His­tó­ria de Angola em li­vro

“TETEMBWA YA DIPANDA” Cre­mil­da Li­ma con­ta ce­nas da In­de­pen­dên­cia a es­tu­dan­tes

Jornal de Angola - - CULTURA - ROQUE SIL­VA |

A his­tó­ria de Angola re­gis­ta­da na vés­pe­ra da In­de­pen­dên­cia é re­tra­ta­da pe­la es­cri­to­ra Cre­mil­da de Li­ma, no li­vro in­fan­to-ju­ve­nil, in­ti­tu­la­do “Tetembwa ya dipanda”, apre­sen­ta­do on­tem, na União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, em Lu­an­da, nu­ma ce­ri­mó­nia que con­tou com a pre­sen­ça de es­tu­dan­tes do I ci­clo do en­si­no se­cun­dá­rio.

O li­vro, cu­jo tí­tu­lo em por­tu­guês sig­ni­fi­ca “Es­tre­la da in­de­pen­dên­cia”, é um re­tra­to re­su­mi­do de fac­tos de­sen­ca­de­a­dos pe­los an­go­la­nos an­tes e de­pois da “dipanda”, vi­san­do o seu al­can­ce.

A his­tó­ria re­la­ta o ima­gi­ná­rio dos an­go­la­nos com an­si­e­da­de de ve­rem o país li­vre do co­lo­ni­a­lis­mo, os as­pec­tos mar­can­tes dos mo­men­tos um dia an­tes da pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia, em 1975, e os fes­te­jos dos seus 40 anos.

O li­vro tem um ca­rác­ter pe­da­gó­gi­co cla­ro, a jul­gar pe­lo ca­sa­men­to en­tre a his­tó­ria e as ilus­tra­ções de Victorino Ki­a­la.

A his­tó­ria co­me­ça com um con­to so­bre o am­bi­en­te de dra­ma e con­fli­to que o país vi­veu nas pri­mei­ras ho­ras do dia 10 de No­vem­bro e ter­mi­na nas co­me­mo­ra­ções alu­si­vas aos 40 anos da In­de­pen­dên­cia.

O li­vro re­gis­ta diá­lo­gos en­tre o so­ba Mu­ku­tu, per­so­na­gem prin­ci­pal, e cri­an­ças e ado­les­cen­tes, di­an­te de um bo­lo com 40 ve­las, on­de as 18 pro­vín­ci­as se fa­zem re­pre­sen­tar com pro­du­tos oriun­dos das su­as ter­ras ará­veis.

O oc­to­ge­ná­rio di­vi­de as his­tó­ri­as que vi­veu e re­co­lheu de an­ti­gos com­ba­ten­tes. O so­ba Mu­ku­tu apre­sen­ta, no fi­nal da his­tó­ria, uma pre­o­cu­pa­ção às cri­an­ças so­bre o fu­tu­ro de Angola. A his­tó­ria mar­ca a vi­da de to­dos os an­go­la­nos, daí a ne­ces­si­da­de de di­vi­di-la com os mais jo­vens, dis­se a es­cri­to­ra ao Jor­nal de Angola. Pa­ra Cre­mil­da de Li­ma, a lei­tu­ra é uma for­ma de me­lho­rar os co­nhe­ci­men­tos das pes­so­as e pa­ra que as cri­an­ças e jo­vens per­ce­bam is­so é ne­ces­sá­rio ha­ver in­cen­ti­vo e mo­ti­va­ção dos adul­tos.

Os pro­ge­ni­to­res e pro­fes­so­res têm as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des por se­rem en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção, mas o Es­ta­do de­ve apos­tar em po­lí­ti­cas, re­for­çou a au­to­ra.

O li­vro, lan­ça­do no ano pas­sa­do em Por­tu­gal, foi edi­ta­do pa­ra co­me­mo­rar os 40 anos da In­de­pen­dên­cia.

Cre­mil­da de Li­ma é au­to­ra dos li­vros “A co­lher e o gé­nio de ca­na­vi­al”, “A kyan­da e o bar­qui­nho de Fu­xi”, “O ma­bo­que má­gi­co”, “O em­bon­dei­ro que que­ria ser ár­vo­re de Na­tal”, “A mis­san­ga e o sa­pu­po”, “O ngui­ko e as man­di­o­cas”, “A ve­lha san­ga par­ti­da” e “Mus­su­lo uma ilha en­can­ta­da”.

