Cen­tro pa­ra to­xi­co­de­pen­den­tes cons­truí­do no Cu­an­do Cu­ban­go

A ini­ci­a­ti­va é da or­ga­ni­za­ção fi­lan­tró­pi­ca Cruz Azul de Angola que é uma união de vá­ri­as igre­jas

Jornal de Angola - - PARTADA - WEZA PASCOAL |

A ci­da­de de Menongue, na pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, vai ga­nhar, nos pró­xi­mos di­as, um cen­tro de re­a­bi­li­ta­ção e aco­lhi­men­to pa­ra to­xi­co­de­pen­den­tes, nu­ma ini­ci­a­ti­va da Cruz Azul de Angola, anun­ci­ou on­tem, em Menongue, o go­ver­na­dor em exer­cí­cio, Er­nes­to Ki­te­cu­lo.

Or­ça­das em cer­ca de cin­co mi­lhões de kwan­zas, as obras da in­fra-es­tru­tu­ra, com ca­pa­ci­da­de pa­ra al­ber­gar 30 pes­so­as, en­tre ho­mens e mu­lhe­res, es­tá nes­te mo­men­to em fa­se de aca­ba­men­to, se­gun­do a cons­ta­ta­ção fei­ta por Er­nes­to Ki­te­cu­lo, du­ran­te uma jor­na­da de cam­po re­a­li­za­da em Menongue.

O di­rec­tor do re­fe­ri­do cen­tro, Ai­res Chi­lom­bo Ma­nu­el, dis­se, em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, que a ins­ti­tui­ção con­ta com qua­tro dor­mi­tó­ri­os, dos quais dois pa­ra mu­lhe­res, uma co­zi­nha, sa­la pa­ra au­las cris­tãs e um es­cri­tó­rio, en­tre ou­tros com­par­ti­men­tos.

Se­gun­do o res­pon­sá­vel, a Cruz Azul de Angola é uma or­ga­ni­za­ção fi­lan­tró­pi­ca, que tem co­mo ob­jec­ti­vo fun­da­men­tal aco­lher pes­so­as com di­fi­cul­da­des e/ou de­pen­den­tes de ál­co­ol e de ou­tras dro­gas, no sen­ti­do de en­si­ná-las e acon­se­lhá­las a ul­tra­pas­sar as di­fi­cul­da­des que vi­vem, atra­vés da pa­la­vra de Deus e de ora­ções.

Ai­res Ma­nu­el ex­pli­cou que a Cruz Azul é a união de vá­ri­as igre­jas de Angola, com re­al­ce pa­ra a IECA, IERA, UNIÃO e IESA, que tra­ba­lham pa­ra a re­a­bi­li­ta­ção fí­si­ca e es­pi­ri­tu­al das pes­so­as de­pen­den­tes de be­bi­das al­coó­li­cas ou de dro­gas, atra­vés do po­der do san­gue de Je­sus Cris­to e rein­se­ri-las na so­ci­e­da­de e no con­ví­vio fa­mi­li­ar.

O res­pon­sá­vel dis­se que a as­so­ci­a­ção de­ci­diu cons­truir um cen­tro na pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, por cau­sa do ele­va­do nú­me­ro de pes­so­as que so­frem com o con­su­mo exa­ge­ra­do de ál­co­ol, uma si­tu­a­ção que tem pro­vo­ca­do mui­tas mor­tes, de­fi­ci­ên­ci­as fí­si­cas, viú­vas e ór­fãos.

O go­ver­na­dor em exer­cí­cio, Er­nes­to Ki­te­cu­lo, fe­li­ci­tou a Cruz Azul de Angola pe­la cons­tru­ção do cen­tro de re­a­bi­li­ta­ção pa­ra to­xi­co­de­pen­den­tes, o úni­co a ní­vel da pro­vín­cia.

