A gran­de pe­re­gri­na­ção

Jornal de Angola - - OPINIÃO - PAUL HANDLEY SARAH BENHAIDA

Quin­ze anos após os ata­ques do 11 de Se­tem­bro, es­pe­ci­a­lis­tas nor­te-ame­ri­ca­nos em com­ba­te ao ter­ro­ris­mo di­zem que os Es­ta­dos Uni­dos es­tão for­ta­le­ci­dos con­tra aten­ta­dos bem pla­ne­a­dos co­mo aque­le, mas en­con­tram-se mais vul­ne­rá­veis do que nun­ca a ata­ques pe­que­nos e in­ter­nos.

As ope­ra­ções an­ti-ter­ro­ris­tas têm ago­ra a mis­são de des­co­brir e in­ter­rom­per pla­nos dos apoi­an­tes do gru­po Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI) e da Al-Qa­e­da, que se es­con­dem em cé­lu­las me­nos cen­tra­li­za­das e nas no­vas tec­no­lo­gi­as, as­si­na­lam os es­pe­ci­a­lis­tas.

“O nos­so tra­ba­lho es­tá a fi­car mais di­fí­cil”, diz Nick Ras­mus­sen, o po­de­ro­so di­rec­tor do Cen­tro Na­ci­o­nal con­tra o Ter­ro­ris­mo, em aná­li­se re­a­li­za­da es­ta se­ma­na em Washing­ton.

A ex­pan­são dos mei­os pa­ra co­mu­ni­ca­ção so­ci­al en­tre eles, mui­tas ve­zes atra­vés de po­pu­la­res apli­ca­ções de “smartpho­nes”, e a pos­si­bi­li­da­de de co­mu­ni­ca­ções co­di­fi­ca­das “dá-lhes uma van­ta­gem” so­bre as agên­ci­as de in­te­li­gên­cia.

Os ata­ques do 11 de Se­tem­bro de­ram luz ver­de pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos na guer­ra con­tra o ter­ro­ris­mo, com fo­co pa­ra a Al-Qa­e­da e os ta­li­bãs, mas 15 anos de­pois o ob­jec­ti­vo são os di­fe­ren­tes gru­pos co­mo o Es­ta­do Is­lâ­mi­co, que con­quis­tou ter­ri­tó­ri­os na Sí­ria e no Ira­que, e ins­pi­rou ata­ques na Eu­ro­pa e nos Es­ta­dos Uni­dos. Es­tes aten­ta­dos são de me­nor en­ver­ga­du­ra, mas igual­men­te mor­tais e des­mo­ra­li­zan­tes.

A Al-Qa­e­da per­deu o seu lí­der, Osa­ma bin La­den, mas ope­ra ago­ra com ra­mi­fi­ca­ções e ali­a­dos das Fi­li­pi­nas à Áfri­ca oci­den­tal, o que su­põe uma ame­a­ça mais com­ple­xa.

“A re­a­li­da­de é que hou­ve uma me­tás­ta­se” da re­gião do Ira­que e da Sí­ria, diz Frank Cil­luf­fo, di­rec­tor do Cen­tro de Se­gu­ran­ça Ci­ber­né­ti­ca e Na­ci­o­nal da Uni­ver­si­da­de Ge­or­ge Washing­ton. “A ame­a­ça per­sis­te e em al­guns ca­sos é mais com­ple­xa”.

Uma sé­rie de ata­ques co­lo­ca­ram os “HVE” – vi­o­len­tos ex­tre­mis­tas lo­cais – no fo­co das agên­ci­as de in­te­li­gên­cia. Um exem­plo é o nor­te-ame­ri­ca­no de ori­gem afe­gã de 29 anos que ti­nha sim­pa­tia por ra­di­cais is­lâ­mi­cos e ma­tou 49 pes­so­as nu­ma dis­co­te­ca gay de Or­lan­do, Fló­ri­da.

Em De­zem­bro pas­sa­do, um ci­da­dão ame­ri­ca­no e sua mu­lher – am­bos de ori­gem pa­quis­ta­ne­sa – ma­ta­ram 14 pes­so­as nu­ma fes­ta de fi­nal de ano em San Ber­nar­di­no, Ca­li­fór­nia. O pro­gra­ma so­bre ex­tre­mis­mo da Uni­ver­si­da­de Ge­or­ge Washing­ton re­gis­ta 102 pes­so­as acu­sa­das nos Es­ta­dos Uni­dos por cri­mes re­la­ci­o­na­dos com o gru­po Es­ta­do Is­lâ­mi­co, mui­tos re­cru­ta­dos pe­la In­ter­net.

