Agên­cia da ONU lan­ça no­vo guia

Jornal de Angola - - NECROLOGIA -

A Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) mo­di­fi­cou a ori­en­ta­ção so­bre o uso de pre­ser­va­ti­vo pa­ra ca­sais que vi­a­ja­ram pa­ra re­giões on­de há a pre­sen­ça do ví­rus zika.

O pra­zo re­co­men­da­do pas­sou de oi­to se­ma­nas pa­ra seis me­ses, mes­mo pa­ra as pes­so­as que não te­nham ti­do qual­quer sin­to­ma do ví­rus.

O no­vo aler­ta foi fei­to no mes­mo dia em que a en­ti­da­de apon­tou que os ris­cos de um con­tá­gio nos Jo­gos Pa­ra­lím­pi­cos no Rio são bai­xos, mas não ine­xis­ten­tes.

Num do­cu­men­to pu­bli­ca­do ter­ça­fei­ra, a agên­cia es­pe­ci­a­li­za­da da ONU es­ti­ma que “evi­dên­ci­as ca­da vez mai­o­res mos­tram que a trans­mis­são se­xu­al do ví­rus é pos­sí­vel e mais co­mum do que se acha­va an­tes.”

“A pre­o­cu­pa­ção exis­te por cau­sa da as­so­ci­a­ção en­tre o ví­rus zika e a mi­cro­ce­fa­lia, com­pli­ca­ções neu­ro­ló­gi­cas e sín­dro­me de Guil­lain-Bar­ré”, ex­pli­cou a OMS.

Até ago­ra, 17 es­tu­dos in­di­ca­ram uma for­te pro­ba­bi­li­da­de de trans­mis­são se­xu­al do ví­rus. A in­fec­ção por meio do se­xo foi iden­ti­fi­ca­da em 11 paí­ses, en­tre os quais os Es­ta­dos Uni­dos, Ar­gen­ti­na, Chi­le, No­va Ze­lân­dia e di­ver­sos lo­cais na Eu­ro­pa. No ca­so dos EUA, foi re­gis­ta­da ain­da a trans­mis­são atra­vés de se­xo anal e no­vos es­tu­dos apon­tam pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de in­fec­ção por se­xo oral.

Uma ou­tra cons­ta­ta­ção da OMS tem a ver com a pre­sen­ça do ví­rus no sé­men. Por en­quan­to, há com­pro­va­ção de que o ví­rus zika po­de fi­car até 41 di­as ac­ti­vo no sé­men. Ou­tro es­tu­do, re­a­li­za­do es­te ano, de­tec­tou o zika no sé­men 14 di­as de­pois do fim da do­en­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.