A ban­dei­ra e a sua his­tó­ria

Jornal de Angola - - LAZER -

A ban­dei­ra é de­fi­ni­da clas­si­ca­men­te co­mo o sím­bo­lo vi­su­al re­pre­sen­ta­ti­vo de um Es­ta­do so­be­ra­no, ou país, mu­ni­cí­pio, in­ten­dên­cia, pro­vín­cia, bair­ro, or­ga­ni­za­ção, so­ci­e­da­de, clã, co­roa, rei­no, ou se­ja to­da e qual­quer en­ti­da­de cons­ti­tuí­da, se­ja uma na­ção e o seu po­vo, se­ja uma fa­mí­lia tra­di­ci­o­nal, des­de que re­co­nhe­ci­da por ou­tras en­ti­da­des ou por tra­di­ção.

Por dis­pos­tos le­gais de ca­da país, de­ve ser sem­pre has­te­a­da num mas­tro, com al­tu­ra e di­men­sões es­ta­be­le­ci­das em leis, es­ta­tu­tos so­ci­ais, con­ven­ções ou sim­ples­men­te num pro­jec­to pré-de­fi­ni­do. Re­pre­sen­ta tam­bém a so­be­ra­nia na­ci­o­nal ou mes­mo o ac­to de di­vul­gar al­go em prol de um to­do. Ape­sar de não apa­re­cer sob o con­cei­to de al­guns, a ban­dei­ra não é só um pe­da­ço de pa­no sim­ples.

No seu con­teú­do, é re­pre­sen­ta­da to­da a his­tó­ria de um po­vo, as su­as con­vic­ções, lu­tas e es­pe­ran­ças. É usa­da tan­to em pe­río­dos de paz co­mo de guer­ra e é um dos sím­bo­los uni­ver­sais mais abran­gen­tes.

A ori­gem da ban­dei­ra re­mon­ta à Ida­de Mé­dia, quan­do os exér­ci­tos ali­a­dos, pa­ra não se con­fun­di­rem uns com os ou­tros, usa­vam um pe­da­ço de pa­no has­te­a­do num es­tan­dar­te, com as co­res e si­nais de iden­ti­fi­ca­ção do ba­ta­lhão ou com­pa­nhia en­vol­vi­da. As­sim, evi­ta­vam o te­mi­do fo­go ami­go.

A ban­dei­ra tem a sua ori­gem nas in­síg­ni­as, si­nais dis­tin­ti­vos de po­der ou de co­man­do, usa­dos des­de a An­ti­gui­da­de, que po­de­ri­am ser fi­gu­ras re­cor­ta­das em ma­dei­ra, me­tal, ou pin­ta­das nos es­cu­dos. A subs­ti­tui­ção dos sig­nos fi­gu­ra­dos de ma­te­ri­al rí­gi­do por te­ci­dos pin­ta­dos em co­res vi­vas foi fei­ta pe­los ro­ma­nos, com o seu ve­xi­lium (es­tan­dar­te), uma ten­dên­cia que se acen­tu­ou du­ran­te a Ida­de Mé­dia.

A mais an­ti­ga re­gu­la­men­ta­ção do uso das ban­dei­ras de que se tem co­nhe­ci­men­to es­tá in­cluí­da nas “si­e­te par­ti­das” do rei Afon­so X, o sá­bio (1252-1284), es­pe­ci­fi­can­do as di­fe­ren­ças en­tre o es­tan­dar­te pri­va­ti­vo de um prín­ci­pe, os pen­dões, os hi­e­rár­qui­cos dos co­man­dan­tes mi­li­ta­res e as flâ­mu­las de ca­da re­gi­men­to. Com as mo­di­fi­ca­ções tra­zi­das pe­lo tem­po, es­se ain­da é, ba­si­ca­men­te, o pro­ce­di­men­to usa­do até ho­je: em to­dos os paí­ses, o uso das ban­dei­ras obe­de­ce a uma re­gu­la­men­ta­ção ri­go­ro­sa quan­to à for­ma, co­res e ma­nei­ra de has­te­ar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.