A in­te­li­gên­cia ame­ri­ca­na acom­pa­nha mais de mil ca­sos de pos­sí­veis ex­tre­mis­tas, re­fe­re Ras­mus­sen.Ac­tu­al­men­te, os pla­nos de­sen­vol­vem-se e são exe­cu­ta­dos mais ra­pi­da­men­te, e em pe­que­nas cé­lu- las, o que tor­na mais di­fí­cil a ac­ção dos ór­gãos an­ti-ter­ro­ris­tas.

Os fun­ci­o­ná­ri­os ame­ri­ca­nos acre­di­tam que o gru­po Es­ta­do Is­lâ­mi­co se­rá der­ro­ta­do mais ce­do ou mais tar­de no Ira­que e na Sí­ria, mas is­to não ex­clui­rá a sua ame­a­ça extremista.

A de­sin­te­gra­ção do EI no Ira­que e na Sí­ria de­ve en­vi­ar mi­lha­res dos seus par­ti­dá­ri­os, de ma­nei­ra si­len­ci­o­sa, a di­fe­ren­tes par­tes do mun­do, que po­de­rão aguar­dar du­ran­te anos pa­ra for­mar no­vas cé­lu­las ter­ro­ris­tas.

“A ame­a­ça que acre­di­to se­rá a prin­ci­pal, nos pró­xi­mos cin­co anos, pa­ra o FBI, se­rá a der­ro­ta do ca­li­fa­do”, do gru­po EI, dis­se Ja­mes Co­mey, di­rec­tor da Agên­cia Fe­de­ral de In­ves­ti­ga­ções (FBI).

Is­to li­ber­ta­rá “mi­lha­res de pe­ri­go­sos as­sas­si­nos” en­tre a po­pu­la­ção em ge­ral, mui­tos dos quais irão es­con­der-se na Eu­ro­pa. “Es­ta­mos di­an­te des­te obs­cu­ro fe­nó­me­no”, diz ele, “no qual não po­de­mos iden­ti­fi­car es­ta gen­te.”

Ou­tro gran­de de­sa­fio é a de­bi­li­da­de da in­te­li­gên­cia eu­ro­peia pa­ra iden­ti­fi­car as ame­a­ças, o que se ex­pli­ca pe­la fra­ca co­o­pe­ra­ção en­tre as agên­ci­as de di­fe­ren­tes paí­ses. Ras­mus­sen diz que há uma dé­ca­da con­fi­a­va mais na ha­bi­li­da­de dos Es­ta­dos Uni­dos e de ou­tros paí­ses pa­ra ac­tu­a­rem jun­tos no com­ba­te ao ter­ro­ris­mo. Ago­ra, “sin­to que es­ta­mos a des­cer la­dei­ra abai­xo” e a co­o­pe­ra­ção ape­nas se man­tém for­te nas re­la­ções bi­la­te­rais.

O cen­tro da lu­ta é con­tra a ide­o­lo­gia, di­zem os fun­ci­o­ná­ri­os dos ser­vi­ços se­cre­tos, e os Es­ta­dos Uni­dos têm ti­do pou­co pro­gres­so em com­ba­ter a propaganda de­se­nha­da pe­los sim­pa­ti­zan­tes do EI e da Al-Qa­e­da.

O ver­da­dei­ro pro­gres­so exi­ge es­tra­té­gi­as de lon­go pra­zo que en­vol­vam as re­des so­ci­ais, dis­se Mi­cha­el Lei­ter, da em­pre­sa es­pe­ci­a­li­za­da em de­fe­sa Lei­dos, la­men­tan­do que mui­to pou­co se­ja in­ves­ti­do en­te do­mí­nio.

Qua­se dois mi­lhões de fiéis afluíam já on­tem em di­rec­ção a Meca pa­ra a pe­re­gri­na­ção anu­al mu­çul­ma­na – el hajj –, um ano de­pois de um mor­tí­fe­ro es­ma­ga­men­to que con­tri­buiu pa­ra au­men­tar a ten­são en­tre a Ará­bia Sau­di­ta e o Irão.

As au­to­ri­da­des sau­di­tas re­for­ça­ram as me­di­das de se­gu­ran­ça e a mo­bi­li­za­ção po­li­ci­al pa­ra im­pe­dir a re­pe­ti­ção da tra­gé­dia de 2015, que dei­xou 2.300 mor­tos, sen­do mais de 450 ira­ni­a­nos. Es­te ano não es­tá pre­vis­ta a pre­sen­ça de ne­nhum pe­re­gri­no ira­ni­a­no.

Na Gran­de Mes­qui­ta e na es­pla­na­da, mi­lha­res de fiéis do mun­do in­tei­ro re­zam ou ca­mi­nham per­ma­nen­te­men­te.