O di­rec­tor do Co­lec­ti­vo de Ar­tes Om­ba­ka, da pro­vín­cia de Ben­gue­la, dis­se, on­tem, ao Jor­nal de Angola, ser im­por­tan­te in­cen­ti­var o de­ba­te, bem co­mo a pro­du­ção de mais pe­ças de te­a­tro so­bre co­mo vi­ver na di­fe­ren­ça, em so­ci­e­da­des con­ser­va­do­ras.

Mi­le­to Jo­na­tão Chi­am­bo ex­pli­cou que um dos mai­o­res pro­ble­mas das so­ci­e­da­des “tra­di­ci­o­nais” é acei­tar o que es­tá fo­ra dos pa­drões, ra­zão pe­la qual é pro­pos­ta a pe­ça “O ele­va­dor”, que o Co­lec­ti­vo Om­ba­ka exi­be ho­je e ama­nhã, às 20h00, no Ci­ne Mo­mu­men­tal, em Ben­gue­la, no âm­bi­to da sua di­gres­são pe­las pro­vín­ci­as.

A pe­ça nar­ra a his­tó­ria de uma pros­ti­tu­ta, um ho­mos­se­xu­al, um claus­tro­fó­bi­co, uma cren­te, um au­tis­ta e um téc­ni­co de ele­va­dor, que par­ti­lham as su­as ex­pe­ri­ên­ci­as num úni­co lu­gar: o ele­va­dor.

A pe­ça, ex­pli­ca o res­pon­sá­vel, é re­pre­sen­ta­da por se­te ac­to­res e tem a du­ra­ção de 45 mi­nu­tos, nos quais ca­da per­so­na­gem ma­ni­fes­ta as su­as in­qui­e­ta­ções e a fal­ta de pre­pa­ro pa­ra vi­ver e acei­tar as di­fe­ren­ças par­ti­dá­ri­as, so­ci­ais, cul­tu­rais, re­li­gi­o­sas e eco­nó­mi­cas.

Du­ran­te a “vi­a­gem” no ele­va­dor, há uma pa­ra­gem sú­bi­ta, ge­ran­do no sí­tio um con­fli­to de ge­ra­ções e um cho­que cul­tu­ral en­tre o mo­der­no e o tra­di­ci­o­nal, cu­ja dis­cri­mi­na­ção tor­na-se o fo­co dos acon­te­ci­men­tos, dis­se Mi­le­to Chi­am­bo.

As­sen­te em fac­tos re­ais, a pe­ça é uma ten­ta­ti­va de cha­mar-se aten­ção à im­por­tân­cia do res­pei­to mú­tuo, por ser pos­sí­vel al­can­çar-se um bom con­ví­vio com o ou­tro di­an­te das di­ver­si­da­des cul­tu­rais e op­ções de vi­da.

Ven­ce­dor da pri­mei­ra edi­ção do Pré­mio Pro­vin­ci­al de Ben­gue­la, na ca­te­go­ria de Te­a­tro, em 2014, o Co­lec­ti­vo de Ar­tes Om­ba­ka quer um mai­or di­na­mis­mo e im­pul­so do em­pre­sa­ri­a­do lo­cal, quan­to às ac­ti­vi­da­des li­ga­das às ar­tes cé­ni­cas na ter­ra das “acá­ci­as ru­bras”, em par­ti­cu­lar o te­a­tro.

O Co­lec­ti­vo de Ar­tes Om­ba­ka foi for­ma­do no dia 5 de Mar­ço de 2005, em Ben­gue­la, e tem vá­ri­os pré­mi­os con­quis­ta­dos em fes­ti­vais de te­a­tro, além de par­ti­ci­pa­ção nos fes­ti­vais do Ca­zen­ga, da Paz (Lu­an­da), Mos­tra de Es­que­te Te­a­tral no (Bra­sil), no In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro do In­ver­no de Mo­çam­bi­que, em 2014, Voz Áfri­ca e Efe­ti­ki­lo, am­bos da pro­vín­cia do Hu­am­bo.

O gru­po de­di­ca-se tam­bém à re­a­li­za­ção de es­pec­tá­cu­los de dan­ça na ci­da­de de Ben­gue­la, sen­do a con­quis­ta de um pré­mio na­ci­o­nal ou in­ter­na­ci­o­nal de te­a­tro um dos seus ob­jec­ti­vos, por for­ma a con­sa­grar a sua car­rei­ra e dar um ou­tro pres­tí­gio às ac­ti­vi­da­des de­sen­vol­vi­das ao lon­go da sua exis­tên­cia.

DOMBELE BER­NAR­DO

Co­lec­ti­vo de ar­te Om­ba­ka apre­sen­ta ho­je e ama­nhã em Ben­gue­la a pe­ça de te­a­tro “O Ele­va­dor”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.