Ser­vir os ci­da­dãos

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Mui­tos ci­da­dãos es­tão a tra­tar com mai­or ce­le­ri­da­de do­cu­men­tos de iden­ti­fi­ca­ção pes­so­al, de­pois dos ser­vi­ços pú­bli­cos li­ga­dos ao de­par­ta­men­to mi­nis­te­ri­al de Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos te­rem pas­sa­do a im­pri­mir mai­or di­nâ­mi­ca ao aten­di­men­to ao pú­bli­co.

A do­cu­men­ta­ção pes­so­al é es­sen­ci­al pa­ra que os ci­da­dãos pos­sam re­sol­ver inú­me­ros pro­ble­mas e foi bom que o Mi­nis­té­rio da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos te­nha cri­a­do me­ca­nis­mos que es­tão a pro­du­zir re­sul­ta­dos po­si­ti­vos, no que diz res­pei­to ao re­gis­to ci­vil dos ci­da­dãos, no­me­a­da­men­te de cri­an­ças em vá­ri­as pro­vín­ci­as do país.

Cos­tu­ma­mos di­zer que as cri­an­ças são o fu­tu­ro da Na­ção. Mas não bas­ta pro­nun­ci­ar­mos es­ta fra­se. Te­mos de cri­ar as con­di­ções pa­ra re­sol­ver os seus pro­ble­mas. E um dos gran­des pro­ble­mas que afec­tam as cri­an­ças é não es­ta­rem mui­tas de­las re­gis­ta­das em vá­ri­as re­giões do país, não po­den­do ter aces­so às es­co­las pú­bli­cas, por­que não têm uma cé­du­la pes­so­al.

É pois de lou­var to­do o es­for­ço que tem si­do fei­to até aqui pe­las au­to­ri­da­des, por in­ter­mé­dio do Mi­nis­té­rio da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, no sen­ti­do de um gran­de nú­me­ro de cri­an­ças se­rem re­gis­ta­das.

Foi acer­ta­da a de­ci­são das au­to­ri­da­des de se fa­ze­rem re­gis­tos gra­tui­tos. Um dos gran­des pro­ble­mas que im­pe­dia mui­tas pes­so­as de efec­tu­ar o re­gis­to dos fi­lhos era a fal­ta de di­nhei­ro. Foi na ver­da­de uma boa op­ção es­ta a de per­mi­tir que mi­lha­res de cri­an­ças pos­sam ter uma cé­du­la pes­so­al, sem qual­quer des­pe­sa, o que vai per­mi­tir que fu­tu­ra­men­te to­dos os me­no­res em ida­de escolar es­te­jam a es­tu­dar em es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no pú­bli­cos.

A pro­vín­cia do Uíge é um bom exem­plo de co­mo se po­de re­gis­tar um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de cri­an­ças , se os ser­vi­ços pú­bli­cos fo­rem efi­ci­en­tes e se es­ti­ve­rem mais pró­xi­mos da po­pu­la­ção. Va­le a pe­na trans­cre­ver as palavras do de­le­ga­do pro­vin­ci­al da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos no Uíge, Mi­guel Cu­to­ca: “A pro­vín­cia do Uíge fa­zia par­te das se­te pro­vín­ci­as em Angola com mai­or nú­me­ro de cri­an­ças por re­gis­tar. Pa­ra dar res­pos­ta a es­ta si­tu­a­ção , ti­ve­mos que cri­ar mé­to­dos fá­ceis pa­ra ace­le­rar o pro­ces­so, tais co­mo le­var vá­ri­as equi­pas téc­ni­cas jun­to das co­mu­ni­da­des, pas­san­do de al­deia em al­deia, pa­ra re­gis­tar to­dos os ci­da­dãos, con­tra­ri­a­men­te aos mé­to­dos do pas­sa­do, que con­sis­ti­am em es­pe­rar que as pes­so­as fos­sem ao en­con­tro dos ser­vi­ços.”

A des­bu­ro­cra­ti­za­ção dos ser­vi­ços foi de­ci­si­va pa­ra se ob­te­rem os re­sul­ta­dos po­si­ti­vos no pro­ces­so de re­gis­to gra­tui­to de nas­ci­men­to. A sim­pli­fi­ca­ção dos pro­ce­di­men­tos e a ce­le­ri­da­de no aten­di­men­to fi­ze­ram com que au­men­tas­se no país o nú­me­ro de cri­an­ças com do­cu­men­to de iden­ti­fi­ca­ção.

