Angola em fó­rum nos Es­ta­dos Uni­dos

Jornal de Angola - - DESPORTO - ED­NA DALA |

O juiz de di­rei­to e for­ma­dor fo­ren­se, Gra­ça Tchi­pe­pe, vai re­pre­sen­tar o país na con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal dos tri­bu­nais ad­mi­nis­tra­ti­vos que se re­a­li­za de 9 a 13 de Ju­lho do pró­xi­mo ano, em Washing­ton DC.

Du­ran­te a con­fe­rên­cia que vai abor­dar te­má­ti­cas co­mo a ges­tão dos tri­bu­nais, re­cur­sos hu­ma­nos e a psi­co­lo­gia fo­ren­se, Gra­ça Tchi­pe­pe vai abor­dar so­bre a ques­tão dos sis­te­mas de tri­bu­ta­ção fo­ren­se.

Em de­cla­ra­ções à nos­sa re­por­ta­gem, o juiz dis­se que foi con­tem­pla­do com a ou­tor­ga de um di­plo­ma que o tor­na mem­bro pro­fis­si­o­nal da As­so­ci­a­ção In­ter­na­ci­o­nal de Tri­bu­nais Ad­mi­nis­tra­ti­vos (Ia­ca), se­de­a­da nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca.

O tam­bém au­tor da obra ci­en­tí­fi­ca “As cus­tas ju­di­ci­ais e o seu re­gi­me ju­rí­di­co em Angola” dis­se que foi um pro­ces­so ár­duo ha­bi­li­tar-se co­mo mem­bro da or­ga­ni­za­ção.

O au­tor des­ta­cou que é uma hon­ra fa­zer par­te do gru­po, ten­do em con­ta que é a ter­cei­ra pes­soa em Áfri­ca mem­bro pro­fis­si­o­nal da as­so­ci­a­ção, re­sul­ta­do de mui­to sa­cri­fí­cio e fru­to Juiz de di­rei­to e for­ma­dor fo­ren­se do seu tra­ba­lho de investigação. O juiz lem­brou que par­ti­ci­pou re­cen­te­men­te da XI con­fe­rên­cia re­gi­o­nal da Ia­ca, em Haia, Ho­lan­da, que reuniu ma­gis­tra­dos, pro­fes­so­res e ad­mi­nis­tra­do­res ju­di­ci­ais, en­tre ou­tros es­pe­ci­a­lis­tas, on­de dis­cu­ti­ram ques­tões so­bre os sis­te­mas das cor­tes ju­di­ci­ais. Tchi­pe­pe dis­se que o prin­ci­pal ob­jec­ti­vo da as­so­ci­a­ção é o re­co­nhe­ci­men­to das pes­so­as e pro­fis­si­o­nais dos ser­vi­ços de ad­mi­nis­tra­ção da justiça, em par­ti­cu­lar dos que se de­di­cam à investigação ci­en­tí­fi­ca.

Ex­pli­cou que os Es­ta­dos so­be­ra­nos po­dem ade­rir a es­ta as­so­ci­a­ção. Angola ain­da não o fez, mas vá­ri­os são os paí­ses afri­ca­nos que a in­te­gram, co­mo a Áfri­ca do Sul, Qué­nia, Ni­gé­ria, Egip­to, Gha­na e a Tan­zâ­nia, que são ape­nas mem­bros ade­ren­tes.

Es­cla­re­ceu que são pou­cos mem­bros pro­fis­si­o­nais, por­que os pres­su­pos­tos pa­ra se ha­bi­li­tar são ca­ros, pois uma das con­di­ções é que os pro­fis­si­o­nais dos tri­bu­nais te­nham uma obra ou ma­nu­al uti­li­za­do em pe­lo me­nos 20 uni­ver­si­da­des. Gra­ça Tchi­pe­pe, que re­ce­beu o apoio da Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca e da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos, dis­se que con­se­guiu 37 as­si­na­tu­ras de uni­ver­si­da­des bra­si­lei­ras e não só, o que lhe per­mi­tiu ser ha­bi­li­ta­do. O juiz re­cor­dou que ho­je tem re­co­nhe­ci­men­to in­ter­na­ci­o­nal, o que con­si­de­rou hon­ro­so, pa­ra re­pre­sen­tar as co­res da ban­dei­ra na­ci­o­nal. Nes­te mo­men­to, o au­tor re­fe­riu que já fo­ram ven­di­dos mais de 15 mil exem­pla­res da sua obra aca­dé­mi­ca, que se en­con­tra ape­nas nas uni­ver­si­da­des, por­que as li­vra­ri­as pre­ten­di­am ven­dê-los a um pre­ço mui­to mais al­to, o que con­si­de­rou um roubo.

VIGAS DA PU­RI­FI­CA­ÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.