Ins­pec­ção me­lho­ra téc­ni­cas de ac­tu­a­ção

Jornal de Angola - - NECROLOGIA - ED­SON FON­TES |

As ac­ti­vi­da­des de ins­pec­ção es­co­lar a ní­vel da pro­vín­cia do Bengo vão ser le­va­das a ca­bo com mai­or pers­pi­cá­cia, nos pró­xi­mos di­as, de­pois de um gru­po de ins­pec­to­res ter­mi­nar, quin­ta-fei­ra, em Ca­xi­to, um se­mi­ná­rio de três di­as, pa­ra me­lho­rar os mé­to­dos de ac­tu­a­ção.

Com o se­mi­ná­rio, que vi­sou igual­men­te for­mar no­vos qua­dros pa­ra a ac­ti­vi­da­de ins­pec­to­ra, a Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção pre­ten­deu po­ten­ci­ar os ins­pec­to­res e au­men­tar os co­nhe­ci­men­tos des­tes so­bre ques­tões re­la­ci­o­na­das ao sis­te­ma de edu­ca­ção.

O di­rec­tor pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção, Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia, no Bengo, An­tó­nio Qui­no, re­fe­riu que a ac­ção de­cor­re por ini­ci­a­ti­va lo­cal, em con­so­nân­cia com o Ga­bi­ne­te de Ins­pec­ção Na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio de Edu­ca­ção, pa­ra dis­cu­tir te­mas re­la­ci­o­na­dos com o per­fil do ins­pec­tor.

Além dis­so, os par­ti­ci­pan­tes abor­da­ram te­mas que dei­xa­ram pis­tas so­bre co­mo fa­zer um di­ag­nós­ti­co e uma ava­li­a­ção ins­ti­tu­ci­o­nal no âm­bi­to da es­co­la e a le­gis­la­ção em vi­gor apli­ca­da no sec­tor da Edu­ca­ção. O di­rec­tor ex­pli­cou que o se­mi­ná­rio vi­sou tam­bém trans­mi­tir as no­vas di­nâ­mi­cas e me­to­do­lo­gi­as de ac­tu­a­ção do ins­pec­tor, sem­pre em res­pei­to à le­gis­la­ção la­bo­ral vi­gen­te, fun­da­men­tal­men­te, no sec­tor.

An­tó­nio Qui­no deu a co­nhe­cer aos par­ti­ci­pan­tes que as ac­ções for­ma­ti­vas vão con­ti­nu­ar, pa­ra que se ac­tu­a­li­ze e ca­pa­ci­te os téc­ni­cos e se ad­qui­ram mais com­pe­tên­ci­as que per­mi­tam acom­pa­nhar me­lhor o tra­ba­lho dos pro­fes­so­res em si­tu­a­ção con­cre­ta, is­to é, na sa­la de au­la, e de­sen­vol­ver o tra­ba­lho de for­ma per­ma­nen­te.

O res­pon­sá­vel sa­li­en­tou que o ins­pec­tor é o ar­ti­cu­la­dor do sis­te­ma edu­ca­ti­vo na es­co­la, ins­pec­ção e ór­gãos cen­trais. Daí que a ac­ção for­ma­ti­va te­ve ain­da co­mo ob­jec­ti­vo tra­zer, a ní­vel da Ins­pec­ção da pro­vín­cia, no­vos ins­pec­to­res, uma vez que é de ex­tre­ma im­por­tân­cia re­for­çar o qua­dro na pro­vín­cia.

Com a for­ma­ção, o di­rec­tor pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção anun­ci­ou que a Ins­pec­ção pas­sa a con­tar com mais 45 téc­ni­cos, que se jun­tam aos an­te­ri­o­res 16 ou­tros.

An­tó­nio Qui­no sa­li­en­tou que a re­vi­ta­li­za­ção da Ins­pec­ção, que ini­ci­ou em 2009, foi de­se­nha­da no Con­se­lho di­rec­ti­vo do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, em 2014, e co­me­çou a ser im­ple­men­ta­da pa­ra con­tri­buir pa­ra a qua­li­da­de da edu­ca­ção, equi­da­de e jus­ti­ça em to­do o sis­te­ma a ní­vel da re­gião. O res­pon­sá­vel dis­se que, no qua­dro das fun­ções do con­tro­lo da le­ga­li­da­de, es­pe­ra­mos que a Ins­pec­ção con­ti­nue a de­sen­vol­ver ac­ções de acom­pa­nha­men­to, ava­li­a­ção, con­tro­lo e au­di­to­ria des­de o sis­te­ma pré-es­co­lar aos se­gun­dos ci­clos do en­si­no se­cun­dá­rio ge­ral, se­cun­dá­rio de for­ma­ção de pro­fes­so­res e de for­ma­ção do en­si­no téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal.

Su­bli­nhou que a ac­tu­a­ção dos ins­pec­to­res tem por re­fe­rên­cia, en­tre ou­tros, os prin­cí­pi­os da im­par­ci­a­li­da­de, isen­ção, ri­gor e res­pon­sa­bi­li­da­de, daí ape­lar pa­ra que es­tes as­pec­tos, ba­si­la­res pa­ra que um ins­pec­tor se­ja o es­pe­lho a ní­vel do sec­tor, se­jam bem aca­ta­dos e co­lhi­dos.

JO­SÉ SO­A­RES

Ob­jec­ti­vo é me­lho­rar o pro­ces­so de en­si­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.