana Sou­sa San­tos ho­me­na­ge­a­das pe­lo seu con­tri­bu­to

Jornal de Angola - - GENTE - MÁ­RIO COHEN |

A his­tó­ria de ge­ra­ções e o le­ga­do dei­xa­do, du­ran­te anos, pe­lo ta­len­to fe­mi­ni­no na arte da te­ce­la­gem, são o te­ma da ex­po­si­ção “Te­cen­do Me­mó­ri­as”, de Ma­ria Bel­mi­ra, que es­tá pa­ten­te até ao dia 23, no Ca­mões - Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, em Lu­an­da.

A ex­po­si­ção, aber­ta ao pú­bli­co na ter­ça-fei­ra, é o seu re­co­nhe­ci­men­to ao tra­ba­lho de mestres da te­ce­la­gem, co­mo Mar­ce­la Cos­ta e Ana Sou­sa San­tos.

Nes­ta ex­po­si­ção, a ar­tis­ta uti­li­zou di­ver­sas téc­ni­cas, com des­ta­que pa­ra a apli­ca­ção em te­ci­do e bor­da­do, li­nho na­tu­ral, al­go­dão e cor­das de si­sal. O ob­jec­ti­vo, con­ta, foi rein­ven­tar de for­ma har­mo­ni­o­sa, cri­a­ti­va e ori­gi­nal, o “diá­lo­go” en­tre a tra­di­ção e a mo­der­ni­da­de, atra­vés de dez tra­ba­lhos pro­du­zi­dos nos úl­ti­mos seis anos.

Obras in­ti­tu­la­das “En­con­tro”, “Mas­ca­ra­do”, “Con­tex­tu­a­li­za­ção da Mu­lher Atra­vés dos Mi­tos”, “Mo­ti­vos Et­no­grá­fi­cos (de­se­nho na areia dos Cokwe do Nor­des­te de An­go­la”, “Ima­gi­na­ção de Kni” e “Me­mó­ri­as”, são um con­vi­te pa­ra uma re­fle­xão so­bre a ac­tu­al si­tu­a­ção da mu­lher na so­ci­e­da­de an­go­la­na, as­sim co­mo uma “vi­a­gem” pe­la di­ver­si­da­de da cul­tu­ra na­ci­o­nal.

Na mos­tra, a ar­tis­ta re­tra­ta ain­da o quo­ti­di­a­no da mu­lher e a sua re­la­ção com a na­tu­re­za, pro­cu­ran­do re­ve­lar a har­mo­nia do ser hu­ma­no no seu ha­bi­tat. “São as vi­vên­ci­as diá­ri­as, as emo­ções, mi­tos e as ex­pres­si­vi­da­des do cor­po que aju­dam a dar vi­da a es­ta mos­tra”, dis­se, acres­cen­tan­do que pro­cu­rou, com frequên­cia, re­a­fir­mar a im­por­tân­cia do elo en­tre o tra­di­ci­o­nal e o mo­der­no.

“É uma vi­são glo­bal que pre­ten­de cons­truir uma iden­ti­da­de, atra­vés da ta­pe­ça­ria e uma for­ma de par­ti­ci­par no res­ga­te e va­lo­ri­za­ção de téc­ni­cas tra­di­ci­o­nais, mas a par­tir du­ma pers­pec­ti­va con­tem­po­râ­nea”, ex­pli­cou Ma­ria Bel­mi­ra.

Pa­ra a ar­tis­ta, “Te­cen­do Me­mó­ri­as” é tam­bém a re­cons­tru­ção da sua pró­pria tra­jec­tó­ria e uma ho­me­na­gem a pes­so­as que in­flu­en­ci­a­ram a sua vi­da. As mar­cas pes­so­ais, de­fen­de, são um tra­ço que aju­da a iden­ti­fi­car qual­quer ci­da­dão de uma de­ter­mi­na­da épo­ca, num elo es­pe­ci­al, car­re­ga­do de emo­ções, so­nhos e am­bi­ções. “A ideia é le­var o pú­bli­co a ver aque­les que mar­ca­ram a cons­tru­ção das su­as per­so­na­li­da­des e iden­ti­da­des”, re­for­çou. Re­sul­ta­do de uma ini­ci­a­ti­va do Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, pa­ra sau­dar o Dia do He­rói Na­ci­o­nal, “Te­cen­do Me­mó­ri­as” faz tam­bém uma ho­me­na­gem aos cri­a­do­res que fa­zem da arte o seu su­por­te de sub­sis­tên­cia e va­lo­ri­za­ção da me­mó­ria co­lec­ti­va dos an­go­la­nos.

Na­tu­ral de Lu­an­da, Ma­ria Bel­mi­ra con­cluiu, em 1985, o cur­so de Te­ar, Gra­vu­ra, De­se­nho, Pin­tu­ra e Ce­râ­mi­ca na Es­co­la do “Bar­ra­cão”, na ca­pi­tal. De 1988 a 1991, foi mo­ni­to­ra do Te­ar, da Ofi­ci­na Têx­til, da Es­co­la Mé­dia de Ar­tes Plás­ti­cas e do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de For­ma­ção Ar­tís­ti­ca e Cul­tu­ral. Ao lon­go da sua car­rei­ra tra­ba­lhou tam­bém na Ofi­ci­na Têx­til e Ce­râ­mi­ca da Es­co­la Pro­fis­si­o­nal de Ofí­ci­os Ar­tís­ti­cos de Vi­la No­va de Cer­vei­ra, em Por­tu­gal. Em 2011, con­cluiu a li­cen­ci­a­tu­ra em Es­tu­dos Cul­tu­rais na Uni­ver­si­da­de Fer­nan­do Pes­soa, na ci­da­de do Por­to.

PAU­LI­NO DA­MIÃO

Ma­ria Bel­mi­ra ex­plo­ra o quo­ti­di­a­no e a im­por­tân­cia da cons­tru­ção da iden­ti­da­de sem se­pa­ra­ção en­tre o tra­di­ci­o­nal e o mo­der­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.