A res­pon­sa­bi­li­da­de de ca­da um

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O aci­den­te apa­ra­to­so que ocor­reu na Via Ex­pres­so, em Lu­an­da, na ma­nhã de quin­ta-fei­ra, em que pe­re­ce­ram du­as pes­so­as, além de du­as de­ze­nas de fe­ri­dos, lem­bra a to­da a so­ci­e­da­de, ins­ti­tui­ções e fa­mí­li­as a res­pon­sa­bi­li­da­de no uso das es­tra­das. É pre­ci­so cri­ar con­di­ções pa­ra mo­ni­to­ri­zar e res­pon­sa­bi­li­zar os pro­pri­e­tá­ri­os ou mo­to­ris­tas, as en­ti­da­des pa­ra as quais pres­tam ser­vi­ço, en­tre ou­tros in­ter­ve­ni­en­tes di­rec­tos e in­di­rec­tos, que per­mi­tem os seus veí­cu­los cir­cu­lar em con­di­ções que aten­tem con­tra a se­gu­ran­ça ro­do­viá­ria.

Ur­ge re­for­çar os me­ca­nis­mos de con­tro­lo so­bre o es­ta­do das es­tra­das pa­ra que, em ca­sos de com­ple­ta obs­tru­ção e pe­ri­go­si­da­de no trân­si­to, os au­to­mo­bi­lis­tas to­mem co­nhe­ci­men­to com su­fi­ci­en­te pre­vi­si­bi­li­da­de e an­te­ce­dên­cia. A in­ter­ven­ção nas es­tra­das, com pa­vi­men­to es­cor­re­ga­dio co­mo con­sequên­cia de al­gum der­ra­me, de­ve an­te­ci­par-se aos efei­tos de­sas­tro­sos e não se ve­ri­fi­car ape­nas de­pois de aci­den­tes.

O con­tro­lo da cir­cu­la­ção au­to­mó­vel a to­dos os ní­veis por par­te da Po­lí­cia Na­ci­o­nal e de ou­tras en­ti­da­des é vi­tal na me­di­da em que, re­la­ti­va­men­te ao re­fe­ri­do aci­den­te, mui­tas in­ter­ro­ga­ções se le­van­tam. Não há dú­vi­das de que a vi­a­tu­ra que es­te­ve na ori­gem do der­ra­me di­fi­cil­men­te vai ser iden­ti­fi­ca­da, sen­do igual­men­te es­cu­sa­do avan­çar por hi­pó­te­se a pos­si­bi­li­da­de da pes­soa ou en­ti­da­de res­pon­sá­vel pe­la vi­a­tu­ra ou pe­lo trans­por­te de com­bus­tí­vel na­que­las con­di­ções apre­sen­tar-se e as­su­mir as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des. Já há mui­to se fa­la so­bre a ne­ces­si­da­de das es­tra­das pos­suí­rem câ­ma­ras de ví­deo vi­gi­lân­cia não ape­nas pa­ra mo­ni­to­ri­zar o trân­si­to, mas con­tri­buir pa­ra o es­cla­re­ci­men­to de ca­sos co­mo es­tes em que não há si­nais so­bre a iden­ti­da­de do veí­cu­lo au­to­mó­vel res­pon­sá­vel pe­lo der­ra­me de com­bus­tí­vel. Não fos­se a pron­ta in­ter­ven­ção da Po­lí­cia Na­ci­o­nal e dos ser­vi­ços de bom­bei­ros, que sou­be­ram in­ter­vir, con­di­ci­o­nar o trân­si­to pa­ra efec­tu­ar lim­pe­za do pa­vi­men­to, mais da­nos e even­tu­ais ví­ti­mas po­di­am re­sul­tar do pa­vi­men­to es­cor­re­ga­dio.

Re­la­ti­va­men­te às con­di­ções de trans­por­ta­ção de pes­so­as por par­te de veí­cu­los cu­ja par­te de car­ga foi con­ce­bi­da pa­ra car­re­gar mer­ca­do­ri­as, pre­ci­sa­mos de ob­ser­var me­di­das pre­ven­ti­vas e pu­ni­ti­vas que de­sen­co­ra­jem es­se pro­ce­di­men­to. A po­lí­cia re­gu­la­do­ra do trân­si­to não po­de con­ti­nu­ar in­di­fe­ren­te à in­sis­tên­cia e vi­o­la­ção do es­ti­pu­la­do pe­las leis an­go­la­nas, por par­te de mo­to­ris­tas de ca­miões e car­ri­nhas em trans­por­tar pes­so­as so­bre as car­ro­ça­ri­as. Não é exa­ge­ra­do ape­lar à Po­lí­cia Na­ci­o­nal pa­ra que tor­ne efec­ti­va a to­le­rân­cia ze­ro à cir­cu­la­ção de ca­miões e car­ri­nhas a trans­por­tar pes­so­as de for­ma in­de­vi­da e ile­gal.