Du­ran­te a ho­ra de ca­da uma das cin­co ora­ções diá­ri­as, mi­li­ta­res de boi­na ver­me­lha e uni­for­me de ca­mu­fla­gem co­lo­cam bar­rei­ras de plás­ti­co ver­de pa­ra ori­en­tar a mul­ti­dão. Se um pe­re­gri­no ten­tar mu­dar de per­cur­so é au­to­ma­ti­ca­men­te blo­que­a­do.

On­tem, por oca­sião da gran­de ora­ção se­ma­nal, um he­li­cóp­te­ro so­bre­vo­ou o lo­cal da ora­ção, en­quan­to os prin­ci­pais ei­xos da ci­da­de es­ta­vam fe­cha­dos à cir­cu­la­ção pa­ra dar es­pa­ço aos pe­re­gri­nos que con­ver­gem pa­ra a Ka­a­ba, a cons­tru­ção cú­bi­ca em tor­no da qual mu­çul­ma­nos do mun­do in­tei­ro gi­ram en­quan­to re­zam.

Es­te ano, a Ará­bia Sau­di­ta co­me­çou a en­tre­gar aos pe­re­gri­nos uma pul­sei­ra de iden­ti­fi­ca­ção. Ri­a­de afir­ma que me­lho­rou a or­ga­ni­za­ção e re­for­çou a se­gu­ran­ça da gran­de pe­re­gri­na­ção anu­al mu­çul­ma­na, que co­me­ça ho­je e de­ve re­ce­ber dois mi­lhões de pes­so­as.

As pul­sei­ras plas­ti­fi­ca­das in­clu­em um có­di­go de bar­ras que po­de ser li­do por “smartpho­ne”, que for­ne­ce a iden­ti­da­de, a na­ci­o­na­li­da­de, o lo­cal de alo­ja­men­to do pe­re­gri­no, o con­tac­to dos co­or­de­na­do­res do gru­po ao qual per­ten­ce, além de ou­tras in­for­ma­ções so­bre o vis­to, ex­pli­cou As­sa Rawas, vi­ce-se­cre­tá­rio do Mi­nis­té­rio do Hajj.

“O ob­jec­ti­vo é equi­par to­dos os pe­re­gri­nos pro­ce­den­tes do ex­te­ri­or, qua­se 1,4 mi­lhões de fiéis”, acres­cen­tou o mi­nis­tro, sem re­ve­lar quan­tas pul­sei­ras já fo­ram dis­tri­buí­das. A Ará­bia Sau­di­ta foi mui­to cri­ti­ca­da por cau­sa da tra­gé­dia do ano pas­sa­do, cu­jas cau­sas ain­da não fo­ram des­co­ber­tas.

No de­sas­tre de 2015, Lawan Na­sir, de 45 anos, per­deu um pri­mo. Es­te ano, o ni­ge­ri­a­no foi a Meca ain­da a so­frer pe­lo fa­mi­li­ar. “Te­ria si­do uma es­tu­pi­dez não vir, a mor­te che­ga­rá quan­do for a mi­nha ho­ra”, afir­mou.

“No ano pas­sa­do, hou­ve imen­sas fa­lhas em ter­mos de or­ga­ni­za­ção”, afir­ma Ja­ne Kin­nin­mont, do Cen­tro de Es­tu­dos Chathan Hou­se de Lon­dres, des­ta­can­do a im­por­tân­cia des­ta ope­ra­ção pa­ra Ri­a­de em ter­mos re­li­gi­o­sos e eco­nó­mi­cos. Ou­tro pe­re­gri­no, Za­kou Ba­kar, de 50 anos, veio do Ní­ger. Co­mo já re­ce­beu a sua bra­ce­le­te, não es­tá pre­o­cu­pa­do. “Se mor­rer ou ti­ver pro­ble­mas, sei que se­rei iden­ti­fi­ca­do”.

Além da se­gu­ran­ça, ou­tro gran­de pro­ble­ma pa­ra a Ará­bia Sau­di­ta, que é su­ni­ta, é a sua rivalidade com o Irão, xi­i­ta. An­te a che­ga­da do hajj, a guer­ra de de­cla­ra­ções en­tre os dois paí­ses so­freu uma es­ca­la­da. O guia su­pre­mo ira­ni­a­no, Ali Kha­me­nei, qua­li­fi­cou os di­ri­gen­tes sau­di­tas de “mal­di­tos e ma­lé­fi­cos”. “Os ira­ni­a­nos não são mu­çul­ma­nos”, res­pon­deu o gran­de muf­ti sau­di­ta. A Li­ga Ára­be ali­nhou com Ri­a­de, con­de­nan­do as de­cla­ra­ções de Kha­me­nei.

REU­TERS

REU­TERS

Dois mi­lhões de fiéis es­tão a ca­mi­nho de Meca pa­ra a mai­or pe­re­gri­na­ção anu­al mu­çul­ma­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.