CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - FILIPE SAM­PAIO ALE­XAN­DRE COS­TA MA­RIA FER­NAN­DES CAR­LA SAN­TOS |

Pri­mei­ro Pre­si­den­te

Que­ria apro­vei­tar as pá­gi­nas do

pa­ra enal­te­cer o ges­to da Fun­da­ção Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, en­ti­da­de que, ao la­do de ou­tras, se em­pe­nha em di­vul­gar e pre­ser­var o le­ga­do do pri­mei­ro Pre­si­den­te de Angola.

A re­fe­ri­da ins­ti­tui­ção do­ou ao Mu­seu do Me­mo­ri­al Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to o mo­bi­liá­rio do ga­bi­ne­te de tra­ba­lho do pri­mei­ro Pre­si­den­te de Angola, um fac­to que fi­ca re­gis­ta­do pa­ra a pos­te­ri­da­de nu­ma al­tu­ra em que as ge­ra­ções mais no­vas pre­ci­sam de con­ti­nu­ar a be­ber dos en­si­na­men­tos do Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to. O es­pó­lio his­tó­ri­co do­a­do ao Mu­seu do Me­mo­ri­al fez par­te do ga­bi­ne­te de tra­ba­lho de Agos­ti­nho Ne­to na Se­de Na­ci­o­nal do MPLA e é cons­ti­tuí­do por pe­ças do seu es­cri­tó­rio ofi­ci­al, da sa­la de es­pe­ra e de reu­niões.

Tra­ta-se de um mo­men­to com gran­de va­lor mu­se­o­ló­gi­co, di­dác­ti­co e cul­tu­ral na me­di­da em que fi­cam mais en­ri­que­ci­dos to­dos os que sem­pre se em­pe­nha­ram a fa­vor do pai da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal. Vai ser bom so­bre­tu­do pa­ra as ge­ra­ções mais no­vas ver de per­to pe­ças co­mo me­sa de ma­dei­ra com tam­po em vi­dro, um ar­má­rio de ar­qui­vo, uma ca­dei­ra exe­cu­ti­va com ro­das, uma ban­dei­ra do par­ti­do, ces­tos de li­xo, pe­ças de ar­te­sa­na­to afri­ca­no e chi­nês, por­ta-es­fe­ro­grá­fi­cas e seu con­teú­do, en­tre ou­tros. Os jo­vens são cha­ma­dos a vi­si­tar o Me­mo­ri­al de Ne­to lo­ca­li­za­do na bai­xa da ci­da­de de Lu­an­da. Pa­ra ter­mi­nar gos­ta­ria de lan­çar um rep­to à ins­ti­tui­ção no sen­ti­do de tor­nar mais atrac­ti­va a vi­si­ta ao re­fe­ri­do es­pa­ço pa­ra que as pes­so­as que pa­ra lá se des­lo­quem te­nham von­ta­de de lá vol­tar. E pas­sar a men­sa­gem aos mais pró­xi­mos so­bre as van­ta­gens da apren­di­za­gem da His­tó­ria re­cen­te do país.

Em­bar­ca­ções na­vais

Li num si­te na In­ter­net, que um gru­po de cons­tru­ção na­val, com se­de no Mé­dio Ori­en­te, vai cons­truir 17 na­vi­os de pa­tru­lha pa­ra a Ma­ri­nha de Guer­ra de Angola, um fac­to que po­de ter gran­de im­pac­to no for­ta­le­ci­men­to das ca­pa­ci­da­des de Angola de­fen­der as su­as águas ma­rí­ti­mas. Tra­ta-se de in­for­ma­ções agra­dá­veis na me­di­da em que po­de­mos afir­mar sem exa­ge­ro que fe­nó­me­nos co­mo a pes­ca ile­gal, con­tra­ban­do no mar, a imi­gra­ção ile­gal, en­tre ou­tros ma­les, po­de­rão ter os di­as con­ta­dos.

Fe­li­ci­to as au­to­ri­da­des an­go­la­nas por te­rem ma­te­ri­a­li­za­do es­te im­por­tan­te acor­do que dei­xa mais sos­se­ga­das nu­me­ro­sas fa­mí­li­as.

Pro­du­ção de pe­tró­leo

Sou es­tu­dan­te de eco­no­mia e gos­to de acom­pa­nhar com in­te­res­se no­tí­ci­as so­bre as ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as e os mer­ca­dos fi­nan­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais. Co­mo ori­gi­ná­rio de um país pro­du­tor de pe­tró­leo, não há dú­vi­das de que me agra­da ou­vir fa­lar dos pre­ços do cru­de, des­de que es­tes se man­te­nham. Lon­ge de ir­re­a­lis­ti­ca­men­te es­pe­rar por uma su­bi­da ver­ti­gi­no­sa do pre­ço do pe­tró­leo, au­gu­ro mais que os pre­ços se es­ta­bi­li­zem ob­vi­a­men­te aci­ma dos ní­veis com­por­tá­veis. Ou­vi re­cen­te­men­te com in­te­res­se que o cus­to de pro­du­ção do pe­tró­leo vai bai­xar sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te, uma re­a­li­da­de que se afi­gu­ra co­mo boa no­va pa­ra os an­go­la­nos.

Afi­nal, te­mos dos mais one­ro­sos cus­tos de pro­du­ção do cru­de e ou­vir que tais cus­tos co­me­çam a re­du­zir é am­pla­men­te po­si­ti­vo. Se­gun­do al­gu­mas fon­tes bem iden­ti­fi­ca­das, o cus­to de pro­du­ção do bar­ril do pe­tró­leo caiu, em Angola, pa­ra 12 dó­la­res. Es­pe­ro que a So­nan­gol te­nha mar­gem de ma­no­bra su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer uma ges­tão pro­fis­si­o­na­li­zan­te que trans­for­me a nos­sa mai­or em­pre­sa pú­bli­ca na mul­ti­na­ci­o­nal mais bem su­ce­di­da em to­do o mun­do.

O in­fer­no em Ta­la­to­na

Os ha­bi­tan­tes de Ta­la­to­na, so­bre­tu­do os que vi­vem jun­to ao Co­lé­gio An­go­la­no, têm vi­vi­do nas úl­ti­mas se­ma­nas num ver­da­dei­ro in­fer­no cau­sa­do pe­lo ba­ru­lho de mú­si­ca al­tís­si­ma que per­du­ra du­ran­te to­da a noi­te.

Ape­sar das quei­xas fei­tas à po­lí­cia, a ver­da­de é que es­se ba­ru­lho não pá­ra dei­xan­do os mo­ra­do­res à bei­ra de um ata­que de ner­vos por se sen­ti­rem de­sam­pa­ra­dos por quem de­via pro­te­ger a sua tran­qui­li­da­de du­ran­te as 24 ho­ras de ca­da dia.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.