Er­nes­to Ki­te­cu­lo re­fe­riu que o cen­tro tem uma gran­de im­por­tân­cia, ten­do em con­ta o fe­nó­me­no que se tem ve­ri­fi­ca­do na pro­vín­cia e no país em ge­ral, sen­do a ju­ven­tu­de a ca­ma­da que mais mer­gu­lha no mun­do do ál­co­ol ou das dro­gas, co­mo a so­lu­ção dos seus pro­ble­mas, si­tu­a­ção que tem pro­vo­ca­do gra­ves con­sequên­ci­as à so­ci­e­da­de.

“Na me­di­da em que o tem­po for pas­san­do e os va­lo­res fo­rem trans­mi­ti­dos à ju­ven­tu­de, eles se­rão uma fer­ra­men­ta pa­ra que em to­dos os do­mí­ni­os do sa­ber pos­sam ca­ta­pul­tar o país pa­ra os pa­ta­ma­res que o Go­ver­no pre­ten­de”, dis­se, acres­cen­tan­do que se a ju­ven­tu­de emer­gir pa­ra o al­co­o­lis­mo, pa­ra as dro­gas ou pa­ra ou­tra con­du­ta er­ra­da vai pro­vo­car um gran­de dé­fi­ce e fa­zer com que o Go­ver­no dei­xe de de­sen­vol­ver e cons­truir o país, por­que a for­ça ac­ti­va vai es­tar to­tal­men­te de­bi­li­ta­da. Ex­pli­cou que es­te é um dos fe­nó­me­nos pe­lo qual o Go­ver­no cen­tral, mui­to re­cen­te­men­te, bai­xou um con­jun­to de ori­en­ta­ções pa­ra que os go­ver­nos pro­vin­ci­ais, so­bre­tu­do as di­rec­ções da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos, As­sis­tên­cia e Rein­ser­ção So­ci­al e do Con­se­lho Pro­vin­ci­al da Ju­ven­tu­de, en­tre ou­tros ór­gãos afins, es­tu­dem as re­ais cau­sas que es­tão por trás des­ta re­a­li­da­de que o país es­tá a vi­ver. “Di­zer que só a ju­ven­tu­de é que be­be não é ver­da­de, fe­char as ca­sas de ven­da de be­bi­das não é a so­lu­ção. É ne­ces­sá­rio que se es­tu­de es­te fe­nó­me­no pa­ra sa­ber o que é que se es­tá a pas­sar e qual é o de­ses­pe­ro da ju­ven­tu­de, por­que te­mos que tra­ba­lhar na ma­te­ri­a­li­za­ção de po­lí­ti­cas que vi­sam a de­fe­sa dos in­te­res­ses des­ta ca­ma­da, des­de o em­pre­go, for­ma­ção aca­dé­mi­ca, pro­fis­si­o­nal e ha­bi­ta­ção”, ex­pli­cou.

Dis­se ain­da que os go­ver­nos pro­vin­ci­ais e o cen­tral têm vin­do a tra­ba­lhar pa­ra que se pos­sa, pau­la­ti­na­men­te, re­ti­rar a ju­ven­tu­de des­te fla­ge­lo e tra­zê-la à re­a­li­da­de, uma vez que mui­tos, por in­fluên­cia do ál­co­ol ou das dro­gas, ma­tam, fe­rem, rou­bam, ofen­dem, hu­mi­lham e quan­do são ins­ta­dos em juí­zo já não sa­bem o que fi­ze­ram.

Ape­lou aos em­pre­sá­ri­os lo­cais e a pes­so­as sin­gu­la­res no sen­ti­do de apoi­a­rem a ini­ci­a­ti­va da Cruz Azul de Angola, pa­ra per­mi­tir que as pes­so­as que es­tão vi­ra­das ao mun­do do al­co­o­lis­mo e das dro­gas pos­sam vol­tar ao seio fa­mi­li­ar, de for­ma sã, e pas­sar o seu tes­te­mu­nho às ge­ra­ções vin­dou­ras.

NICOLAU VAS­CO | CU­AN­DO-CU­BAN­GO

Vis­ta par­ci­al da ci­da­de de Menongue que vai con­tar com um cen­tro pa­ra a re­cu­pe­ra­ção de de­pen­den­tes de ál­co­ol e ou­tras dro­gas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.