A cir­cu­la­ção ro­do­viá­ria de­ve ser fei­ta sob o sig­no da res­pon­sa­bi­li­da­de não ape­nas pa­ra os au­to­mo­bi­lis­tas, mas igual­men­te da par­te de ou­tros in­ter­ve­ni­en­tes, co­mo os res­pon­sá­veis pe­las con­di­ções em que cir­cu­lam nu­me­ro­sas vi­a­tu­ras e as pes­so­as en­quan­to pas­sa­gei­ras. Es­tas úl­ti­mas de­vem de­sem­pe­nhar igual­men­te um pa­pel im­por­tan­te na pre­ven­ção de nu­me­ro­sos aci­den­tes, a co­me­çar pe­la es­co­lha da vi­a­tu­ra em que se­guir vi­a­gem e tam­bém a mo­ni­to­ri­za­ção da con­du­ção au­to­mó­vel. Não ra­ras ve­zes, ao lon­go do tra­jec­to, den­tro e fo­ra das lo­ca­li­da­des, mui­tos au­to­mo­bi­lis­tas são ins­ta­dos pe­los pas­sa­gei­ros a mo­de­rar a ve­lo­ci­da­de, ati­tu­de nem sem­pre re­ce­bi­da com a de­vi­da aten­ção por par­te dos mo­to­ris­tas.

A res­pon­sa­bi­li­da­de de­ve ser par­ti­lha­da, no que à trans­por­ta­ção de pes­so­as diz res­pei­to, quan­do es­tão em jo­go vi­das hu­ma­nas, ra­zão pe­la qual mui­tas das cul­pas es­tão igual­men­te par­ti­lha­das. To­dos, en­tre au­to­mo­bi­lis­tas, pas­sa­gei­ros, peões, re­gu­la­do­res de trân­si­to, bom­bei­ros e res­tan­tes au­to­ri­da­des, aca­ba­mos por ser res­pon­sá­veis pe­lo es­ta­do ac­tu­al da cir­cu­la­ção au­to­mó­vel nas nos­sas es­tra­das. A pres­sa, a ne­ces­si­da­de de des­lo­ca­ção e ou­tras ra­zões não po­dem le­var as fa­mí­li­as e pes­so­as sin­gu­la­res a mi­ni­mi­za­rem as ques­tões de se­gu­ran­ça, ape­nas pa­ra men­ci­o­nar es­te fac­tor.

Em to­do o ca­so, mais do que en­con­trar cul­pa­dos e res­pon­sá­veis pe­lo fa­tí­di­co aci­den­te em que pe­re­ceu um be­bé de oi­to me­ses, era bom que apren­dês­se­mos to­dos a en­vi­dar es­for­ços no sen­ti­do da ac­tu­a­ção pre­ven­ti­va a to­dos os ní­veis. Com o con­tro­lo efec­ti­vo das vi­as de cir­cu­la­ção, acre­di­ta­mos que os pro­ces­sos atra­vés dos quais se po­di­am pre­ve­nir e evi­tar da­nos mai­o­res nas es­tra­das se­ri­am mais efi­ca­zes, bem co­mo as res­pon­sa­bi­li­da­des de­vi­da­men­te atri­buí­das. Ao la­do das im­po­si­ções le­gais pa­ra que os veí­cu­los tran­si­tem em con­di­ções téc­ni­cas, não é acei­tá­vel que cir­cu­lem pe­las es­tra­das vi­a­tu­ras que der­ra­mem lí­qui­dos que aten­tam con­tra a se­gu­ran­ça das pes­so­as ao lon­go do per­cur­so e pas­sem com­ple­ta­men­te des­per­ce­bi­das.

Se ca­da seg­men­to da so­ci­e­da­de fi­zer a sua par­te, to­mar as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des, acre­di­ta­mos que os ín­di­ces de si­nis­tra­li­da­de ro­do­viá­ria e a ta­xa de fa­ta­li­da­de as­so­ci­a­da bai­xa­ri­am sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te. Ape­nas se ca­da um fi­zer a sua par­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.