Ao ir ao en­con­tro das pes­so­as, nes­te pro­ces­so de re­gis­to ci­vil, os ser­vi­ços pú­bli­cos mos­tra­ram que não exis­tem pa­ra com­pli­car a vida dos ci­da­dãos. Pe­lo con­trá­rio. O Es­ta­do, que tem ta­re­fas que só a ele com­pe­te re­a­li­zar, tem de or­ga­ni­zar me­ca­nis­mos que con­du­zam à sa­tis­fa­ção das ne­ces­si­da­des das po­pu­la­ções. É por is­so que o Es­ta­do de­ve ter ser­vi­do­res com dis­po­ni­bi­li­da­de to­tal pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas dos ci­da­dãos. Os ser­vi­do­res pú­bli­cos são um seg­men­to es­sen­ci­al pa­ra aten­der à pro­cu­ra por par­te dos ci­da­dãos dos ser­vi­ços do Es­ta­do.

Ain­da bem que se es­tá a avan­çar pa­ra a sim­pli­fi­ca­ção dos pro­ce­di­men­tos no aten­di­men­to ao pú­bli­co e na ce­le­ri­da­de no aten­di­men­to aos ci­da­dãos. Que es­te avan­ço não se li­mi­te ape­nas ao Mi­nis­té­rio da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos. Que ou­tros de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais or­ga­ni­zem tam­bém os seus ser­vi­ços de mo­do a ser­vir ca­da vez me­lhor as po­pu­la­ções.

To­dos nós de­se­ja­mos que o Es­ta­do se­ja ca­da vez mais efi­ci­en­te, pa­ra que as po­pu­la­ções pos­sam re­sol­ver mui­tos dos seus pro­ble­mas. É pre­ci­so aca­bar com prá­ti­cas ne­ga­ti­vas do pas­sa­do, co­lo­can­do nos ser­vi­ços pú­bli­cos as pes­so­as que es­te­jam à al­tu­ra dos nos­sos ac­tu­ais de­sa­fi­os.

Um servidor pú­bli­co não de­ve cri­ar pro­ble­mas ao ci­da­dão. De­ve re­sol­ver os pro­ble­mas que o ci­da­dãos co­lo­ca ao servidor do Es­ta­do. É im­por­tan­te que os de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais te­nham o há­bi­to de pos­suir nas su­as ins­ta­la­ções, e a vá­ri­os ní­veis, gui­chés de re­cla­ma­ções. As re­cla­ma­ções dos ci­da­dãos de­vem ser li­das, pois es­se exer­cí­cio de lei­tu­ra po­de aju­dar as ins­ti­tui­ções a te­rem um me­lhor de­sem­pe­nho, no in­te­res­se pú­bli­co.

É ne­ces­sá­rio que nos de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais se atri­bua mai­or im­por­tân­cia às re­cla­ma­ções dos ci­da­dãos e que se to­mem as me­di­das ade­qua­das, quan­do for ca­so dis­so, pa­ra se me­lho­rar es­te ou aque­le ser­vi­ço.

Os de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais de­vem es­tar vol­ta­dos pa­ra a vida das pes­so­as. As pes­so­as têm pro­ble­mas, pe­lo que os que têm a res­pon­sa­bi­li­da­de de os re­sol­ver de­vem ac­tu­ar com com­pe­tên­cia e ce­le­ri­da­de. Os ser­vi­do­res do Es­ta­do têm de ser par­te de to­do o es­for­ço que o país faz e que es­tá vi­ra­do pa­ra o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to. O servidor pú­bli­co de­ve com­pre­en­der que ele é tam­bém par­te da so­lu­ção de mui­tos pro­ble­mas que o país tem de su­pe­rar. O Es­ta­do é uma pes­soa de bem. Ca­be ao Es­ta­do re­a­li­zar a sua no­bre mis­são de pro­mo­ver o bem-es­tar de to­dos. E nes­te pro­ces­so de bus­ca de qua­li­da­de de vida pa­ra to­dos nós o servidor pú­bli­co tem de de­sem­pe­nhar com efi­ci­ên­cia o seu pa­pel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.